15 de julho de 2012

A Família Addams, Priscilla, Rainha do Deserto...muita cultura em São Paulo (e um pouquinho de fila para renovar o visto americano!!!)

Fomos a São Paulo renovar os nossos vistos americanos. Sem o pequeno viajante (o visto dele, feito logo que ele nasceu, em 2009, ainda é válido e, mesmo que não fosse, as crianças não precisam ir a SP para fazer o visto, então não havia porque levá-lo...).

Noticiaram que será possível fazer a renovação em Porto Alegre em breve, mas ninguém sabe dizer exatamente o que "em breve" significa, então resolvemos que não valia a pena esperar e lá fomos nós, de novo, a São Paulo.

No CASV (centro de atendimento ao solicitante de visto) perguntei e eles disseram que ainda não existe nenhuma previsão de data para instalação da coisa toda em PoA. Assim que, se você pretende viajar aos EUA em breve, sugiro não esperar...

Update: o CASV já está em pleno funcionamento em Porto Alegre, veja aqui

Foi a minha terceira viagem a SP. Na primeira, em 2004, fui às compras, com a minha mãe e irmã, no Brás e na Rua 25 de Março, onde existe de tudo, até Rolex ("autênticos") por R$ 20,00!



no centro histórico, a gravação de um comercial de uma marca de cerveja: em SP, toda hora a gente se depara com alguém famoso - nesta última viagem, vimos a Cristiane Torloni (linda!) e o Supla, com o cabelão espetado característico e tudo!

selva de pedra

pose para foto na famosa esquina da Ipiranga com a Avenida São João

nosso hotel, naquela viagem - bem melhor do que o albergue da última!!!


Liberdade, reduto da comunidade japonesa da cidade

Na segunda, em 2006, fomos todos juntos para fazer os vistos americanos (o pequeno viajante ainda nem existia!). Ficamos hospedados no centro e, naquela ocasião, conhecemos a , a Liberdade, a República e o centro histórico. Fomos também assistir O Fantasma da Ópera, no Teatro Abril.

Dos lugares que eu conheci naquela oportunidade, vale a pena visitar o Mercado Público Municipal (e comer um sanduíche de mortadela), a Catedral da Sé, o Edifício Copan e o Teatro Municipal. O Parque do Ibirapuera também é um oásis verde no meio da selva de pedra.  

Desta vez, chegamos a pensar em fazer a renovação dos vistos no Rio de Janeiro, mas daí lembramos que, em São Paulo, poderíamos aproveitar e ir ao teatro de novo, e SP ganhou!

Foi muito legal.

a metrópole vista de cima, quando se pousa no Aeroporto de Congonhas

fila na frente do CASV da Vila Mariana: tudo bem rápido e organizado

A renovação é muito simples, sem entrevista nem nada. A pior parte é feita pela internet, preenchendo os chatíssimos formulários, inserindo fotografias, pagando as taxas e agendando a data para a renovação. Chegando lá, é tudo muito simples, mas tem 2 dicas importantes:

1) não pode entrar com isqueiros, telefones celulares ou qualquer outro instrumento "perigoso", hehehe, então ou você vai sem o celular ou morre em R$ 10,00 para pagar um guarda-volumes. Procure um guarda-volumes mais distante, porque os que ficam ao lado do CASV cobram absurdos R$ 20,00 e, logo ali adiante, os outros cobram "apenas" R$ 10,00;

2) não se atrase, porque vimos um cara chegar 3 minutos atrasado (depois do horário marcado para a entrevista dele) e não deixaram ele entrar!

Nós fizemos a renovação no CASV da Vila Mariana, porque ficava mais próximo, e escolhemos um albergue lá perto, para ir de táxi (albergue que eu não recomendo, porque achamos péssimo e caro). Foi tudo muito rápido e organizado, embora eu tenha achado alguns dos funcionários (todos brasileiros) grosseiros e sem paciência.

os avós do pequeno viajante também não perderam a oportunidade de renovar os vistos e passear em Sampa: esquina da São João com o Largo do Arouche

aproveitando a calmaria proporcionada pela ausência do pequeno viajante - poder ficar horas num café, ou numa livraria - não tem preço!

perdição: a Livraria Cultura, no shopping Bourbon


O espetáculo musical Priscilla, Rainha do Deserto, é uma delícia, com uma trilha sonora sensacional, que inclui todos os sucessos da disco music (It´s raining men, Don´t leave me this way, I will survive), mais de 500 figurinos (todos incríveis), 200 perucas, 23 toneladas de cenário e um ônibus com 30.000 pontos de LED que é um colosso em cima do palco!

O musical australiano está em cartaz em SP desde março deste ano, com 28 integrantes no elenco. É a emocionante história de 3 drag queens que vão de Sydney até Alice Springs para fazer o seu show. No caminho, Mitzi, Felicia e Bernadette criam uma grande amizade e vivem muitas aventuras a bordo do velho ônibus, apelidado carinhosamente de Priscilla

O espetáculo baseia-se no premiado filme de mesmo nome, de 1994, e é muito lindo, muito "Broadway".

o Teatro Bradesco, que fica no shopping Bourbon, é lindo e confortável e, mesmo de longe (entradas R$ 120,00), a visão é ótima


Também fomos assistir A Família Addams, no Teatro Abril, que é ainda mais lindo que o Bradesco.  As entradas, mais baratas do que pagamos no Priscilla (R$ 70,00), não proporcionam uma visão tão perfeita, porque a gente fica longe do palco, mas vale cada centavo!

É bom lembrar que existem outros lugares, BEM mais caros, na platéia, de onde se vê até os cílios postiços da Mortícia Addams - aí depende do bolso de cada um, hehehe...e lembrar ainda que idosos pagam meia entrada - leve sempre um documento de identidade consigo!


A peça é estrelada pela Marisa Orth e pelo Daniel Boaventura, e nós achamos ainda melhor que a Priscilla. É verdade, a Rainha do Deserto vence nos quesitos "efeitos especiais", "figurino" e "trilha sonora", mas A Família Addams é muitíssimo mais engraçado, de sair com dor na barriga e com vergonha das pessoas que estavam sentadas próximas de nós, de tanto que rimos!!!

O Daniel Boaventura é um show à parte, simplesmente cômico, e ainda tem o fantástico Tropeço, que também é uma figura - achamos tudo incrível. Se TIVER que escolher uma, fique com os Addams, mas também procure se informar acerca da peça que está em cartaz sobre a vida do Tim Maia - nos disseram que é sensacional e, quando fomos comprar ingressos, estavam todos esgotados pelas próximas 2 semanas...vai ficar para a próxima...


Além dos teatros, também aproveitamos para ir aos cinemas! Queríamos muito assistir Madagascar 3 em 3D e o Homem Aranha, também em 3D. Neste último, demos sorte e curtimos uma experiência excepcional: além de 3D, o filme era em IMAX, parecia que estávamos voando com o Homem Aranha, coisa de outro mundo! Só achei o preço meio salgado - R$ 37,00, mas em SP é tudo caro mesmo: um filme comum custa R$ 24,00.

Para completar o roteiro cultural, fomos conhecer o MASP (Museu de Arte de São Paulo), na Avenida Paulista, nº 1578 (entradas R$ 15,00). Vá de metrô, que custa apenas R$ 3,00 e tem uma parada quase na frente do museu!

Adorei o acervo permanente - e pensar que às vezes a gente vai até a Europa para ver grandes pinturas e tem tantas aqui tão pertinho de nós que a gente acaba nem conhecendo - Van Gogh, Botticceli, El Greco...até as bailarinas do Degas e as meninas do Renoir estão lá!

Vale a visita, até para conhecer o famoso vão livre de 74 metros do prédio do museu, projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi.


A Avenida Paulista, para nós, foi uma grande surpresa, porque a gente imaginava que seria um lugar totalmente poluído, barulhento, estressante e inseguro. Nada disso. 

Ao que parece, a Prefeitura da cidade tem um sistema de rodízio de placas de automóveis, o que reduz muito o número de veículos transitando, e ficamos positivamente impressionados com a poluição sonora e visual, que é mínima.

Também me impressionou muito a questão da segurança. Embora SP não seja uma cidade com grandes atrativos turísticos (como são o Rio de Janeiro e Salvador), a achei bem policiada e nos sentimos muito seguros, mesmo circulando por tudo de metrô, inclusive tarde da noite!!! (voltamos do teatro ao albergue de ônibus + metrô, quase meia-noite, sem nenhum problema...)

O número de gringos circulando pela cidade também é grande - no nosso albergue, por exemplo, só davam eles!

a "Paulista"


Se você resolver, como nós, passear pelos arredores da Paulista, a dica é almoçar no Café Creme: come-se bem e barato (para os padrões de SP) - os risotos são dos deuses. Após, uma visitinha à Livraria FNAC, ali pertinho, completa o passeio.


A famosa Rua Oscar Freire foi uma "decepçãozinha": eu esperava um lugar bacana, cheio de lojas chiques, daquelas de ficar babando nas vitrines, uma espécie de Quinta Avenida tupiniquim, que era como eu tinha ouvido se referirem a ela.

Bom, não sei se visitamos o trecho errado da rua, pois ela é bem extensa, mas não vi nada demais. Em síntese, uma visita ao Bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, enche muito mais os olhos, na minha opinião. Mas, provavelmente, como eu disse, tenhamos visitado o trecho errado na rua...

MASP

e o famoso vão livre: impressionante!

decolando de Congonhas: incrível um aeroporto assim, no meio da megalópole!

Como é sempre bom deixar algum passeio para a próxima visita, guardei para a próxima viagem uma visita ao Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, no Centro, que dizem ser fabuloso e nós ainda não tivemos a oportunidade de conhecer...

PS. Sobre a função da renovação dos vistos americanos, veja também aqui e aqui. Neste post explicamos em detalhes como renovar o visto americano no CASV de Porto Alegre.



4 comentários:

  1. Nossa! Deu vontade! Quando for a SP vou lembrar desse roteiro bacana daqui! Amo esse blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Caroline! Roteirinho cultural altamente recomendável, hehehe...

      Excluir
  2. Oi Claudia!!
    Da uma olhadinha nisso, acho que vai gostar:
    http://riverariviera.blogspot.com.br/2012/07/musica-colorida.html
    esse é meu novo blog ( digo de passagem que vc me inspirou heheh), ta de iniciante, mas vou preencher aos poucos!
    beijo grande

    ResponderExcluir
  3. muito legal o teu blog, Sabrina! adorei o "a vida é uma aventura - vista-se de acordo!"

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...