Menu

Vale a pena visitar Paris?

Vale a pena visitar Paris? Muitas pessoas me fizeram esta pergunta depois da nossa última viagem à capital francesa, e aqui eu conto um pouco das minhas impressões sobre Paris.
Vale a pena visitar Paris?
Vale a pena visitar Paris? Muitas pessoas me perguntaram se vale a pena visitar Paris depois da nossa última viagem à capital francesa, e aqui eu conto um pouco das minhas impressões sobre Paris. 
Já fui 'acusada' de achar tudo lindo, de me apaixonar por todos os lugares que eu visito, de raramente dizer que não gostei de alguma coisa, de me contentar com pouco, etc. 

E é verdade que sou meio Poliana-viajante, sempre procurando o lado positivo de cada lugar, então não quero ser aquela que fica malhando Paris. 

Eu já tinha ouvido algumas pessoas dizerem que não tinham se apaixonado por Paris e eu não entendia isso, porque já estive várias vezes na França e nunca tinha me deparado com os famosos mau humor e fedor franceses - afinal, de onde veio a fama de que eles inventaram o perfume para disfarçar o mau cheiro decorrente da falta de banho!? 

Nunca tinham me tratado mal por lá, sempre consegui me comunicar tranquilamente com uma mistura de inglês, italiano, espanhol e português e acho relativamente fácil entender o francês, principalmente quando escrito. 

Eu só tinha lembrança de uma Paris que transpira arte por cada poro, que grita história em cada esquina e de um país que inventou a baguete e o camembert - como não amar? 😙

Mas na última viagem foi diferente. 

Eu amo cidades com áreas decadentes, como Kreuzberg*, em Berlim, por exemplo - lugares assim me passam uma (boa) impressão de autenticidade. Mas, no centro da Cidade Luz, não há espaço para decadência. 

A capital francesa é um lugar onde não cabe pichação e sujeira espalhada pelos boulevards do Barão Haussmann.


Paris
sujeira espalhada pelos boulevards do Barão Haussmann


Paris

Paris
o Musée d'Orsay não merece pichações bem na sua frente!

Eu posso amar street art em Londres e tolerar bem a imundície de Mumbai, mas foi muito decepcionante sentir um cheiro insuportável a mijo na Rive Gauche, ver mendigos dormindo nos Champs Élysées, lixo espalhado por áreas super centrais e turísticas, o stress causado pelas sirenes constantes das polícias, as reiteradas revistas policiais (sim, nos revistaram as mochilas 2 vezes em diferentes pontos da cidade), o transporte público sem funcionar, causando um caos na vida dos turistas e, muito mais, dos parisienses, o Campo de Marte sem campo (só terra seca), os franceses de saco cheio maltratando turistas, as instruções do que fazer em caso de ataques terroristas e de cuidado com 'pickpockets', os parques fechados ao público "por motivos de segurança", as tentativas de furto escancaradas no metrô, os vendedores mega insistentes em Sacré Cœur, os golpes nos desavisados no Trocadéro...

Nós ficamos ligados em pequenos golpes quando vamos ao Egito ou ao Camboja - não em Paris!

A gente está preparado psicologicamente para sentir #medo e #stress quando vai ao Rio de Janeiro (desculpem os cariocas, mas eu sinto medo passeando no Rio sim...), não quando vai a Paris, né?

Paris tem que ter champagne e glamour, poxa! 

Não é verdade que brasileiro foge do Brasil nas férias, quando pode, justamente para fugir da violência? Para poder caminhar pelas ruas à noite na paz, sem ter que se preocupar em colocar a mochila para frente? 

"Ah, mas Paris é a cidade mais visitada do mundo, não tem como ser perfeita...Nova York também fede a mijo". Sim, e ver moradores de rua em Nova York, por mais triste que seja, sempre foi "comum", mas, em Paris, pra mim, não é.

Paris SEMPRE FOI a cidade mais visitada do mundo e, das minhas visitas anteriores, eu não tinha essas más lembranças...porque agora, de repente, devemos começar a achar que é ok ver lixo espalhado pelas ruas de Paris?!? Eu nunca vou conseguir achar isso normal!

Nova York SEMPRE FOI sujinha e, ao contrário da capital francesa, a cada nova visita, eu encontro a Big Apple mais limpa! (e eu sempre achei que, em NYC, cabe tudo - do luxo ao lixo - já em Paris, não)

Eu continuo me emocionando cada vez que entro da Sainte Chapelle - mas, nesta última visita, fiquei espantada com a sujeira dos vitrais!

E veja bem: meu problema não é sujeira - se fosse, eu não seria apaixonada por Kathmandu do jeito que eu sou - meu problema é sujeira e descuido em Paris...simplesmente não combina!

Como disse a @mgperigolo num post que publiquei sobre o assunto lá no Instagram, morre aquela visão romântica de Paris que existe na nossa cabeça...Paris tem uma memória romântica a zelar!! 😅

No último ano, estive em Amsterdam, Londres, Estocolmo, Oslo, Liverpool, Barcelona e Istambul - só para citar algumas grandes metrópoles européias que re-visitamos recentemente - e não me decepcionei com nenhuma delas, não vi sujeira nas ruas de nenhuma delas. A decepção foi só com Paris mesmo. Não notei todos esses problemas escancarados em nenhum outro lugar (tem posts sobre cada uma dessas cidades aqui no blog!). 

A sensação de (in) segurança certamente é uma coisa muito pessoal - e eu não costumo sentir medo com frequência - mas me senti insegura em Paris, por incrível que possa parecer... 😒

"É que as cidades europeias que tiveram ataques terroristas recentemente estão em crise - há desvio de fundos para a segurança e resta menos $$ para investir em limpeza, ação social e policiamento". Sim, tudo isso pode ser verdade, mas não notei essa mesma decadência em Berlim, Bruxelas ou Londres, por exemplo, mesmo tendo estado nas 3 cidades antes e depois dos ataques terroristas que elas também sofreram...

Paris
até o gramadão do Campo de Marte estava meio pobrinho (e sim, vimos uns ratinhos faceiros ali)...

Paris
na nossa visita anterior, o que tínhamos visto era um gramadão daqueles que dava vontade de lamber...

Paris
muitas placas avisando para ter cuidado com os batedores de carteira...

Paris
as escadarias que sobem até Sacré Cœur estavam superlotadas, de turistas e de ambulantes

Sim, Paris continua sendo um deslumbre de cidade; sim, os ratos de metrô não são novidade; não, eu não faço idéia de quais são as causas - não sei nada da política ou economia francesas (e nem me atreveria a discutir esses assuntos); e não, não acredito que os imigrantes tenham culpa no cartório, pois eles já estavam lá há muito tempo - senegaleses, argelinos, nigerianos - e às patadas, quando visitei a Torre Eiffel pela 1ª vez, ainda no século passado

As minhas constatações não têm nenhuma pretensão sociológica: sou apenas uma viajante comum que permanece encantada com Londres e Amsterdam, com a Alsácia, a Costa Azul, a Normandia, a Bretanha e o Vale do Loire, mas que, infelizmente, se decepcionou com Paris desta vez. 

A Cidade Luz está meio que às escuras, e a minha recomendação é que você vá logo, antes que a situação piore.

Leia mais:

Onde ficar em Paris: dicas de hotéis baratos e bem localizados

Paris
na nossa última viagem a Paris, encontramos muitos e muitos camelôs em todos os principais pontos turísticos de Paris

Paris
na minha última lembrança da Torre Eiffel, não haviam tantos vendedores ambulantes, e a gente não precisava se estapear com outros turistas para tirar uma foto nesta mureta...

Paris
e, claro, é inegável que foi muito triste ver a Catedral de Notre-Dame assim...

Paris
na minha lembrança anterior, o pináculo ainda estava lá, firme e forte há vários séculos... 

Afinal, vale a pena visitar Paris?

Sim, é claro que sim! 

Se eu acho que vale a pena conhecer Mugling, no Nepal, ou Changanacherry, na Índia, como poderia dizer que não vale a pena visitar Paris, a cidade do Louvre e de Montmartre?! É óbvio que vale!

Mais ainda para quem nunca esteve lá antes: se você não conhecia a Paris "das antigas", não tem nem  parâmetro de comparação para notar a diferença da Paris versão 2020 hehehe... 

Ouvi falar até em uma tal "Síndrome de Paris", distúrbio que afetaria as pessoas que têm uma super expectativa de conhecer a cidade e, quando se deparam com a realidade nua e crua, acabam mega decepcionados. 

A intenção desse post, portanto, é apenas alertar aos leitores aqui do blog sobre os problemas que vimos por lá, as coisas chatas, para que desfaçam aquela imagem de 'perfeição' que todos têm de Paris, e para que já desembarquem na capital francesa preparados psicologicamente para encontrar, além da Torre Eiffel e do Arco do Triunfo, também lixo pelas ruas, ratinhos de metrô, batedores de carteira e caos nos transportes públicos - assim não haverá decepção 😆

PS1. Tanto recomendo uma viagem a Paris, que escrevi um post aqui no blog com uma lista completa do que fazer em Paris - as melhores atrações da capital da França

PS2. * Não sei se Kreuzberg ainda é um bairro decadente em Berlim - era quando eu o conheci, no século passado, mas imagino que já o tenham 'revitalizado', ou, na pior das hipóteses, gentrificado. 

Paris
minha irmã estava numa super expectativa de conhecer a Monalisa - quase chorei de rir quando chegamos lá e descobrimos que para vê-la tem que encarar uma fila de 45 minutos!

Paris
e o pior, para vê-la por 10 segundos - a cada 10 segundos toca uma sirene e os 'fiscais' da Mona te expulsam de lá

Paris
sem falar que você fica a uns 5m de distância da pintura, que já não é lá muito grande - nem preciso dizer pra vocês que a minha irmã não achou a menor graça na tal da Monalisa, né??

Paris
na 1ª vez que estive em Paris, na década de 90, a gente chegava bem pertinho dela; e a lembrança mais recente que eu tinha era da minha visita ao Louvre com o Peg, em 2008, quando ainda era tranquilo se aproximar e a gente podia ficar admirando a obra-prima de  Leonardo da Vinci o tempo que quiséssemos...

Você já esteve em Paris?

Nós adoraríamos ouvir a sua opinião sobre a Cidade Luz! Deixe as suas dicas na nossa caixa de comentários, por favor!

Durante as nossas viagens pela França, usamos as hashtags #PVnaEuropa e #LipenaEuropa nas nossas redes sociais 😊

Veja também esse vídeo das nossas aventuras numa viagem anterior a Paris:




Saint-Malo, França: a cidade murada mais linda da Bretanha
Chartres, na França: destino imperdível nos roteiros pelo Vale do Loire e pela Normandia
Normandia e o Dia D: 5 lugares da 2ª Guerra Mundial para conhecer na França
Deauville e Trouville-sur-Mer, na Normandia: tudo o que você precisa saber
Honfleur, França: o vilarejo mais charmoso da Normandia
Étretat e Le Havre, na Normandia: o que fazer
Rouen, França: o que fazer na capital da Normandia
Giverny: como visitar a Casa e os Jardins de Monet
Como voar grátis de Amsterdam para Londres e Paris
Como é voar na classe econômica da Air France
Estrasburgo: viajando de motorhome pela França
11 lindas aldeias francesas na Alsácia: viajando de motorhome pela França
França: o que você precisa saber antes de ir
Como é um passeio bate e volta de Paris ao Vale do Loire, na França
Roteiro para uma viagem de motorhome de 30 dias pela Europa
Mercados de Natal na Europa

Guia de bolso de Paris: do tamanho certo para levar na sua mochila
Os 10 museus mais populares do mundo
Filminhos que inspiram viagens para os pequenos viajantes

Viagens dos nossos amigos pela França

Paris com crianças: guia e dicas
Roteiro de 7 dias pelo norte da França: Vale do Loire, Saint Malo e Mont Saint Michel
Vale do Loire na França: roteiro de 4 dias
6 dias em Paris e Normandia
Relato de viagem de motorhome de 2 semanas pela França, Suíça e Itália
Relato de viagem de motorhome pela França, Bélgica e Suíca, com todos os custos e perrengues
Relato de viagem pela Rota dos Contos de Fadas na Alemanha e Alsácia Francesa


Não esqueça de curtir a fan page no Facebook para acompanhar as nossas aventuras!

Assista todos os nossos vídeos no YouTube - aproveite e já se inscreva lá nos nossos canais!

Veja fotografias e dicas das nossas viagens no Instagram.

Você também nos encontra aqui: Facebook / Twitter / Instagram / Pinterest / YouTube

Vale a pena visitar Paris?

Vale a pena visitar Paris?

Share

Claudia Rodrigues Pegoraro

Comente este Post:

6 comentários:

  1. Não se desculpe por ter medo no Rio de Janeiro, até nós cariocas temos. Quanto a Paris, já estive duas vezes, vi tudo que você mencionou, mas sim, vale a pena a visita. Talvez para carioca seja um pouquinho mais fácil abstrair alguns dos problemas. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza vale a visita! Ainda mais se for pra combinar com uma viagenzinha pelo interior da França, onde a magia ainda acontece 😉

      Excluir
  2. A sensação de sujidade acontece muitas vezes nas grandes metropoles, senti o mesmo em Nova Iorque.

    Ainda assim adoro Paris e quero muito voltar...

    Travel With Me

    Um beijinho ❤︎

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como escrevi no texto, NY sempre foi suja, e cada vez que volto lá, está mais limpa. Em Paris acontece o contrário: era bem limpa, como a maioria das capitais europeias, e está cada vez mais suja, infelizmente. O mesmo não aconteceu em todas as outras metrópoles que eu mencionei, de Bruxelas a Istambul, de Oslo a Berlim - achei todas bem limpas em viagens recentes. Por isso a decadência de Paris salta tanto aos olhos. É um fenômeno isolado na Europa.

      Excluir
  3. Muito interessante essa postagem Claudia!

    Da minha opinião, acho que sempre valerá a pena sim, visitar Paris!

    Foi a primeira cidade fora da América do Sul onde estivemos mais de uma vez. A imponência da cidade ainda a faz sobressair, mesmo com o recente descuido, somado, também, a outros problemas que decepcionam um pouco. Os metrôs, por exemplo, não têm estações acessíveis como em outras capitais (o de Viena e de Londres, por exemplo, são muito mais confortáveis).

    Outros problemas são marcas dos novos tempos. As grandes cidades da Europa, sofreram, nos últimos anos, inchaços de migrantes. Muitos deles acabam ocupando espaços públicos, e, sem empregos, acabam por ficar assediando turistas. Assim, esses "novos parisienses" não nos largam até conseguir uns euros, e chegam a ser bem invasivos. Por outro lado, alguns deles até que ganham a vida numa boa, e já comprei imãs de geladeira, bonés, e lembrancinhas acessíveis para brasileiros. Aí tudo bem. O problema são os desocupados, que tentam extorquir um dinheiro... E brasileiro dar esmola em euro não é coisa tranquila.

    Aconteceu comigo em Paris, nas escadarias do Sacre Coeur (de pedintes que queriam uns euros em troca de uma fitinha amarrada no meu braço... saí de perto dizendo “i don’t want”), na Champs Elysses (aquele pessoal agachado pedindo esmola... acho isso deprimente também).
    Mas em outras cidades européias também aconteceu decepção e assédio de pedintes (vi pichações e bêbados caídos nas calçadas em Bruxelas, e tive que despachar um cara chato querendo euros dizendo que amava o Brasil, em Florença).

    Contra essas coisas que atrapalham uma viagem, dou a dica: A melhor coisa é não dar assunto, sair logo pela tangente e nem iniciar conversa com eles, embora isso possa parecer rude, mas é a melhor coisa para não ser explorado.

    O comum é o brasileiro querer ser amigável, mas por isso eles nos exploram e tomam muito do tempo precioso que temos nesses lugares, além do nosso dinheiro contado.

    Em relação às depredações e descuidos, resta torcer para que recuperem o local.

    Mas um outro grande problema dos novos tempos é o turismo de massa. Cada vez mais gente querendo viajar, e começar por conhecer os lugares mais famosos, claro. Paris é uma das maiores vítimas disso.

    Notei, da segunda vez em que fui a Paris, a fila enorme para subir a Torre Eiffel. Ainda bem que não queria subir de novo dessa vez.

    A melhor coisa nessas atrações mega famosas, como a Torre, o Louvre e algumas outras, é chegar beeem cedo, pouco antes de abrir mesmo, fazer a visitação do lugar como uma das primeiras coisas do dia.

    O problema do turismo de massa é mais marcante ainda, em nível mundial. Em Amsterdam, tiraram até aquele letreiro bacana que tinha na frente do Rijksmuseum. Em muitas cidades, estão fazendo até restrição contra aluguel de apartamentos, para reduzir o turismo de massa.

    Mas até em outros lugares fora da Europa, já notei isso. Por exemplo, estivemos no Canadá em Outubro de 2015 e 2018. Mesma época, portanto. E me assustei como aumentou o número de turistas visitando os lagos perto de Banff.

    Talvez o turismo de massa dê uma reduzida após a pandemia.

    Mas, talvez, se nem isso ocorrer, a solução vai ser começar a pensar mais em destinos alternativos mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rodrigo! Infelizmente, eu acho que vai acontecer o contrário: depois de todo esse tempo presos em casa, as pessoas vão sair enlouquecidas querendo viajar! O turismo de massas vai piorar cada vez mais :(

      Excluir