7 de março de 2018

Serra da Capivara, Parque Nacional Sete Cidades, Delta do Parnaíba e Barra Grande do Piauí: o relato de viagem em família da Maria Inês


Serra da Capivara, Parque Nacional Sete Cidades, Delta do Parnaíba e Barra Grande do Piauí: relato de viagem
** Relato de viagem em família pelo Piauí: Serra da Capivara, Parque Nacional de Sete Cidades, Delta do Rio Parnaíba e Barra Grande.

A Maria Inês é uma daquelas leitoras queridas que já ganharam espaço fixo aqui no blog

A cada viagem dela, eu vou atrás, pedindo para ela relatar tudo em detalhes por aqui. 

Desta vez, a viagem foi para o Piauí, estado onde nós nunca estivemos e que eu quero muito conhecer - eu não ia perder essas dicas mastigadinhas, né? 

Com vocês, todas as dicas de viagem e belezas do Piauí, pela Maria Inês: 

E novamente a Claudia nos convida a participar do seu blog ! Que enorme prazer ! Já estivemos por aqui contando nossa aventura de motorhome pela costa oeste dos EUA !

Então vamos lá !

Desta vez o nosso destino foi o Nordeste do Brasil, mais precisamente o Estado do Piauí. Mas esta não era a nossa primeira escolha. 

Relato de viagem em família pelo Piauí: Serra da Capivara, Parque Nacional de Sete Cidades, Delta do Rio Parnaíba e Barra Grande

Vou explicar melhor: tínhamos planos de viajar para o Norte da Argentina e cruzar a fronteira com o Chile, mais uma vez seguindo os passos da Claudia, mas a grana estava curta, e essa seria uma viagem muito custosa, uma vez que incluiria passagem aérea e aluguel de carro no exterior. 

Como eu já estava namorando o Piauí e a Serra da Capivara há tempos, conversei com o marido e achamos que seria muito interessante mostrarmos para a nossa filhota Malu de 11 anos, a verdadeira história dos nossos antepassados, a história de como o homem chegou até o Brasil. 

pintura rupestre no Parque Nacional da Serra da Capivara

Para a passagem aérea nós utilizamos milhas da Smiles que iriam vencer, aluguel do carro consegui um bom desconto com a Movida e a hospedagem tinha uma obrigatoriedade: piscina, afinal seria um calor escaldante né !! Pois bem, a primeira coisa a se fazer antes de viajar é - pegar as dicas com a Claudia, mas só que desta vez ela não poderia me ajudar, pois ainda não havia estado no Piauí, assim tive que me virar sozinha !! 

Nenhum relato sobre a Serra da Capivara com crianças na blogosfera e muito poucos relatos sobre os demais destinos que gostaríamos de conhecer. 

De antemão, quero agradecer a Renata do ReVivendo Viagens, que fez uma viagem parecida e me ajudou muito a organizar meu roteiro !! 

Como sou estudante de turismo na Universidade Federal Fluminense, esse destino teve super afinidade com as disciplinas que eu estava cursando na época, meio ambiente, história, antropologia e história da arte ! Peguei algumas dicas e orientações com meus professores e segui adiante com meu roteiro ! 

E, modéstia à parte, acho que ficou supimpa !! 

Confere aí !

Serra da Capivara, Parque Nacional Sete Cidades, Delta do Parnaíba e Barra Grande do Piauí: relato de viagem

Petrolina, em Pernambuco, e Juazeiro, na Bahia


Nossa viagem ao nordeste começou em Petrolina - PE. 

Saímos do Rio na sexta-feira à noite com destino a Petrolina, com uma escala super apertada em São Paulo - não façam isso !! Quase perdemos a conexão ! 

Chegamos em Petrolina na madrugada de sábado, e nos instalamos no Nobile Hotel


Na manhã seguinte acordei com uma vista incrível da janela do quarto para o Rio São Francisco ! Que espetáculo ! O hotel fica em frente à orla e dali mesmo seguimos caminhando para o centro histórico, visitamos a parte de Petrolina Antiga com suas casinhas do século XIX, a Igreja Matriz e a Catedral. 

Tiramos muitas fotos no letreiro “Eu Amo Petrolina”. 

Petrolina, Pernambuco

Tinha uma dica de aluguel de bike parecido com o aluguel das bicicletas do Itaú aqui no Rio, porém me parece que esse sistema estava desativado, pois nem mesmo o telefone que deveria atender as ligações para concluir o processo estava funcionando. 

Então já que o sol estava de rachar o cérebro, voltamos para o hotel para curtir a tão merecida e solicitada piscina ! 

Almoçamos no shopping, e depois seguimos de táxi para a Oficina do Artesão Mestre Quincas, onde são fabricadas as carrancas que protegem os pescadores do Velho Chico e outras peças em madeira. Foi interessante e divertido demais observarmos os artistas criando sua arte. 

Seguimos para a orla em frente ao letreiro “Eu Amo Petrolina” e pegamos a barquinha que faz a travessia para Juazeiro, na Bahia. DEMAIS !! Em Juazeiro faça como os Juazeirenses ! 

Pagamos R$ 1,50 e atravessamos o Rio São Francisco como os locais o fazem ! Muito legal ! 

A travessia não dura mais do que 10 minutos, mas foi o suficiente para nos divertirmos ! 


 
Em seguida, mais fotos no letreiro JUAZEIRO, e depois comemos e bebemos muito bem nos restaurantes que ficam na orla do lado de lá, na Bahia. 

Juazeiro me pareceu mais carente de infraestrutura do que Petrolina. 

As cidades são unidas pela Ponte Presidente Dutra. Depois da comilança, retornamos ao hotel de táxi já tarde da noite, porém os mais corajosos podem seguir a pé pela ponte mesmo.


Na manhã seguinte, já domingo, havíamos programado um passeio chamado Vapor do Vinho, que consiste em: um ônibus nos pegaria no hotel e seguiríamos até um determinado ponto para embarcarmos no barco “Vapor do Vinho” para navegarmos na Barragem de Sobradinho, passaríamos por uma eclusa, subindo ou descendo, até que chegaríamos a uma das vinícolas do Vale do São Francisco, pelo valor de R$ 150,00 por pessoa, crianças a partir de 10 anos pagam o valor integral, com direito a almoço e música ao vivo no barco. 

Só que...a parte da visita à eclusa, que mais me interessava, como engenheira que sou, estava em manutenção e não poderíamos utilizá-la, nós estamos abstêmios, e também já havíamos visitado vinícolas na Serra Gaúcha e no Chile. Então, o passeio perdeu um pouco do encanto, e pagar R$ 450,00 para um passeio de barco e um almoço era dinheiro demais para um domingo só. 

Mas deixo uma ressalva: as pessoas do nosso hotel que foram ao passeio voltaram maravilhadas com tudo o que viram e degustaram, e devo confessar que fiquei um pouco arrependida, pois gostaria de ver a tecnologia da irrigação fazer a mágica de ter três safras anuais de vários tipos de uvas no sertão do Nordeste. Além de plantações de mangas, mamão, peras e maçãs, todas irrigadas. 

Durante a semana, e aos sábados, é possível fazer esse passeio às vinícolas por conta própria, e para isso deve ser feita uma reserva previamente. 

Pois bem, já que o passeio foi deixado de lado, seguimos para a piscina para curtir o hotel, que é muito bom. Novo e bem estruturado, com um delicioso café da manhã, quartos limpos e confortáveis. 

O almoço foi no Bodódromo, um lugar super tradicional em Petrolina, onde os pratos são à base de carneiro (o bode não é mais tão utilizado). 

Existem alguns restaurantes no Bodódromo, e nós escolhemos o Bode Assado do Angelo, por recomendação do nosso taxista. E foi uma excelente escolha ! Experimentei a linguiça de carneiro, e até que é boa, mas ficamos na tradicional carne de sol com macaxeira e baião de dois ! Em seguida, retornamos para a orla de Petrolina, para mais um passeio de barquinha até Juazeiro ! Finalizamos o dia com um pôr do sol espetacular do hotel !! 

Outro ponto a ser destacado é que nós deveríamos ter alugado o carro desde o início em Petrolina, pois isso iria nos custar menos dinheiro do que o gasto com táxi, e mais agilidade para conhecermos as duas cidades - Petrolina e Juazeiro, então fica a dica !


São Raimundo Nonato e Coronel José Dias, no Piauí


Na manhã seguinte, já segunda-feira, pegamos o carro alugado na Movida para seguirmos ao Parque Nacional da Serra da Capivara, criado em 1979 e Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco desde 1991, em função da quantidade de pinturas rupestres na região.

pintura rupestre no Parque Nacional da Serra da Capivara

Nós alugamos o Duster, um carro mais alto, pois outros relatos nos alertavam sobre as condições ruins das estradas. 

Um ponto a ser considerado são os caminhos até a Serra da Capivara

O google maps sugere o trajeto via Remanso, na Bahia, com 352Km, e outro trajeto via Simplício Mendes, no Piauí, com 442Km. 

Acontece que o trecho de 40Km entre Remanso e Dirceu Arcoverde está em péssimo estado, com casos de carro quebrado devido às condições da estrada e inclusive assaltos no local. Então “mermão”, nós somos do Rio de Janeiro e, como aqui a “chapa esquenta”, decidimos ir via Simplício Mendes, com estrada totalmente asfaltada, mas com alguns trechos muito esburacados. 

Outro alerta para quem trafega nas rodovias do nordeste como um todo são os animais na pista. Muitos burros, jegues, cabras e ovelhas, muitos abandonados, e outros tem dono, mas deixam seus animais pastando às margens da rodovia. Portanto, tente não dirigir à noite e, se não for possível evitar, siga com muita cautela.

Parque Nacional da Serra da Capivara

Uma outra questão a ser debatida é onde se hospedar para a visitação ao Parque Nacional da Serra da Capivara - São Raimundo Nonato ou Coronel José Dias ? 

Distantes 50Km uma da outra, sendo que a entrada principal do Parque está localizada no Município de Coronel José Dias, assim como a entrada para o Desfiladeiro da Capivara e o Baixão da Pedra Furada, que são os principais roteiros turísticos e científicos do parque. 

Em São Raimundo Nonato fica a Serra Vermelha, onde é possível observar a revoada das andorinhas, e também fica o Museu do Homem Americano


SRN é uma cidade maior, com comércio e barulho … muito barulho ! 

Já em Coronel José Dias o que reina é a natureza, a paz, o silêncio, e o berço da humanidade nas Américas !! Fica a dica, se hospede em Coronel José Dias, no Albergue Serra da Capivara, onde também está a fábrica de cerâmicas Serra da Capivara


Um lugar mágico, especial, onde você estará em contato íntimo com a natureza todo o tempo, com um céu estrelado, com o barulho dos pássaros, e de frente para o seu quarto estará o paredão da Serra da Capivara, te mostrando toda a sua imponência ! 

O Albergue Serra da Capivara deve ser considerado como uma pousada, pois tem quartos privativos com banheiro, e oferece café da manhã, almoço e jantar. Os visitantes que saem de SRN são orientados a almoçar por lá para darem continuidade aos passeios da tarde já em Coronel José Dias, que fica localizada muito mais perto das entradas do parque nacional. 

Nem me imagino tendo que dirigir pelo menos 100Km por dia para ir e voltar de SRN até o parque todos os dias.

Parque Nacional da Serra da Capivara

Outro ponto a ser destacado é a época do ano que você vai para esta região. 

Existem duas estações do ano no Piauí: a seca, que vai de maio a outubro, e a estação das chuvas, que vai de novembro a abril e, com isso, a vegetação muda drasticamente de uma caatinga ressecada e retorcida no aguardo das chuvas, para uma vegetação verde e cheia de vida com a chegada da água.

Então foi assim que fizemos, nós seguimos para Coronel José Dias via Simplício Mendes e nos hospedamos no Albergue Serra da Capivara. 

Nossa roadtrip foi em janeiro de 2018, portanto período de chuvas, e já na estrada foi possível ver a quantidade de insetos e aves pelo caminho, uma verdadeira explosão de vida !

Chegamos à nossa pousada no meio da tarde, a tempo de presenciarmos um entardecer de tirar o fôlego ! 

Não posso começar a falar do Piauí sem mencionar a Cajuína !! Sim, com letra maiúscula ! 

Desde maio de 2014, a Cajuína do Piauí é Patrimônio Cultural Brasileiro !! Portanto, estando no Piauí, faça como eles, brinde à vontade com uma cajuína bem gelada a hospitalidade do povo piauiense !! 

É uma bebida não alcoólica e deliciosa !! 


Destinamos os 3 dias seguintes ao Parque Nacional da Serra da Capivara. Na terça, quarta e quinta ficamos totalmente imersos na imensidão do PARNA, e ainda faltou muita coisa para ser vista, tocada, cheirada, ouvida e sentida !! Isso mesmo !! Tem emoção para os 5 sentidos !!

O ingresso para o PARNA custa R$ 16,00 por dia por pessoa, e precisa ser retirado em qualquer guarita de entrada. Somente é permitido o acesso ao parque com a presença de um guia credenciado pelo ICMBio, que é o gestor dos parques nacionais no Brasil. E é aí que entra a Equipe Craôs - Condutores no Rastro das Origens. 

Nós contratamos o Ari, que faz parte da Craôs, para ser nosso guia durante esses três dias.   

Ele é pedagogo, e faz pós-graduação em geografia do turismo; além disso, ele é nativo de Coronel José Dias e é filho de ex-caçador da área, então o Ari sabe muito a respeito daquele bioma. Nele estão juntos os conhecimentos científico, empírico e o filosófico !! Nossa escolha não poderia ter sido melhor ! Ele tem muita paciência com crianças, e consegue nos explicar todos os nossos questionamentos, senão de uma forma científica, mas de uma forma “mateira” ! Tudo a ver com a minha família !! Muito legal ! Padrão Niède Guidon de qualidade !! Super recomendo ! 

O preço do guia é diferenciado para quem está com seu próprio carro ou para aqueles que desejam um profissional com carro.

Parque Nacional da Serra da Capivara

Na terça-feira, fizemos o Desfiladeiro da Capivara, entrando pela guarita 020, poucos quilômetros adiante do nosso albergue. 

Destaque para a Toca dos Veadinhos Azuis, únicos com essa cor de pintura!! Lindinhos! 

À tarde, fomos até a cidade de SRN, para visitarmos o Museu do Homem Americano, e por lá existem vários instrumentos e ossadas encontrados na área do parque. Vale muito a visita para entendermos melhor essa questão da chegada do homem às Américas ! Quem quiser, pode me perguntar nos comentários que terei o maior prazer em tentar responder sobre as duas “versões” que definem a chegada do homem até aqui ! 

Museu do Homem Americano

 
Ainda passamos pelo mercado municipal para umas comprinhas de chapéu e temperinhos !! Todas as refeições de todos os dias foram feitas no albergue.

Na quarta-feira, nos dirigimos à entrada principal do parque, muito próximo ao Albergue.

Na entrada do Baixão da Pedra Furada, compramos os ingressos para todos os dias seguintes. 

Fizemos o Circuito da Invenção, com destaque para uma trilha com uma escada vertical de 76m com 150m de desnível, e lá de cima uma vista escandalosa de linda e um vento refrescante ! Maravilhoso !! 

À tarde, voltamos para o Desfiladeiro da Capivara, para visitar a Toca do Inferno e a Toca do Paraguai. Esta última foi a primeira toca visitada pela Professora Doutora Niède Guidon quando chegou àquela região. 

E, para encerrar o dia, o pôr do sol foi na Trilha da Energia, localizada bem em frente ao nosso albergue. E que espetáculo de lindo ! Indescritível … nenhuma foto ou filmagem mostrará um pouco do que é aquele lugar ! Uma paz, tranquilidade, os pássaros voando, as borboletas ao nosso redor, a caatinga verdinha a perder de vista … LINDO !!

Parque Nacional da Serra da Capivara

Na quinta-feira e último dia, nos dedicamos ao Circuito Baixão da Pedra Furada. Na parte da manhã, fizemos o Sítio do Meio e a Trilha Pedro Rodrigues, com uma vista panorâmica da Ponta da Serra

À tarde, nos dirigimos ao Sítio Arqueológico do Boqueirão da Pedra Furada, o local mais famoso do parque. Conta com uma passarela e um paredão de mais de 100 metros de altura, com mais de 1000 pinturas rupestres, inclusive a pintura símbolo do parque, e tantas outras famosas como “O Beijo”, pinturas brancas, com simbologias de dança, muito legal e intrigante ! Intrigante mesmo … fico pensando o que eles queriam dizer com todos aqueles desenhos ? Queriam deixar para a posteridade ? Para quê ? Avisar aos demais ? Para se lembrar de algo ? INTRIGANTE !! Ficamos lá por muito, muito tempo ! É demais ! E cada um de nós conseguia ver e determinar o que significava cada pintura ! Nossa filhota aprendendo história in loco ! E tudo o que eu havia aprendido nas disciplinas de história, antropologia e meio ambiente na UFF estava ali bem na minha frente, para ser experimentado ao vivo e a cores ! 

pinturas rupestres no Parque Nacional da Serra da Capivara

 
 

O Parque Nacional da Serra da Capivara tem padrão de qualidade Niède Guidon, mais exigente que FIFA !! Nós adoramos visitar parques nacionais, e tivemos o privilégio de conhecer alguns no Brasil e outros internacionais, e posso afirmar que o PARNA Serra da Capivara é irretocável. 

Trilhas sinalizadas e limpas, e algumas inclusive adaptadas a cadeirantes. Banheiros nas guaritas e no centro de visitantes em pleno funcionamento. Os funcionários do parque e os guias são todos muito bem treinados e sabem da importância da criação do parque, assim como mantém suas raízes ligadas à terra do Sertão Nordestino ! Todo brasileiro deveria ter o privilégio e a obrigação de ir lá e ver com seus próprios olhos ! A história do Brasil começou muito antes de 1500, como nos ensinaram !! 

No período de seca, quando não há água ou alimentos suficientes para os animais dentro da área do parque, existe uma prática por parte dos funcionários de alimentarem os animais e oferecerem água em locais apropriados, isso tudo para que os animais não saiam da área do parque e sejam caçados e mortos por caçadores. E é nessa época que os visitantes conseguem observar muitos animais, como macacos, veados e tamanduás, dentre outros, se alimentando perto das guaritas. Mas, no período das chuvas, quando a água e os alimentos são abundantes, não se vê os animais ali por perto. Claro ! Eles não são burros de se aproximarem dos humanos com tanta fonte de alimentos espalhados pela mata ! Como nós fomos na época das chuvas e de comida farta para eles, teremos de retornar no período da seca para vê-los bem de pertinho ! 

Parque Nacional da Serra da Capivara






Malu aplicando um "Hadouken" no Parque Nacional da Serra da Capivara

Parque Nacional de Sete Cidades


Na manhã seguinte, sexta-feira, seguimos para Teresina para passarmos apenas uma noite, e por isso nos hospedamos no Hotel Ibis, o que foi uma ótima pedida. 

No dia seguinte, sábado, demos sequência a mais um Parque Nacional. 

Desta vez, o escolhido foi o Parque Nacional de Sete Cidades em Piripiri.

Saímos de Teresina bem cedo com direção ao Parque Nacional de Sete Cidades. E, conforme nos aproximávamos da região do parque, observamos uma mudança na vegetação.   

Passou a ser uma mistura de cerrado com caatinga, que depois nos foi explicado ser a mata de cocais, uma mata de transição mesmo ! Muito interessante ver ao vivo o que estudamos nos livros de geografia !

Nos hospedamos no Hotel Fazenda Sete Cidades, bem ao lado da portaria de entrada do PARNA Sete Cidades. Um hotel interessante, eu diria … um pouco ultrapassado, precisando de reformas, mas, se você não está precisando de luxo, e quer apenas se conectar com a natureza, está de bom tamanho. 

Ele possui uma piscina, o que era uma obrigatoriedade, lembram !? Os quartos têm ar condicionado, e um banheiro que dá para o gasto ! Oferecem café da manhã incluído na diária, e o almoço e o jantar são pagos à parte.

Hotel Fazenda Sete Cidades

Pois bem ! Almoçamos, colocamos as malas no quarto e seguimos para o parque na companhia do guia Welhington, indicado pelo pessoal da Craôs.

O PARNA Sete Cidades foi criado em 1961, é um parque bem menor e pode ser visitado a pé, de bicicleta alugada no centro de visitantes ou de carro. 

Parque Nacional de Sete Cidades


Parque Nacional de Sete Cidades

Só é permitida a entrada para explorar as cidades de número 2, 3, 4, 5 e 6 com a presença do guia, para proteger as formações rochosas, assim como as pinturas rupestres existentes, e também para dar mais explicações sobre as histórias e lendas da região, fauna e flora locais.

Foi o Welhington que nos explicou a respeito da Mata de Cocais !! As cidades de número 1 e 7 ficam em uma área distante do centro de visitantes, e por isso estão sofrendo com a depredação de alguns mal-educados que passam por ali e não contratam o guia.

As chamadas “cidades” são formações rochosas de arenito, e não estão em ordem numérica de visitação. Assim sendo, seguimos em frente, começando pela sexta, onde tem uma formação rochosa semelhante a uma tartaruga e dois elefantes ! 

Depois vem a segunda cidade, com o Arco do Triunfo, a Pedra da Jiboia e um mirante. 

Na quinta cidade, está o camelo e também a Gruta do Caritina, a história verídica de um médico que se escondeu ali para tratar a doença do filho. 

Na quarta cidade, vemos o mapa do Brasil, o beijo dos lagartos e as tartarugas marinhas ! 

Já na terceira cidade, estão as formações que lembram D. Pedro, os três Reis Magos e o Dedo de Deus !! Sensacional !! Lembram muito as paisagens do Arizona, nos EUA !!

Terminado o nosso passeio com o Welhington, presenciamos, mais uma vez, o espetáculo do sol se pondo … por aqui, por do sol bonito é pleonasmo !!

Retornamos ao hotel para um delicioso e refrescante banho de piscina e para aguardar a hora do jantar!

Parque Nacional de Sete Cidades
Parque Nacional de Sete Cidades



Parque Nacional de Sete Cidades
Parque Nacional de Sete Cidades

Delta do Parnaíba, no Piauí


Na manhã seguinte, domingo, nos dirigimos à Parnaíba

Ficamos hospedados na Pousada Ouro de Minas, da jovem empreendedora Mariana que, no auge dos seus 22 anos, é proprietária deste meio de hospedagem tão lindo ! Me senti em casa, como no sítio de parentes sabe ?! Fomos muito bem recebidos pela proprietária e seus amigos, que se tornaram nossos também ! 

A pousada fica um pouco distante do centrinho de Parnaíba, mas a Mariana e seus colegas não mediram esforços para nos ajudar. Uma amiga nos guiou até o centro. Outros amigos nos levaram para passear à noite onde os locais frequentam, e a própria Mariana e seu noivo foram conosco ao passeio do Delta, que contarei mais adiante, e assim conseguimos um bom desconto no aluguel da lancha. Super recomendo ! 

Sem mencionar a piscina deliciosa e o café da manhã de rainha ! Um forte abraço para os amigos Maristela, Jerônimo, Gustavo e Kennedy ! Obrigada pela noite de prosa !! Demos muitas risadas !!

No mesmo dia da chegada, fomos convidados a almoçar com eles em um restaurante super local - o Recanto Maresias - que delicia de comida ! E super barato também ! Comida de primeira qualidade com pessoas simpáticas e agradáveis !! A comida estava tão boa que não tive tempo de tirar uma foto sequer !! Esse restaurante fica perto da Lagoa do Portinho, que infelizmente está seca devido ao mau uso dos recursos hídricos, e não devido à falta de chuvas na região.

Depois do almoço, fomos passear no Porto das Barcas, um lugar bem simpático, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Fica às margens do Rio Igaraçu, braço do Rio Parnaíba

Por ali existem lojas de artesanato e agências de ecoturismo, onde é possível comprar os passeios para a visitação ao Delta do Parnaíba. Saboreamos um sorvete na tradicional Sorveteria Araújo, compramos alguns artesanatos e seguimos para a Praia da Pedra do Sal para mais um pôr do sol ! Por ali se encontram várias torres de energia eólica. Muitas mesmo !! Muito legal ver isso !


Na manhã de segunda-feira, atravessamos a ponte e nos dirigimos para o Porto dos Tatus na Ilha Grande, município vizinho à Parnaíba, de onde saem os passeios para o Delta do Parnaíba. Mas, antes disso, paramos na Associação das Rendeiras dos Morros da Mariana, mais conhecida como Casa das Rendeiras, para ver o maravilhoso trabalho dessas mulheres !

Elas trabalham com renda de bilro, esse instrumento de madeira que ajuda a trançar os fios. Lindo lindo ! 

A maioria das peças é feita por encomenda e, segundo a D. Maria do Socorro, essas peças seguem para o exterior. Comprei apenas um marcador de livros. 

Várias fotos de celebridades usando os modelos desenvolvidos por elas ! Poderíamos ficar por ali o dia todinho ouvindo o tilintar dos bilros, mas o barqueiro nos esperava para o passeio.






Existem dois tipos de passeios ao Delta:

  • Um passeio com um barco maior (com capacidade para 80 pessoas) e mais lento, que dá direito à mesa farta com frutas da estação, almoço e caranguejada, com algumas paradas para banho e duração de um dia inteiro. 
  • E existe um outro tipo de passeio, com parada para almoço na Ilha das Canárias e em seguida uma parada nas dunas para banho e finaliza com a revoada dos guarás. Esse passeio é feito com uma lancha rápida, tipo voadeira, com capacidade para 5, 10 ou 14 pessoas.

Escolhemos este último pela aventura da lancha rápida, pela beleza das dunas, pela revoada dos guarás, e também por ser mais exclusivo.

Contextualizando: delta é um tipo de foz, e tem esse nome devido ao seu formato se parecer com a letra grega. 

O Delta do Rio Parnaíba é um dos três únicos no mundo que desaguam no mar, e o único das Américas. Ele divide os estados do Maranhão e Piauí. Sem contar que o Rio Parnaíba é 100% nordestino, ele nasce na Chapada das Mangabeiras, sul do Piauí. 

Antes do embarque, passamos no mercado e compramos refrigerantes, água, frutas e biscoitos, afinal, a próxima parada seria só para o almoço. 

Não esqueçam de levar protetor solar, chapéu, óculos e água … muita água, pois o sol é inclemente !!

E, durante umas duas horas, seguimos adiante na lancha rápida por dentro dos manguezais, e vimos muita coisa legal ! Um ecossistema totalmente diferente do que estamos acostumados. Muita vida ! Paramos para almoço e, para minha surpresa (e talvez decepção), não foi na Ilha das Canárias, na Pousada Casa de Caboclo, como havíamos combinado. Mas tudo bem, foi legal do mesmo jeito. A comida estava ótima e o local também era agradável. Então fica a dica: certifique-se com o barqueiro que você quer ir almoçar na Casa de Caboclo, que é um local mais bonito e tem outras opções de entretenimento durante o período do almoço. 

Depois da parada para o almoço, seguimos para o banho de rio nas dunas … aí sim !! Que legal !! A água do rio é quentinha e ajudava a amenizar o calor do sol ! Brincamos muito, muitas fotos, descidas na areia das dunas …

Por um bom tempo, éramos somente nós 5 ali, naquela imensidão de areia e rio. Que espetáculo !! O lugar é lindo ! 

Com meu olhar de estudante de turismo, aliado ao de engenheira, eu faria por ali umas construções ecológicas para abrigar os turistas do sol, assim como torres de observação, decks para os barcos atracarem … enfim !! Talvez o nosso encantamento se dê justamente pela rusticidade do local, que permanece intocado em toda a sua plenitude. Encantador ! Magnífico ! Nos divertimos para valer ! 



Delta do Rio Parnaíba
Delta do Rio Parnaíba

Delta do Rio Parnaíba
dunas no Delta do Rio Parnaíba

O barqueiro nos chamou, pois a hora da revoada dos guarás estava perto. 

Guará é uma ave com penas de cor avermelhada muito forte, devido à sua alimentação à base de um caranguejo que possui um pigmento que tinge as plumas. Sensacional !! Mesmo debaixo de chuva - sim, nesta hora a natureza resolveu nos banhar e mandou chuva para baixo - eles vêm em bandos e pousam em uma ilha no meio do rio. 

Aos milhares, retornam todos os dias para esta mesma ilha. Centenas de guarás pousados nas árvores, tingindo toda a ilha de vermelho ! Impressionante e maravilhoso ao mesmo tempo. 

Os barqueiros respeitam o limite de aproximação determinado, e desligam os motores das lanchas. Ficamos por ali muito tempo, observando este espetáculo que a natureza estava nos proporcionando. 

revoada dos guarás
revoada dos guarás

revoada dos guarás

Mais uma dica: leve uma câmera fotográfica que tenha um bom zoom para você registrar esse momento. Ou faça como eu: pare, observe e se encante !! Já estava ficando escuro, e achamos melhor retornar para o Porto dos Tatus ainda com luz do dia … já imaginou navegar pelo Delta à noite !!? 

Já no Porto dos Tatus, por sugestão da Mariana, encomendamos por telefone uma torta de caranguejo no Caranguejo Expresso, e nos dirigimos até o Calçadão Cultural na Beira Rio para degustarmos essa iguaria da região !! Eles aprontam a torta para você com hora marcada !! Foi ótimo !! Terminamos aquele dia maravilhoso com a barriga cheia !!

revoada dos guarás
revoada dos guarás

Barra Grande do Piauí


Na manhã de terça-feira, nos despedimos de Parnaíba e seguimos em direção à Barra Grande do Piauí !

Seguimos à Barra Grande pela PI-116, que margeia o litoral. Uma estrada linda, que passa bem pertinho da praia em diversos pontos, e isso era motivo de pararmos várias vezes para observar o litoral deserto e intocado do Piauí. Alguns hotéis com cara de resort exploram esta região, mas muito poucos mesmo. 

Uma das opções é se hospedar em Barra Grande ou Luiz Correia e fazer passeios bate e volta à Parnaíba, mas eu não recomendo. 

No caminho, bem na beira da estrada, está um dos atrativos turísticos da região - a árvore penteada, que tem esse formato devido aos fortes e constantes ventos da região. 

Não é linda !?

Barra Grande do Piauí
Barra Grande do Piauí

Nos hospedamos na Pousada do Fred, recomendada pelo VnV e outros blogs, com nota 8.7 no Booking e alguns relatos desagradáveis no TripAdvisor. Mas não gostei nem um pouco desta pousada. Acho que é uma das poucas vezes que não gosto da hospedagem em minha vida ... e olha que já ficamos em algumas pocilgas por aí !! 

Faltou simpatia, faltou coberta extra, faltou limpeza, faltou água suficiente no chuveiro, faltou querer agradar o hóspede, sabe ?! Solicitamos spray para matar mosquitos, pois o quarto estava infestado, e não poderiam nos dar. Solicitamos uma coberta de casal, e nos foi informado que só podem fornecer 1 coberta de solteiro por quarto - mas nós éramos 3 pessoas ! Em compensação, sobravam sapos e rãs pelo jardim !! RsRsRsRs ! 

Enfim, a piscina era boa, e nos divertimos por ali antes e depois da praia ! A pousada está localizada a poucos passos da praia, e bem perto do centrinho, onde ficam os restaurantes e lanchonetes descolados !

Barra Grande é famosa em todo o mundo pelo vento que sopra durante o ano todo. É point de kitesurf, e ficar contemplando as velas indo e vindo é legal ! Os atletas fazem muitas manobras legais ! Tem uma escola de kitesurf na Pousada BGK, que por sinal é linda também !! Mas tão cara quanto linda !!

Nos dias em que passamos por lá, fazíamos o seguinte: pela manhã, algum passeio e, depois do almoço, até o pôr do sol, era curtir praia.

Na terça, fizemos o passeio da Trilha Ecológica do Cavalo Marinho. Fomos de canoa pelo rio até o encontro com o mar, onde estão os cavalos marinhos. Durante o trajeto, paradas para mergulho. Esse passeio é monitorado pelo pessoal do Projeto Tartarugas do Delta

O monitor mergulha e pega o cavalo marinho e o coloca dentro de um aquário de vidro. Não é permitido tocar nos animais. Em seguida, ele é devolvido ao mesmo local de onde foi retirado. Bem interessante !!




Barra Grande do Piauí



Na quarta, fomos até o Município de Cajueiro da Praia, para vermos o maior cajueiro do mundo !! 

É uma árvore gigantesca, com mais 8800m2 e 200 anos de idade ! 

Várias raízes tocando o solo e criando uma nova árvore ! 

Barra Grande do Piauí
Barra Grande do Piauí

Barra Grande do Piauí

Em seguida, fomos para o Projeto do Peixe Boi, e eu tinha a informação de que os turistas poderiam participar do projeto, observando os animais e participando da sua alimentação. Ledo engano. O projeto está abandonado, pois o Ibama tem um convênio com a prefeitura para dar continuidade aos trabalhos, e como era de se esperar, a prefeitura cancelou o convênio por falta de verba. O peixe-boi é uma espécie em extinção, lamentável !

Para a quinta-feira, reservamos o dia para um passeio particular que pegamos a dica com o funcionário do Projeto Peixe Boi. Uma pessoa da área que conhece bem a região nos levaria de barco até o local onde os peixes-boi ficam. Mas sei lá … achei isso meio confuso … se o local é protegido, como nós iríamos até lá por conta própria ?! 

Aí desistimos e ficamos por Barra Grande curtindo uma praia deliciosa de águas mornas e calmas !! Comendo um peixe frito na beira da praia !! E Malu se acabando de brincar de slackline e SUP que a barraca oferece para os clientes !

A variação da maré em Barra Grande é gigantesca, e se forma uma espécie de faixa de areia avançando para dentro do mar quando a maré está baixa. Neste lugar, ficam represados nos corais muitos peixinhos, conchas e moluscos ! E nossa diversão estava garantida ao passearmos por ali !! 

Todos os dias almoçamos em alguma barraca na praia e jantamos no centrinho de Barra Grande. O local é bem pé na areia mesmo. Totalmente raiz !! Vários restaurantes charmosos com iluminação à luz de velas na mesa e música ao vivo !

O tempo em Barra Grande parece passar mais devagar ! Aproveitamos esse tempo para relaxar e curtir. Foi bom para desacelerar o ritmo !! Eu sou ligada em 220V e quero fazer tudo o que o destino oferece !! Dormir para quê !!? Vamos passear !! Mas o marido e a filha sempre pedem um ritmo mais lento !! Então o pedido foi aceito !! 

Sem pressa !!

Barra Grande do Piauí
por do sol espetacular em Barra Grande do Piauí

 




Barra Grande do Piauí
Barra Grande do Piauí

Teresina, Piauí


Chegou o dia de partirmos ! Sexta-feira, rumo a Teresina !

No trajeto até Teresina, mais animais na pista. Muito cuidado - burros, ovelhas e cabras abandonados pelo caminho.

Nos hospedamos no Blue Tree Towers Rio Poty, um hotel antigo, mas que está passando por uma reestruturação e promete ficar uma belezura !! Com piscina e uma vista linda para o Rio Poty, era o que nós precisávamos !!

Teresina é a única capital da Região Nordeste que não se localiza às margens do Oceano Atlântico. Conhecida por Cidade Verde, a parte central da cidade está situada entre os rios Parnaíba e o Poti. E é quente viu !!! Muito quente !! Incrível que estivemos no sertão do Nordeste, em Petrolina, Juazeiro e Coronel José Dias, e não sentimos tanto calor quanto Teresina !! 

Fizemos o check-in e seguimos para a piscina direto !! À noite, quando o calor ameniza um pouco, fomos passear no shopping, para comermos.

No sábado, acordamos bem cedo e tomamos aquele café da manhã de hotel !! Muita coisa boa !! 

Seguimos depois para o Parque Potycabana, uma área verde bem em frente ao nosso hotel, só que do outro lado do Rio Poty, então fomos de carro. 

Muitas fotos no letreiro “TheAmo” em homenagem à cidade, e muito suor no rosto porque é quente mesmo, viu !! 

Teresina Piaui
Teresina, Piauí

Depois, fomos passear no elevador panorâmico do pilar central da Ponte Estaiada João Isidoro França. Compra-se o ingresso na base do elevador que sobe o equivalente a um prédio de 32 andares. 

Lá em cima, tem um mirante que permite uma visão de 360º de toda a cidade, e assim pode-se constatar como Teresina é grande e verde !! Infelizmente, a permanência lá em cima é de APENAS 10 minutos … em 10 minutos não tínhamos nem visto 1 dos lados do mirante !! Mais uma vez, meu pensamento de estudante de turismo e de engenheira me faz sonhar com um restaurante giratório nos moldes de Santiago do Chile ou do Cerro Otto em Bariloche !! 

Com aquela vista, e com aquele ar condicionado super potente, o lugar iria bombar de turistas !! Ao menos uma sorveteria nas alturas poderiam nos proporcionar !! Ok, tudo bem, acabou o tempo e seguimos para o encontro dos rios Poty e Parnaíba.

O encontro dos rios, como é chamado esse lugar, está passando por reformas e promete ficar bem legal quando terminarem. Tem parquinho infantil já em funcionamento, algumas lojinhas de artesanato e um restaurante flutuante que tem uma bela vista para as águas dos rios se misturando lentamente. 

Ainda passamos pela Cooperativa de Artesanato do Poti Velho, para umas comprinhas de peças de cerâmica !!

Teresina, Piauí
Teresina, Piauí

Teresina, Piauí

Teresina, Piauí

Uma super indicação do TripAdvisor nos levou até o Restaurante São João, a melhor carne de sol que eu comi na minha vida !! Com cajuína é claro, para honrar a cultura piauiense !!

Para terminar o dia, mais banho de piscina para aliviar o calor que, a esta altura, estava batendo 46º no termômetro do carro.

À noite, passamos no Parque Potycabana para uma caminhada e seguimos para o shopping, para filar o ar condicionado grátis !!

No domingo, era dia de partirmos para a nossa casa no Rio de Janeiro, então a manhã toda foi na piscina do hotel e na função de arrumação de malas e entregar o carro na locadora. 

Teresina, Piauí

Teresina, Piauí
Teresina, Piauí

Essa viagem foi muito enriquecedora e com quebra de tabus, principalmente para mim e meu marido, que tínhamos na cabeça o estereótipo do sertão pobre e maltratado, da terra seca e estéril. Felizmente, não passei para minha filha Malu esta imagem, e ela pôde ver com seus próprios olhos uma terra verde e fértil, um povo sofrido sim, com desigualdade social mais evidente, mas que, com a ajuda da tecnologia da irrigação, transformou a área com plantações antes inimagináveis para aquele bioma. 

Ideias simples, como a coleta da água da chuva para uso no período da seca, e a engenharia nas torres de energia eólica como solução para a geração de eletricidade, transformaram para melhor a vida daquelas pessoas. Painéis solares deveriam estar presentes assim como os cactos na caatinga - em todos os espaços. Um lugar que tem uma incidência solar daquele vulto não poderia perder essa oportunidade, mas os governantes...ah, esses governantes …

O sertão tem as suas mazelas, como o longo período de seca, e deve ser mesmo muito difícil conviver com isso, mas nós aqui do Rio, o chamado Brasil desenvolvido, também temos nossas mazelas - tiroteio e violência para todo lado. Fica a cargo de cada um escolher a mazela que quer e pode enfrentar. Eu já dei entrada no meu lote em Coronel José Dias !!

Então é isso !! Mais um bioma brasileiro que tivemos a oportunidade de conhecer !! Que povo, que comida, que paisagens estonteantes que tivemos o privilégio de observar !! Se vocês tiverem a curiosidade de conhecer o Piauí, não se deixem levar pelo estereótipo mostrado na mídia ! Vão e não irão se arrepender !!

Um obrigada a Claudia por mais essa oportunidade, e espero poder contribuir mais vezes !! Beijão e forte abraço !!


Tenho certeza que tu vais contribuir e inspirar outras famílias muitas vezes, Maria Inês!! Mas olha, já fiquei querendo saber sobre aquela história da chegada do homem às Américas!!! Nunca tinha lido sobre isso, quero mais detalhes!!

Obrigada pelo post, e volta sempre - a casa é tua!!

Você já foi ao Piauí? Tem alguma dica legal de lá? Tem vontade de conhecer a Serra da Capivara, o Parque Nacional de Sete Cidades, o Delta do Rio Parnaíba e a Barra Grande do Piauí?? Conte para a gente, deixe as suas dicas nos comentários!


Não esqueça de curtir a fan page no Facebook para acompanhar as nossas aventuras! 

Assista todos os nossos minifilmes neste link do Facebook, e os vídeos você assiste no YouTube ou no Vimeo - aproveite e já se inscreva lá nos nossos canais!

Veja fotografias e dicas das nossas viagens nInstagram.

Você também nos encontra aqui:


Um comentário:

  1. Olá Claudia.. bom dia! sou Ari, guia do Parque Nacional Serra da Capivara. Fui responsavel pela condução da família da Maria Inês aqui em nossa unidade. Gostaria de Falar um pouco sobre minha equipe de guias, citada no relato de maria.
    O grande diferencial da EQUIPE CRAÔS ( Condutores no Rastro das Origens ), é que alem de guias Natívos, filhos de ex-caçadores, vivenciadores e conhecedores da história do Parque Nacional Serra da Capivara detentores de um riquíssimo conhecimento mateiro e empírico, sâo EDUCADORES GRADUADOS e ou PÓS-GRADUADOS em áreas afins do PARNA, portanto MULTIPLICADORES INTERDICIPLINARES DO CONHECIMENTO TÉCNICO.
    Pedagogos , historiadores, Geógrafos e Guias Mateiros com profundo conhecimento do ambiente de caatínga.
    ESTÃO TODOS CONVIDADOS PARA VIREM CONHECER A SERRA DA CAPIVARA MINHA QUERIDA CLAUDIA. E FAZENDO A MELHOR ESCOLHA, ACOMPANHADOS POR UM GUIA CRAÔ.

    Um forte abraço a todos !

    Ari
    Guia Serra da Capivara
    EQUIPE CRAÔS
    Fone/ wats: (89) 98108-5658
    Email: ari.guia@hotmaiil.com
    Face: Ari Guia Serra da Capivara
    Insta: ari_guia_serra_da_capivara

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...