Sobre

Sobre

Recentes

Menu

O que fazer em Oslo: dicas práticas para visitar a capital da Noruega

Saiba o que fazer em Oslo e todas as dicas que você precisa para conhecer a capital da Noruega! Veja o que visitar, passeios bate e volta, onde estacionar, comprar bebidas e muito mais!
O que fazer em Oslo: dicas práticas para visitar a capital da Noruega
O que fazer em Oslo: dicas práticas para visitar a capital da Noruega

Saiba o que fazer em Oslo e todas as dicas práticas que você precisa para conhecer a capital da Noruega!

Veja neste post o que visitar em Oslo, dicas de passeios bate e volta a partir da capital norueguesa, onde comprar bebidas, estacionar e até onde dormir num motorhome!

Sobre nossas dicas de viagem à Noruega, leia também:
o que fazer em Oslo
Vigeland Park

o que fazer em Oslo
Viking Ship Museum

Oslo, a capital da Noruega

Dizem que, se algo aconteceu na Noruega, há um museu sobre o assunto em Oslo. Mas, muito mais do que uma cidade cheia de museus e galerias de arte, Oslo é uma capital super charmosa, com parques, cafés e esculturas ao ar livre a perder de vista.

Num dia de verão, pode contar que você vai se encantar por essa cidade compacta e cheia de cultura, cercada por montanhas de um lado e o mar de outro, com uma comunidade grande e visível de imigrantes, que dá à capital norueguesa um ar colorido e cosmopolita, onde a gente até acaba esquecendo que veio à Noruega para ver fiordes.

o que fazer em Oslo
Norsk Folkemuseum

o que fazer em Oslo
Vigeland Park

Onde pernoitar perto de Oslo

Um bom lugar para pernoitar entre Estocolmo e Oslo, logo que cruza a fronteira sueca em direção à Noruega, é Orje. Há uma área específica para motorhomes perto das eclusas - mas é pago o estacionamento ali - eles chamam essas áreas 'bobilparkering', que significa 'estacionamento de motorhomes'.

Nós pernoitamos grátis em Ljansbrukveien, numa ótima área de estacionamento na beira da estrada, com vista para o mar, a poucos minutos de Oslo. É só colocar esse nome no GPS que ele te leva no lugar exato. 

Também tem vagas grátis para estacionar e pernoitar na entrada do parque Ekerberg, pelo que pesquisei, mas são limitadas e, se você chegar muito tarde, corre o risco de não ter mais vagas disponíveis lá - o local se chama Valhallveien.

Se você quiser pernoitar num motorhome em Oslo, bem perto do centro e das atrações turísticas da cidade, tenho uma dica excelente que vocês encontrarão neste mesmo texto, mais adiante.

vistas de Oslo

O que fazer em Oslo

Chegando à capital norueguesa, fomos direto para a Península Bygdøy, onde ficam localizados alguns dos museus mais interessantes e lugares que nós mais queríamos conhecer em Oslo.

Abaixo, as minhas principais dicas de o que fazer em Oslo:

1 Norsk Folkemuseum (funciona das 10 às 17hs)
2 Viking Ship Museum (funciona das 9 às 18hs)
3 Kon-Tiki Museum
4 Fram Museum (Museu do Barco Polar)
5 Monumento a Roald Amundsen  (dá para ver o orgulho e determinação em cada rosto)

O estacionamento do Museu do Barco Viking custou 32 coroas por 4hs - você vai precisar de pelo menos 1h para visitar o Viking Ship Museum, e no mínimo 2:30hs para o Norsk Folkemuseum.

Neste estacionamento tem uma área específica só para motorhomes. 

Tem um estacionamento bem na frente do Norsk Folkemuseum também - não vi o preço e é um estacionamento menor, mas, se tiver vaga, talvez seja melhor estacionar lá, porque a caminhada entre um museu e outro fica um pouco menor (já que o estacionamento do Museu do Barco Viking é atrás do museu e tem que caminhar mais para chegar lá - com crianças cansadas, quaisquer 200m fazem diferença né?!). 

São uns 500m entre os 2 museus, e você terá que fazer o trajeto de ida e o de volta, sem falar que o Norsk Folkemuseum é um museu ao ar livre onde a gente caminha muitooooo.

Vale dizer que vimos lugares onde acreditamos que seria tranquilo pernoitar no motorhome em Bygdøy.

o que fazer em Oslo
ticket de estacionamento do Museu do Barco Viking

o que fazer em Oslo
estacionamento na frente do Norsk Folkemuseum

o que fazer em Oslo
ingressos do Museu do Barco Viking

o que fazer em Oslo
mapa do museu ao ar livre Norsk Folkemuseum

o que fazer em Oslo

1 Norsk Folkemuseum

Este Museu do Folclore Norueguês é o maior museu ao ar livre da Noruega, e uma das atrações mais visitadas de Oslo.

O museu do folclore norueguês tem mais de 140 edifícios, a maioria dos séculos XVII e XVIII, reunidos de regiões de todo o país, reconstruídos e organizados de acordo com a área de origem.

Os caminhozinhos passam por celeiros antigos, armazéns erguidos como se estivessem sobre palafitas e casas de fazendas de madeira rústica com telhados de grama onde brotam flores silvestres - as 'turf houses'.

Os pequenos  viajantes se divertem com os animais da fazendinha, passeios a cavalo e de carroça, além de muitas outras atividades que eles oferecem (tem até a possibilidade de vestir roupas de época e fazer cookies!).

o que fazer em Oslo
danças típicas norueguesas no Norsk Folkemuseum

o que fazer em Oslo

o que fazer em Oslo
tinha até vaquinhas!

o que fazer em Oslo

A região de Gamlebyen (Cidade Velha) é uma reprodução de uma cidade norueguesa do início do século 20, com direito a uma loja de aldeia e um antigo posto de gasolina.

Todos os dias, durante todo o verão, é possível ver demonstrações de tecelagem, fabricação de cerâmica e outras atividades artísticas e culturais.

Nosso prédio favorito foi a igreja de madeira restaurada, construída por volta de 1200 em Gol e mudada para Bygdøy em 1885.

A sala de exposições, localizada perto da entrada principal, tem exibições de arte folclórica norueguesa, brinquedos históricos, roupas típicas norueguesas usadas para casamentos, batizados e funerais, ferramentas e utensílios domésticos e agrícolas, e exposições temporárias. 

A exposição mais interessante é sobre a vida e cultura dos Sami, mostrando como eles se adaptaram à vida na Noruega moderna.

Cuidado com as urtigas! O museu é cheio de delas e a bocaberta aqui passou o pé nas urtigas e fiquei queimando de ardência um tempão!

Abre das 10 às 17hs no verão.

o que fazer em Oslo

o que fazer em Oslo

o que fazer em Oslo
o Norsk Folkemuseum é uma dica imperdível de o que fazer em Oslo!

2 Viking Ship Museum

Esse museu é um dos mais populares da Noruega, visitado por meio milhão de visitantes todos os anos.

Todos os navios no Museu do Navio Viking (Viking Ship Museum) eram embarcações oceânicas antes de serem transportadas para terra firme, cerca de 1100 anos atrás, para serem usadas ​​em rituais funerários de seus ricos proprietários, provavelmente nobres. 

Nos navios-túmulos, os arqueólogos desenterraram esqueletos e itens que os Vikings acreditavam que seriam úteis na vida após a morte (os quais eram enterrados junto com eles): comida, bebida, jóias, móveis, esculturas de madeira, carruagens, armas e até mesmo alguns cães para companhia.

Não deixe de assistir o filme 'The Vikings Alive', uma viagem visual para a Era Viking. Um navio Viking é construído, navega ao longo dos fiordes noruegueses no oceano, e termina seus dias como navio funerário para um rei. 

O filme é projetado no teto abobadado do museu, e permite que a gente sinta um pouquinho como eram as coisas na Era Viking.

filme no Viking Ship Museum em Oslo

o que fazer em Oslo
Museu do Barco Viking

artefatos Vikings em Oslo

Descobertos no Oslofjord no final do século 19, os navios e artefatos do museu foram restaurados e oferecem uma visão emocionante da Era Viking. 

Há 3 navios no total, todos nomeados pelos seus lugares de descoberta: Oseberg, Gokstad e Tune. 

O mais impressionante dos 3 é o Oseberg. A câmara funerária dele tinha a maior coleção de artefatos da Era Viking já descoberta na Escandinávia, embora as jóias tivessem sido saqueadas. Por mais intimidador que ele pareça, contudo, provavelmente foi usado apenas como embarcação real de passeio. 

O navio mais robusto e o melhor exemplo de um navio Viking é o Gokstad, de 24m de comprimento, construído por volta do ano 890. 

Infelizmente, quando foi desenterrado, sua câmara funerária já havia sido saqueada, e poucos artefatos foram encontrados. 

Há também o 3º barco, o menor, chamado Tune, que não está completo - mas o que restou é incrivelmente bem preservado.

Tem que deixar as mochilas num guarda-volumes (grátis) para poder entrar no Museu do Navio Viking.

A lojinha de souvenirs do museu é super completa, com um monte de lembrancinhas legais para quem curte a temática 'Viking'!

Um audio guide gratuito está disponível para download como aplicativo de smartphone.

Abre das 9 às 18hs no verão.

Viking Ship Museum em Oslo

estacionamento exclusivo para motorhomes no Viking Ship Museum em Oslo


o que fazer em Oslo
Museu do Barco Viking

o que fazer em Oslo
Viking Ship Museum

3 Kon-Tiki Museum

Um favorito entre as crianças, este museu vale a visita!

Ele é dedicado à balsa Kon-Tiki, que o explorador norueguês Thor Heyerdahl navegou do Peru à Polinésia em 1947. 

Além disso, o museu também exibe o barco de totora Ra II, construído pelo povo aymará na Bolívia, numa das ilhas do Lago Titicaca, que Heyerdahl usou para atravessar o Atlântico em 1970.

O Museu Kon-Tiki fica bem na frente do Fram Museum, e tem estacionamento (pago) ao lado deles. 

Também ali ao lado do Museu do Barco Polar Fram fica o Monumento a Roald Amundsen, muito legal - dá para ver o orgulho e a determinação no rosto de cada uma das estátuas!

Você vai precisar de pelo menos 1h para visitar o Museu Kon-Tiki, e no mínimo 1:30hs para o Museu Fram. 

o que fazer em Oslo
Museu Kon-Tiki em Oslo

4 Polarship Fram Museum

Este museu é dedicado a um dos ícones da exploração polar, a escuna de 39m chamada Fram (que significa "Forward", algo como "Em frente"). 

No museu dá para passear pelos conveses, espiar as salas de beliches apertadas e imaginar a vida desses homens no mar, cercados pelo gelo polar. 

Prepare-se para passar um tempão dentro do museu, que tem uma quantidade impressionante de informações a serem absorvidas, com exibições detalhadas, mapas, fotos e artefatos de várias expedições, desde a tentativa de Nansen de esquiar pelo Pólo Norte até a descoberta de Amundsen da Passagem do Noroeste. 

Lançado em 1892, o navio polar Fram, na época o navio mais forte já construído, passou grande parte de sua vida preso no gelo polar. De 1893 a 1896, a expedição de Fridtjof Nansen no Pólo Norte levou a escuna às Novas Ilhas Siberianas da Rússia, passando a poucos graus do Pólo Norte em sua viagem de volta à Noruega. 

Em 1910, Roald Amundsen zarpou no Fram, pretendendo ser o primeiro explorador a chegar ao Pólo Norte, mas descobriu no caminho que Robert Peary havia vencido a corrida pelo Pólo Norte. Para não ficar para trás, Amundsen virou o Fram e, competindo com Robert Falcon Scott, tornou-se o primeiro homem a chegar ao Pólo Sul. 

Otto Sverdrup também navegou na escuna do sul da Groenlândia até a ilha de Ellesmere, no Canadá, entre 1898 e 1902, viajando mais de 18.000Km. 

Além do Fram, o museu também abriga o Gjøa, o primeiro navio a navegar com sucesso pela Passagem do Noroeste.

o que fazer em Oslo
Fram Museum em Oslo

Amundsen e Scott na corrida pelo Polo Sul

Desculpem os desinteressados, mas sou tão fã dessas histórias (desde que aprendemos um pouco sobre a conquista do Polo Sul na nossa viagem pela Nova Zelândia) que não posso deixar de abrir um parágrafo aqui para deixar algumas informações sobre essas aventuras incríveis!

Entre dezembro de 1911 e janeiro de 1912, tanto Roald Amundsen (liderando sua Expedição ao Polo Sul), quanto Robert Falcon Scott (liderando a Expedição Terra Nova), alcançaram o Pólo Sul com uma diferença de apenas 5 semanas um do outro.

Mas, enquanto Scott e seus 4 companheiros morreram na viagem de volta, o grupo de Amundsen conseguiu primeiro chegar ao polo sul geográfico e depois retornar ao acampamento base em Framheim sem mortes, sugerindo que eles estavam mais bem preparados para a expedição. 

O destino diferente das 2 equipes que buscavam o mesmo objetivo simultaneamente faz com que a gente compare as 2 expedições, mas o fato é que ambos os homens foram heróis no que fizeram. 

A diferença foi na preparação das expedições: Amundsen havia passado os invernos anteriores com os Inuits do Alaska, aprendendo as antigas técnicas de sobrevivência deles, como cuidar e usar cachorros, como fazer com que esquis deslizassem no frio extremo, aprendeu a construir iglus e usar peles de animais para se aquecer. 

Scott também tinha experiência no frio extremo, mas não esse tipo de experiência, e foram esses pequenos e importantes detalhes que fizeram a diferença e acabaram custando a Scott a corrida pelo pólo sul, a sua própria vida e as vidas dos homens da sua equipe. 

Para ler mais sobre as 2 expedições: comparação entre as expedições de Amundsen e Scott

Saímos da Península Bygdøy e seguimos para Holmenkollen, uma cidadezinha no subúrbio de Oslo onde ficavam algumas das atrações mais esperadas pela família toda, no complexo conhecido como Holmenkollen Ski Jump.

barco usado em uma das expedições

Holmenkollen Ski Jump

Eu e o Peg crescemos assistindo pela televisão aquelas fantásticas competições de salto de esqui, e quando descobrimos que um dos maiores festivais de esqui do mundo acontece em Oslo, quisemos ir lá conhecer aquele lugar que vimos tantas vezes na TV! Quando soubemos que havia lá um simulador de saltos também, o Lipe já se interessou pelo passeio! 

O Holmenkollen Ski Jump, situado no topo de uma colina, tem uma vista panorâmica linda de Oslo. 

Durante o festival anual de esqui de Oslo, realizado em março, ele atrai os melhores saltadores de esqui do mundo. 

O complexo vale uma visita! Quando fizer a sua lista de o que fazer em Oslo, não deixe de incluir Holmenkollen!

Quando a gente chega ao local, já vai querendo estacionar, mas, depois de ver a pista de saltos debaixo, siga para o verdadeiro estacionamento do complexo, que fica lá em cima, bem do ladinho do museu e do simulador. 


Holmenkollen

Para ser honesta, concluímos que o simulador não vale o ingresso extra. É bem legalzinho e tals, mas custava em torno de 10 euros a mais por pessoa, e definitivamente não vale tudo isso - até o Lipe concordou comigo nessa. 

Reserve pelo menos 2hs para essa visita completa, pois há muito para ver por lá - o museu, a área kids, que é ótima para os pequenos viajantes, a torre (sobe-se num elevador inclinado e abafado), a pista de saltos, o simulador, a loja, e a área externa, sem contar que o local é bem longe do centro de Oslo e demora um pouco para chegar até lá, subindo a colina. 

Inclusive vale dizer que esse é um dos motivos pelo qual essa incrível atração turística não aparece em todas as listas "o melhor de Oslo": porque fica fora do centro da capital, e quem não tem seu próprio meio de transporte acaba não visitando - embora seja possível chegar lá com transporte público, pegando a linha T-bane 1 até Holmenkollen e seguindo as indicações.

O ingresso inclui a entrada no Museu do Esqui e na torre de saltos de esqui. 

O Museu do Esqui, parte do complexo Holmenkollen Ski Jump, é uma verdadeira viagem pelos 4000 anos de história do esqui nórdico e alpino na Noruega. 

'Ski' é uma palavra norueguesa e eles alegam, com base em pinturas rupestres, que são os inventores do esporte - tese que me pareceu bem crível!

Há também exibições mostrando as expedições antárticas de Amundsen e Scott, e também a caminhada de Fridtjof Nansen através da calota glacial da Groenlândia - você verá o barco que ele construiu de sua barraca de lona e trenó para remar os 100Km finais até Nuuk!!

Pois é, falei pra vocês que eu adoro essas histórias de aventuras - não poderia deixar de ir conhecer esse lugar!

A loja ao lado do museu é bem legal (muitas roupas de inverno de marcas boas) e, na área externa, foi bem impressionante assistir os atletas treinando esportes de inverno naquele calorão infernal que fazia durante a nossa visita a Oslo (totalmente atípico!). 

Para treinar no verão, quando não há neve nem gelo, eles adaptam os esquis, colocando rodinhas, e ficam parecendo skates!

Abre das 9 às 20hs no verão.

Saindo de Holmenkollen, já no final da tarde, fomos finalmente para o centro de Oslo, pois estávamos loucos para conhecer a famosa Opera House e o Barcode Project.

igrejinha típica norueguesa em Holmenkollen

torre de saltos de esqui em Holmenkollen

simulador de esqui em Holmenkollen

urso polar no Museu do Esqui em Holmenkollen


playground do Museu do Esqui em Oslo

Barcode Project

O Barcode Project é um projeto arquitetônico de remodelação das antigas docas e terrenos industriais bem no centro de Oslo. 

É uma linha de novos arranha-céus multifuncionais, cuja construção foi concluída em 2016 na área conhecida como "The Opera Quarter".

É muito legal ver o grupo de edifícios que, de longe e em conjunto, parecem mesmo um código de barras. 

À noite, com os prédios todos iluminados, fica ainda mais legal!

o que fazer em Oslo
Barcode Project

Opera House de Oslo

Principal marco da orla de Oslo, a fabulosa Opera House de 2008 lembra uma geleira flutuando nas águas do Fiorde de Oslo, e é um dos edifícios mais icônicos de toda a Escandinávia, criado pela empresa de arquitetura local Snøhetta. 

Para conhecer bem o interior do prédio, é necessário fazer uma visita guiada. Se você não tiver muito tempo (como nós), vá direto para o telhado, um amplo tapete de retalhos de mármore, com vistas maravilhosas da capital. 

É uma daquelas experiências arquitetônicas que, por is só, já valem a viagem, e a gente pode até acabar esquecendo que o lugar não é apenas um colírio para nossos olhos, e sim uma monumental casa de espetáculos de ópera e balé. 

As apresentações são listadas no site e os preços dos ingressos variam entre 100 e 745kr. 

A entrada no foyer é grátis, e abre das 10 às 21hs.

Atração turística imperdível em qualquer lista de o que fazer em Oslo!

o que fazer em Oslo
Opera House de Oslo

Os túneis de Oslo

Outro parênteses aqui para avisar que é muito difícil ver a cidade de Oslo passeando de carro/motorhome, de tantos túneis que existem por lá - a gente anda sempre por baixo da cidade! 

Quando menos esperávamos, entrávamos num túnel sem querer, e aí ficávamos perdidos rodando nos túneis lá embaixo por quilômetros e mais quilômetros, já que não havia sinal de internet e o GPS se perdia junto conosco!

Nunca vi uma cidade com tantos túneis como Oslo! Os túneis chegam a se bifurcar, e têm várias saídas, como se fossem estradas!

o que fazer em Oslo
com tanta beleza, quem quer andar feito tatu embaixo da terra?!

Onde pernoitar grátis num motorhome em Oslo

Lá em cima já deixei alguns endereços onde você pode pernoitar no motorhome perto do centro de Oslo, mas, como prometido, vou deixar pra vocês aqui a dica de um dos melhores lugares onde pernoitamos nesta viagem, bem no centro de Oslo, e quase grátis:

Endereço: Professor Dahls Gate, em uma praça, quase na esquina com a Tidemands Gate.

A praça tem brinquedos para crianças e uma fruteira ótima ao lado.

Entre 20hs e 9hs da manhã, o estacionamento ali é grátis, então se você chegar depois das 20hs e sair antes das 9hs da manhã, não vai pagar nada.

A partir das 9hs, paga 27 coroas norueguesas por hora, com cartão de crédito no parquímetro.

No sábado, quando acordamos, tinha um mercado da pulga rolando na praça, fantástico.

Esse lugar fica a apenas 2 quadras do Vigeland Park. 

Aliás, toda a zona entre o Vigeland Park e o Palácio Real é ótima para pernoitar com motorhome, porque todas as ruas têm parquímetros que só precisa pagar entre as 9 e 20hs, ou seja, entre 20 e 9hs o estacionamento é sempre grátis.

pernoitando grátis no motorhome em Oslo

o que fazer em Oslo

usávamos o app Google Translate para traduzir as placas de sinalização de trânsito

o que fazer em Oslo
nossa vizinhança top em Oslo, Noruega

feira da pulga ao lado do nosso free camping em Oslo

Vigeland Park

Aproveitando que estávamos ali pertinho, fui conhecer e ver o sol da (quase) meia-noite baixar no Parque Vigeland, dentro do Frogner Parken.

O Frognerparken atrai os moradores locais com imensos gramados, lagos, riachos e muitas árvores para piqueniques ou simplesmente para relaxar na grama.

Fica aberto 24hs.

Dentro do Frognerparken, o Parque Vigeland tem 212 esculturas ao ar livre, de bronze, granito e ferro fundido, criadas pelo escultor Gustav Vigeland - a maioria foi instalada no período entre 1940 e 1949, mas o parque de esculturas é fruto de mais de 40 anos de trabalho do escultor.

Não deixe de ver a estátua do bebê raivoso Sinnataggen (Little Hot-Head), uma das mais famosas do escultor, embora seja uma das menorzinhas e fique escondida em um canto da Ponte.

Outros pontos imperdíveis do parque são a Fonte e o Monolito. Reserve no mínimo 1:30hs para esse passeio.

É uma extraordinária mostra de trabalho ao ar livre do escultor mais amado da Noruega. Vocês vão ver amantes entrelaçados, casais idosos tranquilos, bebês maluquinhos e mendigos com semblantes tristes.

Eu simplesmente me apaixonei por esse parque florido, onde vi um por do sol espetacular. 

A limpeza é impressionante, mesmo não tendo visto nenhum guarda ou algum tipo de "fiscalização" - os noruegueses simplesmente não sujam. 

Eram 23hs e o parque estava cheio de gente de bike, passeando com cachorro, mulheres de biquine deitadas nos gramados, fogueiras (acho que era um tipo de fogueirinha artificial, só para criar um clima), crianças brincando nos playgrounds...que inveja!

Mas o mais impressionante são mesmo as estátuas: feitas de diversos materiais, as de granito são incríveis. Fico pensando como é possível tirar aquelas formas de dentro de um bloco de pedra, as expressões nos rostos...

Junto com a Opera House, o Parque Vigeland também é figurinha presente em todas as listas o que fazer em Oslo!

Se você estiver viajando de motorhome, e quiser, é possível pernoitar estacionado em um dos portões do parque, pois as regras de pagamento do parquímetro são as mesmas do lugar onde nós pernoitamos, ali pertinho.

o que fazer em Oslo
Vigeland Park em Oslo, Noruega

banho de sol da meia-noite no parque em Oslo




o que fazer em Oslo
as incríveis estátuas de Vigeland no parque em Oslo

o que fazer em Oslo
o Vigeland Park é uma das melhores dicas de o que fazer em Oslo!

No dia seguinte, fizemos mais passeios pelo centro de Oslo. 

Seguem mais dicas de o que fazer em Oslo:

1 Catedral de Oslo

Não chegamos a entrar e visitar por dentro, mas por fora ela é bem bonita, vale conhecer!

2 Stortinget

O Parlamento norueguês. 

Construído em 1866, o prédio de tijolos amarelos é um dos parlamentos mais charmosos da Europa.

Stortinget, o Parlamento norueguês

3 Avenida Karl Johans gate

Avenida principal do centro de Oslo, que leva até o Palácio Real, passando por alguns dos prédios públicos mais importantes da capital norueguesa, e cercada de cafés charmosos ao ar livre e muitas floreiras.

o que fazer em Oslo
Karl Johans gate

o que fazer em Oslo

4 Universitetsplassen

Praça universitária - uma boa parada a caminho do palácio. 

o que fazer em Oslo
Universitetsplassen

5 Palácio Real

A residência da família real norueguesa, em estilo neoclássico modesto, fica bem no meio do Slottsparken, num lugar super florido.

Construído para o rei sueco (que era na verdade francês) Karl Johan, o palácio nunca foi realmente ocupado até que o Rei Haakon VII e a Rainha Maud se mudaram para lá em 1905. 

A construção do palácio de 172 quartos começou em 1825, mas não foi terminada até 1849, 5 anos depois da morte de Karl Johan. 

O palácio foi bem modernizado pelo rei atual, Harald V.

O que é mais impressionante nesse palácio - e na família real norueguesa como um todo - é como ele é acessível: não existem grades, as crianças brincam por ali e os turistas posam para selfies com os guardas reais ao lado da porta principal do palácio.

No verão eles fazem visitas guiadas de 1 hora pelo interior do edifício (não fizemos).

Os tours visitam uma dúzia de quartos, incluindo o Cabinet Parlour, o Banqueting Hall e a Capela do Palácio. 

Os ingressos podem ser comprados no portão (na parte de trás do palácio), mas é recomendado comprar online no site, porque o número de vagas é limitado por dia.

o que fazer em Oslo
Palácio Real em Oslo

6 Instituto e Museu do Nobel

Como vocês sabem, o Prêmio Nobel da Paz é concedido todos os anos não em Estocolmo (como os outros Prêmios Nobel), mas sim em Oslo. 

A capital norueguesa tem 2 edifícios da Fundação, o Instituto e o Museu, os 2 abertos à visitação.

Nobels Fredssenter - Nobel Peace Center

Os noruegueses se orgulham de seu papel como pacificadores internacionais, e o Prêmio Nobel da Paz é um presente aos homens e mulheres que mais contribuíram para promover a paz no mundo ao longo do ano anterior. 

Esse museu moderno mostra as vidas e as conquistas dos vencedores com exibições digitais que oferecem todas as informações que você quiser sobre os vencedores de cada ano. 

Há um também um cinema transmitindo filmes sobre a história do prêmio e seus vencedores, e uma loja vendendo mercadorias divertidas.

Nobel Institute

Não se sabe exatamente porque Alfred Nobel escolheu a Noruega para conceder o Prêmio Nobel da Paz, mas quem escolhe o vencedor a cada ano é um comitê, formado por 5 noruegueses e nomeado para mandatos de 6 anos pelo parlamento norueguês, e as reuniões deste comitê são realizadas neste prédio, a portas fechadas. 

É possível visitar a biblioteca, que tem mais de 200.000 volumes sobre história e política internacional, estudos de paz e economia.

7 Forte Akershus

Quando Oslo foi transformada em capital da Noruega em 1299, o Rei Håkon V mandou construir Akershus Festning, uma fortaleza estrategicamente posicionada no lado leste do porto, para proteger a cidade de invasores.

De lá você terá vistas excelentes da cidade e do Oslofjord desde uma posição estratégica. 

Ampliado ao longo dos séculos, esse forte ainda domina o porto de Oslo e o imenso complexo consiste em um castelo medieval - Akershus Slott - uma fortaleza e vários outros edifícios, incluindo instalações militares ainda ativas. 

A entrada é feita através de um portão no final de Akersgata, ou por uma ponte elevadiça que atravessa o Portão Kongens, no extremo sul de Kirkegata. Depois das 18hs, no inverno, use a entrada de Kirkegata. 

O Centro de Visitantes da Fortaleza de Akershus, dentro do portão principal, tem exposições permanentes que contam a história do complexo, assim como exposições temporárias. 

Existem visitas guiadas. 

Para entrar no forte/fortaleza não precisa pagar, mas a visita ao Castelo é paga. 

A fortaleza também serve como cenário para vários eventos culturais ao longo do ano, desde apresentações de teatro até recitais de música. Verifique o site para mais informações. 

Abre das 6 às 21hs. A troca da guarda acontece às 13:30hs.

No século XVII, o Christian IV renovou o Castelo de Akershus - Akershus Slott - transformando-o em um palácio renascentista, embora a fachada permaneça bem medieval. Nas masmorras você encontrará cubículos escuros onde os nobres eram mantidos a 7 chaves, enquanto os andares superiores tinham salões e salas de banquetes super luxuosos.

A capela do castelo ainda é usada para eventos, e as criptas dos Reis Håkon VII e Olav V estão abaixo dela.

Infelizmente, o castelo estava fechado para reformas quando estivemos em Oslo, em julho de 2019. 

O que fazer em Oslo na nossa próxima visita

Precisaríamos ter pelo menos mais um dia em Oslo para fazer tudo o que eu queria fazer em Oslo. 

Se tivéssemos mais um dia de férias para encaixar no nosso roteiro de viagem pela Noruega, certamente ele seria "gasto" em Oslo.

Motivos para voltar à capital norueguesa não me faltarão - segue a minha lista de o que fazer em Oslo na nossa próxima visita:

o que fazer em Oslo
são tantas opções do que fazer em Oslo que a gente fica sem saber pra que lado ir!

1 Munch Museum

Infelizmente, o museu estava fechado para mudança quando estivemos lá e, aparentemente, eles ainda não têm previsão de reabertura.

2 National Gallery

A Galeria Nacional da Noruega é lar da maior coleção de arte tradicional e moderna do país, e muitas das mais conhecidas criações de Edvard Munch estão em exibição permanente lá, incluindo sua obra mais famosa, 'O Grito'. 

Outras 2 versões da obra estão no Munch Museum - atualmente fechado para mudança.

Além de Munch, há também obras de outros famosos pintores europeus, como Gauguin, Claudel, Picasso, El Greco, Manet, Degas, Renoir, Matisse, Cézanne e Monet, além dos noruegueses do século 19 JC Dahl e Christian Krohg.

3 Grünerløkka

É um bairro com muita street art e vários cafés, que eu adoraria ter visitado. 

4 Kampen 

Bairro bonitinho com uma vista linda da cidade de Oslo e casas de madeira coloridas.

5 Rådhus

A Prefeitura de Oslo, com 2 torres, foi construída em 1950 para comemorar o 900º aniversário de Oslo. 

O edifício abriga a administração política da cidade e é repleto de homenagens de meados do século à vida cultural e profissional norueguesa. 

O exterior é o de um prédio funcionalista de tijolos vermelhos - não é o que eu chamaria de bonito, mas parece ser bem interessante. 

É lá que o Prêmio Nobel da Paz é concedido em 10 de dezembro de cada ano.

6 Astrup Fearnley Museet

Este museu privado de arte contemporânea fica em um impressionante edifício de madeira prateada projetado por Renzo Piano, com um teto de vidro em forma de vela que combina perfeitamente com a paisagem do Oslofjord. 

A coleção do Astrup Fearnley Museet é repleta de obras de arte de artistas norte-americanos dos anos 80 (Jeff Koons, Tom Sachs, Cindy Sherman e Richard Prince). 

A obra de arte mais famosa do Museu Astrup Fearnley é a escultura de cerâmica dourada "Michael Jackson e Bubbles", de Jeff Koons, e o museu também conta com obras de Damien Hirst.

Visitas guiadas custam 50 coroas e acontecem às 14h e 15h todos os domingos.

7 Tjuvholmen Sculpture Park 

Ao lado do Astrup Fearnley Museet, esse parque de esculturas ao ar livre fica aberto 24hs.

Assim como o museu ao lado, o parque também foi projetado por Renzo Piano e é dedicado à arte contemporânea internacional.

Não perder as obras de Louise Bourgeois, Ugo Rondinone, Franz West e Anish Kapoor.

8 Ekebergparken

Parque nos arredores de Oslo com muitas esculturas e vistas lindas do Oslofjorden.

Além de obras de arte de artistas modernos, há também trabalhos de Rodin, Maillol e Vigeland.

Você precisará de pelo menos umas 2hs para explorar superficialmente o parque e encontrar algumas das obras espalhadas por lá.

Não deixe de visitar Ekeberg Stairs, um ponto de vista histórico de tirar o fôlego, e o Munch Spot, a vista que inspirou o 'O Grito'.

Tem também atividades para crianças no Lund's House, um museu e uma loja de arte e design.

o que fazer em Oslo
mapa de Oslo

Edvard Munch

E, falando em 'O Grito', não posso encerrar um post sobre Oslo sem abrir um parênteses para escrever sobre o mais famoso pintor norueguês de todos os tempos, Edvard Munch, e um pouquinho da história atribulada das telas mais conhecidas dele.

Embora muita gente pense que existe apenas um quadro chamado 'O Grito' (em norueguês: Skrik), na verdade trata-se de uma série de 4 pinturas de 1893. A obra representa uma figura andrógina num momento de profunda angústia e desespero existencial. A paisagem no fundo é a doca de Oslofjord, em Oslo, ao pôr-do-Sol.

É considerada uma das obras mais importantes do movimento expressionista, e tem um status de ícone cultural, como a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, por exemplo.

Essa fama toda começou no perríodo logo após a Segunda Grande Guerra Mundial e, desde então, a obra se popularizou cada vez mais, tornando-se um dos quadros mais reproduzidos de todos os tempos, não só em pôsteres, mas também em canecas, canetas, chaveiros e até ímãs de geladeira, como este da foto abaixo!

Alguém aí NÃO conhece essa imagem??

A série tem 4 pinturas conhecidas: 2 dos quadros da série, 'A Ansiedade' e 'O Desespero', estão no Museu Munch, em Oslo, outro está na Galeria Nacional de Oslo e outro em coleção particular.

Em 2012, esta última se tornou a pintura mais cara da história a ser comprada, num leilão, por quase 120 milhões de dólares.

Em 1994, 'O Grito' da Galeria Nacional de Oslo foi roubado em pleno dia, por um conjunto de ladrões que se deu ao trabalho de deixar uma mensagem que dizia: "Obrigado pela falta de segurança". Nesse dia, todas as atenções estavam em Lillehammer, por causa da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno (lembram disso?). Três meses depois, os assaltantes enviaram ao governo norueguês um pedido de resgate no valor de um milhão de dólares americanos. As entidades norueguesas recusaram a exigência e, pouco depois, o quadro foi recuperado, numa ação conjunta da polícia de Oslo com a Scotland Yard inglesa.

Em 2004, a versão que estava exposta no Munch Museum foi roubada num assalto à mão armada, quando foi levada também a Madonna, do mesmo pintor. O Museu ficou à espera de um pedido de resgate, que nunca chegou. A polícia norueguesa recuperou os quadros em 2006.

o que fazer em Oslo
quem nunca viu esta imagem?

Passeios bate e volta a partir de Oslo

Nas redes sociais, me pediram dicas de povoados fofinhos perto de Oslo. 

Sabe quando alguém planeja uma viagem pela Escandinávia do tipo Copenhagen - Estocolmo - Oslo e fica morrendo de vontade de ver um pouquinho do interior também? Ou viu as nossas fotos de casinhas coloridas nas encostas das montanhas e sabe que não encontrará essas cenas bucólicas na capital Oslo? Pois é!

O problema é que estes povoadinhos de sonhos ficam bem longe da capital, no oeste do país - perto de Bergen. Não dá para fazer um passeio bate e volta para lá porque, como já cansei de contar, as estradas na Noruega, embora de muito boa qualidade, são super lentas em razão das montanhas, por serem bem estreitas e em ziguezaque e pelas travessias de ferry.

Aí resolvi perguntar à Gleusa, que mora lá e sabe tudo sobre a Noruega, se ela não poderia fazer algumas sugestões de passeios bate e volta para ver um pouquinho do interior da Noruega perto de Oslo.

Eis a resposta dela:

A maior parte das cidades de sonhos ficam no oeste. Mas Oslo por si só já é uma capital pequena, que tem até fazenda do rei dentro da cidade. Para ver a beleza natural, vale a pena dar um passeio fora da cidade.

Vou sugerir 2 passeios:

1 Hønefoss, é a cidade onde eu morava antes, é pequena, bem bonitinha, com o centro com casas de madeira bem conservadas. Leva 1h de ônibus de Oslo.  A cidade tem uma cachoeira no centro, onde 2 grandes rios se encontram. Além disso, você dirige por uma estrada bonita, com montanhas, e ao longo do Tyrifjorden, que é um dos maiores lagos da Noruega. Lindo!!

2 Drøbakk, uma pequena cidade onde você chega com um barco que sai do centro de Oslo, de Akker Bryggen, e através do Oslofjorden (fiorde de verdade), em cerca de 1h você chega, passando por umas ilhas com interesse histórico.

norsk folkemuseum
para ver estes lugares fofinhos em Oslo hoje em dia, só se você for ao museu do folclore norueguês

norsk folkemuseum
Museu do Folclore Norueguês

norsk folkemuseum
Museu do Folclore Norueguês em Oslo

É melhor usar euros, coroas norueguesas ou cartão de crédito em Oslo?

Vamos falar um pouquinho de dicas práticas de viagem? Perguntaram quais aplicativos de celular eu uso nas nossas viagens, e a verdade é que uso pouca coisa, não sou uma pessoa de aplicativos.

Para fazer os cálculos das cotações de moedas durante a viagem, eu uso a calculadora do celular e o conversor de moedas do site XE.

Eles também têm aplicativo, mas eu uso o site mesmo. #oldschool

Na Noruega, a moeda é a coroa norueguesa, conhecida como NOK. O símbolo da moeda, equivalente ao nosso R$, é kr (de 'coroas').

Na Suécia, a moeda é a coroa sueca, conhecida como SEK, e o símbolo da moeda é o mesmo, kr.

A moeda norueguesa é um pouquinho mais valorizada do que a coroa sueca.

As cotações que você encontra na internet são as seguintes (na vida real foi bemmmm diferente!):

U$ 1 = 9,38SEK = 8,56NOK
R$ 1 = 2,50SEK = 2,29NOK
€ 1 = 10,52SEK = 9,61NOK

Olha como estavam as cotações no site do Forex Bank (em inglês) - de novo, na vida real foi beeem diferente:

cotações bem longe da realidade no site do banco


Meu primeiro plano chegando em Oslo era comprar coroas norueguesas mas, como acabamos comprovando nesta viagem, coroas são quase que totalmente desnecessárias para viajar pela Noruega. 

Não que eles aceitem euros para tudo, como muita gente pensa - pelo contrário, não aceitam - mas porque em 99% dos lugares a preferência deles é pelo pagamento com cartão de crédito: em muitos lugares eles simplesmente não aceitam pagamento em dinheiro vivo, apenas em cartão mesmo! É o caso da maioria dos estacionamentos com parquímetros, por exemplo.

Eu prefiro ter dinheiro vivo porque detesto usar cartão de crédito em viagens, e pagar 6,38% a mais de IOF em tudo, então pretendia trocar dólares ou euros por coroas suecas/norueguesas chegando lá, mas a cotação que eles fazem para o euro e para o dólar é tão ruim que acabamos concluindo que nem valia a pena trocar muitos euros ou dólares - acabamos nos conformando em pagar IOF mesmo!

De qualquer forma, trocamos um pouquinho de dinheiro só para casos de emergência, caso nossos cartões de crédito não funcionassem, por exemplo - imagina abastecer o motorhome num posto de gasolina e os cartões de crédito não funcionarem?? Será que existe a opção 'lavar pratos' como forma de pagamento???

Falo isso porque não foi nem uma, nem duas, mas muitas vezes em que um dos nossos cartões de crédito deram problema. 

Algumas pessoas me disseram que tiveram problema com o Mastercard, mas nossos cartões, tanto o meu quanto o do Peg, são Visa, e não importava a bandeira: teve vezes em que o meu cartão não funcionou e outras vezes em que o cartão do Peg não funcionava, aleatoriamente...ah, e não era por falta de crédito, viu? Hehehe...

Simplesmente, do nada, sem qualquer motivo aparente, não completava a transação! Por sorte, sempre um dos 2 cartões acabava funcionando, não ficamos na mão nenhuma vez, nem precisamos lavar pratos, mas continuo recomendando que você troque pelo menos uns 100 euros para uma emergência desse tipo!

Aliás, fico me perguntando: quem viaja só com cartão de crédito faz o quê na hora de comprar moranguinhos nas banquinhas de beira de estrada?

Bom, de qualquer forma, pelo que percebemos, eles usam cartão de crédito para quase tudo, e várias pessoas me contaram ter viajado pelos 2 países sem sequer conhecer as cores das moedas locais, usando o cartão para tudo.

Nos postos de gasolina na Suécia, por exemplo, descobrimos que existe normalmente uma única bomba específica para quem pretende pagar com dinheiro (onde está escrito "Kassa"). Todas as outras bombas são para pagamento no cartão (escrito "Kort").

Inclusive, existem alguns lugares, até mesmo restaurantes e cafés, onde eles simplesmente não aceitam dinheiro como forma de pagamento - sim, isso mesmo que você leu: se não tiver um cartão de crédito, você não come lá!

Em alguns locais eles chegaram inclusive a demonstrar uma certa incredulidade quando eu dizia que queria pagar em dinheiro kkk... 😅

Assim, acabamos relaxando e só fomos trocar dinheiro depois que já estávamos há alguns dias viajando pelo país, em Bergen, no 'information centre', quando fomos lá buscar nossos Bergen Cards e vimos que eles faziam câmbio também.

Trocamos dólares por coroas norueguesas por uma cotação péssima: 8,20 coroas para euros e 7,40 coroas para dólares - estava horrível, mas troquei igual, para alguma emergência.

Depois, no mesmo dia, conferi as cotações no Western Union de Bergen, e estavam ainda piores, então me consolei. Mas acho bom avisar, porque é uma ilusão olhar as cotações na internet e acreditar que você vai chegar lá e encontrar de fato essas cotações nas casas de câmbio!

Na verdade, para nós, as cotações foram as seguintes:

U$ 1 = 9,05 coroas suecas
U$ 1 = 7,40 coroas norueguesas
Euro 1 = 8,20 coroas norueguesas

Bem diferente daquelas cotações que eu tinha visto na internet, lembra?

U$ 1 = 9,38SEK = 8,56NOK
€ 1 = 10,52SEK = 9,61NOK

Quem já viajou pela Noruega e Suécia? Tem outras dicas boas de onde trocar euros e dólares? E vocês, usam bastante o cartão de crédito nas viagens?

moedas e cédulas de coroas norueguesas

Chip de celular para usar em Oslo

Durante toda a nossa viagem pela Escandinávia usamos um chip de celular (simcard) fornecido pela Easysim4u.

Recebemos o chip em casa, antes de sair do Brasil, colocamos ele no celular ainda no avião, e já chegamos na Europa (na conexão em Paris!) com internet funcionando no telefone!

Para quem vai viajar por vários países, a facilidade e comodidade que esses chips revendidos no Brasil pela Easysim4u oferecem são imbatíveis 😆

Nós não vendemos chips de celular através do blog - nem nenhum outro produto ou serviço, pois o pequeno viajante é um blog que não visa lucro, é apenas um passatempo nosso mesmo - então dê uma olhada direto lá no site deles - Easysim4u - para ver como comprar esses simcards e recebê-los em casa no Brasil antes de viajar.

até o Lipe tinha direito a internet nesta viagem!

Compras de supermercado na Noruega

Viajando pela Noruega, ouvimos mais de uma vez a frase "a Noruega é para os olhos, não para o estômago", o que certamente provou ser verdade. O fato de ter uma das melhores qualidades de vida do mundo se reflete no preço dos alimentos e das bebidas, alcoólicas e não-alcoólicas, tanto nos supermercados, quanto nos restaurantes, e não ajuda em nada os turistas que vivem no mundo real (R$).

No site da rede de fast food Max dá para ter uma boa idéia dos preços dos combos de hamburger.

Então como conseguimos contornar os altos custos de comida e bebida durante a nossa viagem? 

Nós estocamos maciçamente antes de chegarmos à Noruega! Até mesmo os noruegueses costumam atravessar a fronteira com a Suécia para fazer compras. 

Uma boa ideia, se você gosta, é comprar um pedaço grande de presunto de parma, que dura bastante tempo na geladeira, por exemplo.


Nós fizemos um bom rancho de supermercado no Lidl na Suécia, logo que pegamos o motorhome na locadora, e depois, viajando pela Noruega, comprávamos só os itens que iam nos faltando, como frutas, rúcula, pães, queijo, etc.

Os supermercados com melhor preço na Noruega são os das redes Kiwi Rema 1000, que você encontra espalhados por todos os cantos do país! Para mais variedade, procure as redes Co-op e Extra.

A Gleusa me disse que os produtos deles "First Price" são bem mais baratos e têm a mesma qualidade.

E, sobre comprar água engarrafada, olha o que ela nos disse:

"Aqui você pode beber água de qualquer torneira, que tem ótima qualidade: pode encher as garrafas em banheiro, pode inclusive pedir nos quiosques, postos de gasolina, que eles enchem suas garrafas com água."

Isso é a mais pura verdade: nos postos de gasolina nunca nos negaram água para encher o reservatório do motorhome, e tomávamos água de qualquer torneira, e inclusive de riachos e fontes naturais, sem que nenhum desastre da natureza (também conhecido como diarréia) tenha nos acometido durante toda a viagem.

Todas as latas de bebidas e garrafas de plástico têm um depósito sobre elas, que geralmente é de 1 NOK/SEK para uma lata e 2,5 NOK/SEK para uma garrafa. Dentro de cada supermercado, você encontrará uma máquina, onde pode colocar suas latas velhas (não esmagadas) e garrafas. Essa máquina então lhe oferecerá a opção de receber um voucher para o valor dos depósitos ou dar o dinheiro para caridade. Se você optar pelo voucher, terá que usá-lo naquela mesma loja - você não pode levá-lo e usar em outro lugar, então tenha-o à mão quando chegar ao caixa.

compras de supermercado na Noruega

o que fazer em Oslo
viajando de motorhome na Noruega

Como comprar bebidas alcoólicas na Noruega: Systembolaget

O limite de bebidas alcoólicas que pode ser comprado na Suécia e levado para a Noruega é de 25 latas de cerveja e 6 garrafas de vinho, no máximo, para 2 pessoas. A Noruega não faz parte da UE, por isso tem cotas de importação de álcool e tabaco.


Para comprar bebidas alcoólicas, tanto na Noruega quanto na Suécia, você vai ter que procurar uma Systembolaget, que são lojas do governo sueco e norueguês que vendem bebidas alcoólicas, e funcionam, normalmente, das 9 às 19hs de segunda a sexta, e das 10 às 15hs no sábado. Aos domingos, elas não abrem, o que significa que, se você deixar para comprar sua cerveja depois das 15hs de sábado, vai ficar de bico seco até segunda, ou deixar um rim comprando cerveja em bares e restaurantes!

Pelo que nos explicaram, esse monopólio estatal na venda de bebidas alcoólicas se deve ao fato de que, por causa dos invernos prolongados e da falta de luz solar, eles tinham muitos casos de depressão e suicídios na Escandinávia como um todo, e as bebidas alcoólicas só tendem a agravar esse problema - por isso, a venda desses produtos agora é 100% controlada pelo Estado. 

Você vai encontrar cervejas também nos supermercados comuns na Noruega e na Suécia, mas não dê uma de bobo - como aconteceu conosco na Islândia: essas cervejas vendidas em supermercados normais são do tipo "light", com um teor alcoólico baixíssimo. 

As cervejas "normais" você realmente só vai encontrar nos Systembolaget, as lojas do governo! Imagina a cara do Peg na Islândia, há uns anos atrás, quando descobriu que tinha comprado um monte de cervejas "erradas" num super comum?! Hahahaha...

Ao comprar bebidas alcoólicas, os supermercados só vendem até 4,75%, então você vai encontrar apenas cervejas, cidras e alguns vinhos fracos. Os preços nas prateleiras são geralmente por lata (25 a 35 NOK/SEK por lata de cerveja). Verifique a porcentagem antes de comprar, pois eles têm muitas cervejas sem álcool!

Você não pode comprar bebidas alcoólicas - mesmo essas fraquinhas - em supermercados depois das 20hs em um dia de semana, depois das 18hs no sábado, ou a qualquer momento no domingo - as prateleiras serão cobertas por uma cortina para impedir que você fique tentado.

E, como já disse acima, para qualquer coisa mais forte que 4,75%, você precisará ir a uma das lojas estatais Systembolaget ou Vinmonopolet, que também vendem destilados e vinhos.

Os preços nessas lojas são, como vocês podem imaginar, exorbitantes. As bebidas alcoólicas são tão caras na Noruega e na Suécia que dizem ser mais barato comprar 2 blusas na H&M do que tomar uma cerveja num bar!

Ah, e tenha certeza que você está com o seu passaporte - eles não podem vender para menores de 20 anos de idade e pedem para ver sua identificação mesmo que você tenha rugas e cabelos brancos!

não é fácil comprar bebidas alcoólicas na Escandinávia!

norsk folkemuseum
Systembolaget

Altas temperaturas na Escandinávia

Assim como em Estocolmo, a única coisa que não curti em Oslo foi o calor do cão de 31°C que fazia na cidade, o que é totalmente incomum por lá.

Foi uma onda de calor bem atípica que pegamos.

Sei que eu falo em 31°C e vocês pensam que sou uma idiota reclamando dessa temperatura que é tão comum aqui no Brasil; eu mesma não sei explicar, mas o fato é que os 31°C de Oslo equivalem a uns 40°C de Porto Alegre! É um calor diferente do nosso, dá uma sensação de que estamos torrando no sol.

Sem falar que eles visivelmente não estão preparados para tanto calor, pois a maioria dos lugares (museus, por exemplo) nem têm ar condicionado, só têm calefação.

Muitos lugares não podem nem abrir as janelas, pois as janelas, típicas de lugares muito frios, são lacradas!

É por isso que a gente vê na televisão notícias de tantas pessoas morrendo de calor quando essas ondas de temperaturas muito altas atingem países nórdicos: eles simplesmente não sabem se virar nesse clima.

Era engraçado ver os próprios guias do museu ao ar livre recomendando constantemente aos turistas que tomassem bastante água e permanecessem na sombra para se manterem hidratadas. Eles não conhecem esses "truques" que, para nós, brasileiros, são tão naturais.

Olha o que a Gleusa me falou sobre a maldita onda de calor:

"Vocês pegaram a única semana de verão de verdade na Noruega. Estou morrendo aqui de calor, apesar de estar no litoral. E não pode reclamar. Os noruegueses estão amando!! Todo mundo mede a temperatura na água e coloca no Facebook que está acima de 20ºC. Isso é muito, muito raro! As fábricas de sorvetes não estão conseguindo produzir a quantidade suficiente para abastecimento."

Precisava ser bem quando estivemos lá???

norsk folkemuseum
Norsk Folkemuseum

O que fazer em Oslo
O que fazer em Oslo: dançando para espantar o calor no Norsk Folkemuseum

Você já esteve na Noruega? Foi a Oslo? Tem dicas do que fazer em Oslo? Nós adoraríamos ter as suas contribuições aqui no blog! Deixe as suas dicas na nossa caixa de comentários, por favor!

Durante a nossa viagem pela Noruega, nós usamos a hashtag #LipenaNoruega nas nossas redes sociais 😊

Fiz várias pastas de "destaques" da Noruega lá nos stories do Instagram - espia lá que tem muitas dicas úteis!


Você também nos encontra aqui:



Share

Claudia Rodrigues Pegoraro

Comente este Post:

0 comentários: