Menu

Trilha ao Everest Base Camp em família: a aventura do Clan Wander no Nepal

Uma família escocesa conta como foi a experiência de fazer o trekking até o Everest Base Camp com 2 crianças! Conheça o @clanwander!
Trilha ao Everest Base Camp
Essa família escocesa inspiradora fez a trilha dos nossos sonhos com os 2 filhos pequenos, e neste post eles nos contam como foi a experiência de caminhar até o campo-base do Everest com 2 crianças! Uma história sen-sa-cio-nal que eu traduzi pro português para que todos vocês possam se inspirar: nada é impossível de fazer com os filhos, basta querer!

Como escreveu o Carpinejar, 'não tenha somente objetivos possíveis - é buscando o impossível que a sua vida nunca será pequena' 😜
Como vocês sabem, desde outubro passado decidimos que este ano iríamos realizar um sonho antigo: percorrer a trilha, no Nepal, que leva ao campo-base do Everest, a montanha mais alta do planeta. 

Sonho antigo porque temos esse desejo desde a 1ª vez que estivemos no Nepal, em 2004. Voltamos ao país em 2011, mas, como o Lipe recém tinha completado 2 anos, aquele não era o momento para colocar essa aventura em prática. Os anos foram se passando e nunca encontrávamos as férias ideais para realizar o sonho, até que, há um ano atrás, tomamos a decisão: faríamos a caminhada de 15 dias ao Everest em novembro de 2020. 

Só que...uma pandemia se colocou entre nosso sonho e a fronteira nepalesa, que permanece fechada para turistas! 😥

É, não vai ser em 2020 que vamos conhecer as montanhas gigantescas do Himalaia de pertinho...mas, como passei o ano todo me preparando para esta aventura, durante as minhas pesquisas conheci a história desta família de escoceses que ficou 'presa' no Nepal em pleno lockdown! 

Sim...eles estavam lá nas montanhas em março deste ano, com a intenção de fazer a trilha com os filhos, quando descobriram que uma pandemia havia se abatido sobre o mundo e o Nepal estava fechando as fronteiras e o aeroporto! 

Foi assim que eles acabaram ficando vários meses em lockdown em Lukla, onde a trilha começa, e foi aí que eu comecei a acompanhar a aventura da família, através do Instagram @clanwander (segue eles!). 

Quando finalmente conseguiram uma autorização especial do governo para fazer o trekking, eram só eles em caminhos que são percorridos anualmente por milhares de turistas! Eles fizeram a trilha totalmente sozinhos, imagine!!

É claro que eu não poderia deixar de contar essa história inspiradora aqui no blog, né!? Pedi se eles não me autorizariam a traduzir a história deles pra vocês, e eles, super queridos, disseram sim! 

Então, sem mais delongas, passo a palavra ao Clan Wander:

Recebemos mais do que esperávamos quando partimos para nossa aventura no acampamento base do Everest em 18 de março de 2020. Esta data ficará gravada em nossas mentes para sempre, o momento em que a pandemia nos atingiu e o mundo ficou paralisado. 

Somos uma família de quatro pessoas da Escócia (Julie - mamãe, Kris - papai, Erihn de 9 anos e Jacob de 4) documentando nossas viagens como @clanwander.

Antes de chegar ao Nepal, já havíamos experimentado uma viagem muito louca, cobrindo 19 países, incluindo o Leste Europeu, os Bálcãs, Jordânia e Índia. Sempre quisemos apresentar aos nossos filhos as perambulações das viagens e, após muitos anos de planejamento, estávamos finalmente vivendo nosso sonho e viajando pelo mundo. 

O plano sempre foi buscar lugares que extrapolassem nossos limites, nos empolgassem e, com sorte, tivessem o efeito de moldar nossos filhos em indivíduos fortes e completos. Foram esses pensamentos que nos atraíram para o Nepal e, em particular, para o desafio de ser possivelmente a família mais jovem a caminhar até o acampamento base do Everest. 
Chegamos ao Nepal em busca de aventura e de criar memórias duradouras, e nunca poderíamos ter previsto o que aconteceria nos próximos 6 meses, mas com certeza tivemos ambos - aventuras e memórias - em abundância.
Tomaríamos decisões diferentes se tivéssemos que decidir de novo?...Sem chance!

Trilha ao Everest Base Camp

Viajar abre sua mente e, tendo viajado antes das crianças, sempre soubemos que nosso sonho era buscar esse maravilhoso presente e incluir nossos filhos em nosso novo capítulo globe-trotting como uma família. Tendo visitado o Nepal 13 anos antes, antes das crianças (fazendo trekking na região do Annapurna), estávamos sempre ansiosos para voltar com nossos dois filhos pequenos e embarcar em nossa própria jornada pelo Himalaia. 

No entanto, sempre ficamos desanimados com a aparente falta de famílias viajando sozinhas, de forma independente, com crianças pequenas. Nós descartamos o plano como uma ideia maluca, possivelmente irresponsável, e esquecemos dele. Então, um dia, o Kris encontrou um artigo em que uma família com uma criança havia realmente caminhado até o EBC. Isso reacendeu a ideia, nos encheu de pura emoção e alimentou nosso desejo de viajar - afinal, talvez essa ideia não fosse tão louca assim.

Com fome de viajar na barriga, começamos a planejar e preparar nossa própria passagem independente pelos Himalaias e, como amamos um desafio, decidimos tentar a caminhada ao EBC. O diabo está nos detalhes, e passamos várias semanas pesquisando nossa rota de trekking, prazos, passes para o parque nacional e transporte para o início da caminhada em Salleri. Um longo passeio de jipe ​​de sacudir os ossos.

Inicialmente, começamos a jornada ao EBC com nossos amigos da Nova Zelândia, uma família de 5 pessoas também em sua própria viagem ao redor do mundo. No entanto, depois de deixar Katmandu e passar apenas 2 noites da jornada juntos, notícias chegaram até nós sobre o Nepal fechando suas fronteiras e muitos países entrando em confinamento e pedindo aos seus cidadãos que voltassem para casa.

Antes de a nossa jornada realmente começar, ela estava potencialmente quase acabada? Naquela noite em Ringmu, sentamos ao redor do fogo quando as crianças foram para a cama e discutimos detalhadamente o que fazer. Foi emocionante, difícil e, às vezes, desconfortável decidir o que seria melhor fazer como duas famílias independentes. Nós dormimos muito pouco naquela noite, a manhã chegou e as decisões foram tomadas. 

Nossos amigos escolheram voltar para casa naquele dia, uma jornada estressante de 50 horas, mas a correta para eles. Nós, por outro lado, decidimos não voltar para a Escócia. Os casos de COVID -19 aumentavam diariamente e viajar durante esse período em particular parecia particularmente desafiador.

Então, naquela manhã, nos despedimos tristemente de nossos amigos, as crianças ficaram chateadas por deixar seus amigos e algumas lágrimas foram derramadas. Dia 3 da caminhada e partimos, nosso pequeno clã sozinho caminhando para o confinamento em um país estrangeiro sem nenhum apoio e rezando para que tivéssemos tomado a decisão certa.


Sair para a natureza selvagem e para o confinamento era uma emoção estranha e desconhecida. Não tivemos conectividade pelos próximos 3 dias e nenhuma maneira de entrar em contato com nossas famílias, para que soubessem que estávamos seguros.
No final das contas, estávamos preocupados em colocar nossos próprios filhos em perigo continuando a caminhar em direção às montanhas. Este era um território desconhecido e não nos agradava muito. 
No entanto, optamos por não empreender uma longa e estressante viagem de volta a um país que estava lutando para colocar os casos de COVID-19 sob controle. Além disso, somos uma família viajante em tempo integral e, sem casa própria para onde voltar, a decisão não foi fácil.

Às vezes, na vida, você precisa fazer uma escolha com base nas informações disponíveis, nos arredores e em seus sentimentos viscerais. Sabíamos que os distritos no Nepal estavam fechando e que muitas pessoas de Katmandu estavam voltando para a segurança das montanhas, e isso nos deu algum conforto. Com nossas decisões tomadas, continuamos em frente. 

Estávamos vivendo uma situação estranha: ao mesmo tempo em que realizávamos nosso sonho caminhando até o acampamento base do Everest, estávamos dentro de um ambiente desconhecido e estressante. E assim continuamos, mantendo nosso plano original.


Assim que deixamos Ringmu e conseguimos vencer nossa primeira subida íngreme sobre a passagem de Taksindu, sabíamos que estávamos no caminho certo e de volta aos trilhos. Nosso objetivo era caminhar de 3 a 6 horas por dia, querendo ir devagar, de um jeito agradável para todos nós. 

Passamos muito tempo caminhando ao ar livre na Escócia; mas é uma cena diferente quando você está carregando toda a sua própria bagagem por horas a fio, dia após dia. Além disso, ainda não tínhamos certeza se conseguiríamos realmente administrar toda a jornada, pois esta era nossa primeira grande empreitada nas montanhas como uma família. Com isso em mente, o plano era incluir dias de caminhadas curtas e muitos dias de descanso, embora logo percebêssemos que é quase impossível ter dias de caminhadas "curtas" no Himalaia!

Na manhã seguinte, após uma noite de descanso em Nunthala, começamos nossa jornada em direção a Bupsa e adiante para Paiya durante alguns dias. Munidos de mochilas, protetor solar, água e bengalas, partimos para a trilha. Fomos devagar e sempre com várias paradas para descanso ao longo do caminho, aproveitando ao máximo as casas de chá na rota e o chá quente e doce. As mulas de carga tornaram os caminhos muito úmidos e enlameados, o que aumentou nossos desafios e o tempo de caminhada.

Éramos recebidos calorosamente por todos os nossos anfitriões de casas de chá ao longo do percurso. Na verdade, tínhamos até amizades em comum em Aberdeen, na Escócia, o que foi extremamente reconfortante durante aqueles dias iniciais e incertos da pandemia. Saber que você tem esse fator em comum foi um grande alívio, e fomos pessoalmente convidados a nos hospedar em Paiya, se não pudéssemos continuar nossa jornada - uma oferta muito generosa, mas estávamos ansiosos para continuar.

Passamos por poucos turistas depois de Paiya, e aqueles por quem passamos estavam indo na direção de Katmandu antes que o transporte terrestre parasse ou caminhando para Lukla para voar de volta para casa. Pegando fragmentos de informações ao longo do caminho, ouvimos que a Europa foi muito afetada e que o vírus estava se espalhando rapidamente, causando destruição total ao longo do caminho.

Foi só quando chegamos a Pakhepani que fomos informados de que o lockdown havia chegado oficialmente ao Nepal e os voos repatriados já estavam saindo de Lukla. É aqui que nossa história de lockdown e nossos 3 meses em Lukla começam.


Fatores a serem considerados para segurança no Himalaia são normalmente o clima e sua própria saúde, e agora também tínhamos que lidar com o Corona, um fator indesejado. Neste ponto de nossa jornada, deveríamos estar em Surke e caminhando em direção a Namche Bazaar. No entanto, aqui estávamos nós em Pakhepani.

Tínhamos conseguido completar apenas 7 dias de caminhada quando o lockdown chegou em março. Estávamos todos de bom humor e descobrimos que estávamos no lugar certo na hora certa. Passamos 9 noites com Pemba Sherpa e sua família, uma família feliz e gentil com muitas histórias de montanha. 

O ar frio da manhã nas montanhas era refrescante em março e as vistas simplesmente de tirar o fôlego. Passávamos o tempo facilmente lá, construindo um chuveiro ao ar livre, fazendo ioga e entrando em contato com a família na Escócia para avisar que estávamos bem e em segurança. 

Também éramos notícia no Reino Unido, como uma "família escocesa presa no Nepal", o que foi muito divertido.


A vida nas montanhas tem um ritmo e um estilo muito próprios. Essa foi uma lição que logo abraçaríamos nos meses seguintes. Neste ponto, estávamos todos bastante familiarizados com as casas de chá e como o conforto e as instalações podiam variar de uma casa de chá para outra. Muitos cortes de energia, sem Wi-Fi, conectividade móvel limitada e um menu básico de Dal Bhat, um prato nepalês de arroz, lentilhas e curry de vegetais, ótima opção quando você está com fome, pois pode comer o quanto quiser. 

Por causa do lockdown, o menu era ainda mais limitado do que o normal - para não perder o costume, a Erihn era persistente nos seus pedidos diários de torradas ou quaisquer itens de padaria! Todos nós tínhamos que esperar pacientemente pela comida que ansiávamos comer, sem imaginar, naquele momento, que a nossa aventura nas montanhas duraria 133 dias!

Foi em Pakhepani que conhecemos nosso guia de montanha Kevin Rai e Bruce, um companheiro de trekking da Austrália. Esses dois homens se tornariam nossos parceiros e amigos de confinamento. Como grupo, tomamos muitas decisões em relação à nossa situação de lockdown. Por razões de sanidade mental, decidimos nos mudar para Lukla, principalmente porque precisávamos de mais espaço para as crianças e um pouco mais de estrutura. O 'Dia da Mentira' (1º de abril) chegou e passou, e caminhamos até Lukla para os próximos três meses de isolamento.

Nas montanhas, você está à mercê da natureza e da força da sua mente, corpo e espírito. Para dizer a verdade, este período particular da nossa jornada teve seus desafios. Passamos semana após semana, mês após mês de lockdown, que se estendia sem uma luz no fim do túnel. Naquela época, éramos os únicos turistas que haviam sobrado em toda a região, e até mesmo nosso amigo australiano Bruce pegou um helicóptero particular para Katmandu e um voo de repatriação para casa. 

No entanto, estávamos seguros e extremamente bem cuidados por nosso anfitrião Dhanku Rai, que saiu do seu caminho para atender a todas as nossas necessidades. Até a comunidade de Lukla sabia quem éramos e a nossa história.


O menu limitado e nos mantermos aquecidos foi difícil no início, e os problemas alimentares acabaram afetando nossa saúde, o que resultou em muitos dias doentes, perda de peso e baixos níveis de energia - situação não ideal quando você está planejando caminhar até o acampamento base do Everest. Porém, gostamos de nos lembrar que foi uma ótima aclimatação - tudo tem o seu lado positivo!

Para não desanimar, mantivemos uma mentalidade positiva e nunca perdemos o foco em alcançar o EBC. Olhando para trás, tenho certeza de que nossa família e amigos pensaram que estávamos delirando. No entanto, esse foco nos manteve motivados e nunca tiramos nossos olhos do sonho de seguir os passos de Sir Edmund Hillary até o Everest.

Finalmente julho chegou e o lockdown terminou. Vimos uma oportunidade de caminhar dentro do distrito e nós, principalmente Kevin Rai, agarramos essa oportunidade com as duas mãos e iniciamos o diálogo/papelada com as autoridades. Ansioso para caminhar, Kevin ficou encantado em se juntar à nossa pequena expedição, assim como nosso novo amigo Dhanku Rai, gerente de nossa casa de chá. 

Assim, passamos de uma família fazendo um trekking independente para uma pequena expedição de lockdown. Ficamos felizes com o apoio, afinal, nossos níveis de energia estavam mais baixos do que esperávamos, então precisávamos, de forma realista, dessa ajuda extra. Nossa persistência e mentalidade positiva valeram a pena e pudemos começar a colocar nossos planos em ação.

Obter permissão para caminhar até o EBC durante a fase um do lockdown não foi um processo simples - demorou muitos dias, ligações e reuniões. Não só precisávamos de permissão para caminhar até o Parque Nacional Sargamatha (incluindo os passes necessários) de todas as diferentes autoridades, mas também precisávamos da confirmação de que as casas de chá estariam abertas e felizes em receber uma família estrangeira.

Foi aí que o conhecimento local foi pertinente para o nosso sucesso. Sem o conhecimento local de Kevin, sua determinação absoluta e seus contatos como guia, não teríamos conseguido fazer esta jornada. Incrivelmente, muitas casas de chá ao longo do caminho abriram especialmente para nós! Ainda não conseguimos acreditar na gentileza demonstrada por nós do início ao fim em nossa aventura no Himalaia. O povo Sherpa se esforçando para tornar nossa jornada possível, mas, o mais importante, eles tornaram nossa viagem completamente memorável por meio de sua generosidade e bondade.

Depois de 90 dias nas montanhas, começamos nossa jornada até o Everest Base Camp - finalmente estava acontecendo. Tínhamos planejado todos os dias, todos os dias de descanso e estávamos ansiosos por uma mudança de cenário. Tínhamos que nos beliscar para acreditar que nossa jornada estava realmente começando. 

Seguimos o rio Dhudh Kosi, testemunhamos a mudança do terreno e caminhamos por pequenos povoados. Muitos moradores locais curiosos para nos ver, inicialmente preocupados, até que nossos amigos colocaram suas preocupações de lado e explicaram nossa situação. Esta foi uma conversa comum ao longo de toda a caminhada, e totalmente compreensível.

Nosso guia Kevin levava seu trabalho a sério e fornecia as informações de segurança diárias necessárias. Juntos, planejamos nossa programação diária com base nos níveis de energia de todos e no clima. A doença perseguiu a Julie, o que colocou um amortecedor inicial nos primeiros dias da caminhada.
No entanto, o Himalaia tem um efeito; você come, dorme e respira as montanhas, e isso lhe dá uma força interior. É uma coisa difícil de se colocar em palavras, pois parece quase espiritual, e apenas experimentado pessoalmente para entender. 
A trilha é flanqueada por rododendros, o ar denso com o cheiro da vegetação da montanha, enormes pedras mani e grandes rochedos com inscrições budistas esculpidas na rocha dominam partes da trilha.

Os dias são longos, as condições meteorológicas podem mudar rapidamente e tínhamos duas pessoas pequenas para considerar a cada passo. O mal da montanha, devido à altitude, era uma preocupação real, então explicamos cuidadosamente os sinais e sintomas do AMS para ambas as crianças e as alertamos sobre os perigos reais. Havíamos planejado muitos dias de descanso para nos aclimatar ao longo do caminho e nosso ritmo era muito lento, o que definitivamente ajudou a todos nós.

Trilha ao Everest Base Camp

O que mais nos impressionou foi o isolamento total. Depois de deixar Lukla e seguir para a cidade montanhosa de Namche Bazar (3.440m) no Solukhumbu, passamos apenas por alguns aldeões ao longo do caminho. Esta rota icônica normalmente está sempre repleta de trekkers, carregadores e iaques carregando cargas pesadas. No entanto, aqui estávamos nós sozinhos na trilha, sem vivalma à vista. A colorida cidade de Namche Bazar era como uma cidade fantasma, quase tudo estava fechado; cafés, casas de chá, bares, lojas e restaurantes. Sem buzz, sem negócios, sem turistas.

Nos dias seguintes, a Julie continuou a melhorar lentamente, problemas gástricos são comuns aqui no Nepal e, em algum momento, você provavelmente ficará doente. O importante é se manter seguro e se adaptar a essas situações. A última coisa que queríamos depois de todo esse tempo era uma doença grave - com isso em mente, continuamos em um ritmo lento e seguro.

Nossos dias normalmente começavam às 6hs da manhã, tomávamos mingau e chá doce encomendados na noite anterior e logo partíamos. Era uma rotina à qual nos adaptamos muito rapidamente. Nosso objetivo era uma tarefa gigantesca para um adulto, quanto mais para crianças pequenas. Tudo nesta viagem girou em torno das crianças, alimentando-as, mantendo-as seguras e bem hidratadas. 
Rapidamente percebemos que as crianças são caminhantes resistentes e nativas. Elas se sentem confortáveis ​​ao ar livre, afinal, este é o seu playground. Com o incentivo e a liberdade certos, elas podem alcançar quase tudo.
E aí você coloca pontes suspensas de metal na receita e observa a resposta das crianças! 18 cruzamentos no total e, felizmente, um sucesso geral. A favorita foi a ponte suspensa dupla Edmund Hillary, uma ponte ridiculamente alta, que se eleva acima das corredeiras do rio Dhudh Kosi. Como pais, ficamos maravilhados que as crianças viram essas travessias como um ponto alto na caminhada e gostaram muito de todas as travessias. 

Para qualquer trekker experiente do Himalaia, familiarizado com as trilhas e pontes movimentadas, iaques e pessoas passando, nossa experiência foi exatamente o oposto. Não tínhamos nada disso, tínhamos espaço nas trilhas, nenhum trekker, carregador ou iaque à vista.


Continuamos a ser impressionados por todos os nossos anfitriões abrindo suas casas e negócios apenas para nós. Tiramos mais um dia de descanso em Dingboche (4.410m) para nos aclimatar e livrar-nos dos contínuos problemas gástricos! Os telhados coloridos deram-nos as boas-vindas à medida que nos aproximávamos, mas a cidade inteira estava fechada, exceto uma casa de chá que se abriu especialmente para nós; um tema comum durante nossa caminhada. Um interesse genuíno pelas crianças e mais uma vez fomos recebidos de braços abertos, ficamos muito gratos por essa gentileza. 
Crianças estrangeiras não são uma visão comum nesta jornada, e vimos em primeira mão como o povo Sherpa é aberto às famílias ao nos receber durante esses tempos difíceis e incertos. Quando saímos da casa de chá, as crianças foram presenteadas com saquinhos de guloseimas para sua jornada e seus rostinhos iluminaram-se de pura alegria e apreço.
As vistas ficaram mais dramáticas, as condições de caminhada tornaram-se mais difíceis, o ritmo ficou mais lento e a respiração tornou-se mais difícil. Vislumbramos nossa primeira vista do Everest e nos beliscamos que estávamos realmente nesta trilha incrível. Para acompanhar esta visão, o Ama Dablam e o Nuptse estavam espiando por entre as nuvens, abutres do Himalaia voavam alto e cabras da montanha nos observavam de longe. Sempre à procura de um panda vermelho ou de um leopardo da neve, infelizmente o nosso barulho provavelmente os assustou! 

Parávamos com frequência para tomar chá doce e biscoitos, para descansar nossos corpos cansados, no entanto, ao contrário da temporada normal de caminhadas, éramos limitados pelo número de casas de chá abertas, às vezes tornando nossos dias mais longos do que desejávamos. Muitos edifícios estavam fechados por toda a temporada. Seus proprietários estavam em Katmandu ou em outras partes do país, para permanecerem em segurança durante o lockdown.

Estávamos ganhando altura quando chegamos ao povoado de Lobuche (5.010m) - você realmente podia sentir isso em seu corpo, e mais frio quanto mais subíamos, sentindo-nos gratos por não termos feito essa caminhada nos meses mais frios. Os arbustos de zimbro começaram a desaparecer e o terreno mudou para uma paisagem mais árida, com paleta de cores limitada. Os nossos dias não eram planejados pela distância, mas pelo número de horas percorridas. Planejávamos quantas horas de caminhada entre as paradas em casas de chá e um pouco de suborno era necessário para empurrar e encorajar as crianças nesse ponto - normalmente chocolate ou uma garrafa de suco.

Os Himalaias fazem você se sentir tão pequeno e insignificante com suas amplas vistas panorâmicas de 360​​°. É uma existência difícil nos pequenos assentamentos localizados em direção ao acampamento base do Everest. Tudo é um trabalho árduo, desde trazer suprimentos até o oxigênio limitado!
Surpreendentemente, as crianças ainda tinham energia sobrando no final da maioria dos dias de caminhada e saltavam, giravam e rodopiavam no caminho através das casas de chá, até que apagavam no início da noite e dormiam até o nosso alarme tocar na manhã seguinte. 
Um dos locais favoritos do Jacob nas casas de chá era definitivamente a cozinha. Nós o encontrávamos sentado em um banquinho, observando diligentemente enquanto a comida era preparada. Como um passarinho, ele era alimentado com pequenos pedaços de queijo, e sentia-se em casa. A comida agora era vista como combustível para alimentar nossos dias, muito pouco prazer advinha dela. Depois de meses nas montanhas, estávamos realmente fartos de Dal Bhat e passávamos muitas horas conversando e sonhando com a comida de casa.

Agora estávamos a apenas alguns dias de alcançar nosso sonho - chegar ao EBC. As vistas se tornaram ainda mais dramáticas (entre as nuvens envolvendo as montanhas), enquanto os enormes gigantes do Himalaia se erguiam de cada lado de nós. Seguimos em frente devagar, saudados por um panorama de picos de montanhas e nosso primeiro vislumbre de uma geleira. 

O campo de pedras antes de Gorak Shep (o último assentamento de montanha antes do EBC) nos atrasou, mas abordamos este desafio lenta e continuamente. O caminho estava sempre mudando enquanto circunavegávamos as pedras e ouvíamos pedras rolando ao longe e o seu barulho ecoando pelo vale. Muito impressionante, mas ligeiramente enervante. A essa altura, o vento estava mais forte, as nuvens grudavam nas montanhas, e torcíamos para terminar nossos dias de caminhada antes que a chuva chegasse.


A elevação de Gorak Shep fica em torno de 5.189m. Isso proporcionou pouco sono para o Kris, que teve uma noite desconfortável e só conseguiu dormir algumas horas. Nosso alarme estava definido para despertar as 4hs da manhã para subir o Kala Patthar (5.644m), uma colina que proporciona o melhor miradouro do Everest Bace Camp e dos picos circundantes. Como fomos recebidos com nuvens e chuva, cancelamos a caminhada e voltamos felizes para a cama. 

Todos nós fizemos testes frequentes de oxigênio e frequência cardíaca, e felizmente nossa pequena equipe ainda estava forte e boa para continuar. Vistas desobstruídas do Everest tinham nos iludido até este ponto, por isso estávamos esperando uma pausa no tempo nublado, afinal, tínhamos esperado bastante e queríamos no mínimo um dia claro, ou pelo menos algumas horas!

Saindo de Gorak Shep, a escala impressionante de onde estávamos tornou-se aparente, estávamos realmente caminhando na trilha dos nossos heróis da montanha, tantas histórias, tantas expedições antes de nós. Caminhando hesitantes em direção ao nosso objetivo, era impossível não sorrir, cercados por nada além de montanhas e terrenos extremos ao nosso redor. 

Nossa camaradagem familiar nos empurrou através de um outro campo de pedras em uma caminhada lenta e constante, nossa respiração tensa - não era tecnicamente difícil, mas, ainda assim, um desafio.

Você não pode ir para o Himalaia e não acampar sob os picos nevados do Himalaia. Então, pegamos emprestadas algumas barracas e surpreendemos as crianças acampando acima da cascata de gelo do Khumbu (como é uma geleira em constante movimento, não acampamos na geleira). Ver essa vista vasta e impressionante com nossos próprios olhos deixou todos nós extremamente impressionados. 

Nossa refeição noturna consistia em macarrão com atum e infindáveis ​​xícaras de chá quente e doce de menta. Tínhamos o lugar todo só para nós, sem outra pessoa à vista, e adoramos cada segundo. Dhanku e Jacob tocavam seus apitos, enquanto nos sentávamos do lado de fora de nossas barracas, enrolados contra o vento frio em nossas jaquetas, e ouvíamos a acústica de pedras caindo ao longe no vale. Os adultos tiveram pouco sono naquela noite - não surpreendentemente, as crianças dormiram durante toda a noite, e se levantaram felizes da vida na manhã seguinte.


Espreitando para o lado de fora da nossa barraca, esperávamos ter uma visão desimpedida das montanhas, mas, como acontecia nos últimos 5 dias, foi um céu cinzento e nublado que nos saudou. Arrumamos nosso equipamento e começamos nosso caminho, animados porque um dia que pensávamos que nunca chegaria tinha finalmente chegado. 

Pisar hesitantemente na geleira foi surreal e bastante enervante, mas continuamos andando até que apareceu a icônica pedra pintada com spray vermelho que indicava que havíamos alcançado nosso objetivo, finalmente chegamos ao acampamento base do Everest, a 5.364m!

Enquanto nos sentamos empoleirados em uma rocha, olhando para as bandeiras de oração coloridas e vários itens sentimentais, como cartas e bugigangas deixadas por outros trekkers marcando suas próprias grandes conquistas, milagrosamente as nuvens que estavam pairando por dias começaram a se dissipar e, lentamente, todo o panorama estava se abrindo bem diante de nossos olhos. 
Como um filme ou um milagre da vida real, estávamos sendo presenteados com um assento VIP na primeira fila. Depois de todas as provações e tribulações para chegar a este ponto, finalmente estávamos aqui. Nossa jornada foi desafiadora, mas, principalmente, gratificante, uma experiência especial e excepcional em família. 
Por duas horas maravilhosas, ficamos sentados na presença dessas montanhas imponentes e demoramos tentando processar o que tínhamos feito e pelo que passamos - nos sentimos verdadeiramente impressionados pela beleza ao nosso redor. Foi inebriante e intoxicante este momento em que paramos e simplesmente nos lembramos de onde estávamos e o que havíamos alcançado. 

Como uma família escocesa, só havia uma coisa a fazer: brindamos à nossa conquista com uma pequena dose de uísque de casa e nos sentamos, apreciando o ambiente deste lugar muito especial, cientes de que este era um momento que todos nós olharemos para trás no futuro e prezaremos pelo resto de nossas vidas.


Depois de uma jornada tão épica e bem-sucedida, ainda tínhamos um pouco de energia (ou estupidez) no tanque. Então, em vez de descer pelo mesmo caminho, decidimos ir ainda mais longe e adicionamos uma trilha lateral aos Lagos Gokyo (5.000m), acrescentando mais 8 dias à nossa trilha. 

Neste ponto, estávamos ficando sem dinheiro, o que restringia o número de dias que poderíamos continuar - sem caixas eletrônicos nas proximidades, nossos amigos nepaleses vieram em nosso resgate novamente. Sem hesitação, planos foram colocados em ação e dinheiro foi coletado de conhecidos, familiares e amigos e, antes que percebêssemos, tínhamos dinheiro suficiente para levar todos nós a Gokyo e de volta a Lukla. 

Mais uma vez, a generosidade e a bondade brilhando de pessoas que nem mesmo nos conheciam; todo o dinheiro foi reembolsado com gratidão assim que tivemos acesso a um banco pela internet em Namche! 

A alegria da tecnologia.


Não queríamos que as crianças atravessassem uma das três passagens, muito cansativas e difíceis, então optamos por ir pela vila de Phortse e subir por Machermo. De volta ao terreno montanhoso colorido e gramado, mas o clima estava mudando e agora estávamos experimentando não apenas longos dias de caminhada, mas também longos dias de caminhada chuvosa. 

Nesse ponto, estávamos definitivamente mostrando sinais de cansaço, então outro dia de descanso foi necessário quando chegamos a Gokyo (4.800m). Os marcos de pedra nos levaram, ao longo de três lindos lagos reluzentes, até a aldeia Gokyo. Flores amarelas e roxas ladeavam o caminho e pequenos patinhos brincavam alegremente no primeiro lago, enquanto as nuvens baixas emolduravam os dramáticos picos cinzentos recortados que se elevavam acima do Lago Gokyo (Dudh Pokhari). 

Nossa casa de chá ficava bem perto do lago e nossos anfitriões graciosamente abriram a casa de chá só para nós. Durante o chá com leite doce, explicamos nossa história e eles ouviram atentamente como foi o lockdown e a nossa jornada para o EBC e agora para Gokyo. Eles ficaram genuinamente surpresos e maravilhados com o fato de as crianças terem conseguido um feito tão grande, assim como nós estávamos encantados também. 

Kris e Kevin se levantaram antes do raiar do dia e embarcaram na subida íngreme até o Gokyo Ri (5.357m). Depois de uma subida árdua de 2hs, eles foram recebidos por um céu claro e vistas panorâmicas perfeitas pela primeira vez em toda a viagem. Eles passaram quase 2hs testemunhando a verdadeira escala do Monte Everest em comparação com os outros picos de 8.000m, como Lhotse, Makalu, Cho Oyu, a Geleira Ngozumpa; e uma vista maravilhosa do terceiro Lago Gokyo.



Depois de passar muitos dias a mais de 4.000m de altitude e sem tomar banho por mais de 10 dias, era hora de voltarmos para Namche Bazar para um banho quente e lavar nossas roupas. Nossa jornada estava chegando ao fim e agora era hora de voltar para Lukla e começar a planejar nossa jornada para fora das montanhas. Estávamos bastante esgotados neste ponto, havíamos perdido 19Kg entre nós adultos, muitos meses nas montanhas tinham afetado nossas mentes e nossos corpos, e agora tínhamos que agir e mudar nosso ambiente.

Normalmente seria um vôo direto de 30 minutos de Lukla de volta a Kathmandu, no entanto, sem vôos domésticos e viagens restritas entre os distritos, este era o nosso maior e final desafio, que resultou em uma infinidade de papelada, uma caminhada extenuante de 5 dias em condições adversas de monções (sem esquecer as sanguessugas), e um passeio de jipe ​​de 13 horas de Salleri a Katmandu. Mas essa já é outra história!

Nossa caminhada de 45 dias e 240Km, e um total de 133 dias passados ​​nas montanhas, foi uma experiência única na vida. Foi épico, foi desafiador e, às vezes, difícil, mas também foi memorável pelas paisagens deslumbrantes. Em março, não sabíamos o desfecho dessa história e não sabíamos que nossas escolhas eram as corretas quando partimos de Ringmu. No entanto, o povo nepalês tornou essa experiência incrível, sua generosidade e gentileza foram surpreendentes. Dos donos das casas de chá aos nossos novos amigos, que abriram suas casas e seus corações para a nossa família. Sem o apoio implacável deles durante toda a nossa viagem, não teríamos alcançado nosso sonho, e agora mantemos esses relacionamentos em nossos corações. 
Viemos em busca de aventura, mas conseguimos muito mais, mostramos em primeira mão aos nossos filhos como este país é bonito. Não se tratava apenas de chegar ao acampamento base do Everest, esta jornada foi muito mais do que isso. Tratava-se de mostrar aos nossos filhos aventuras reais, pessoas reais, dificuldades reais nas montanhas; tratava-se de construir relacionamentos e fazer conexões muito especiais. Viemos para alcançar o acampamento base do Everest e partimos com uma vida inteira de memórias e um profundo apreço pelo Himalaia e seu povo.
Nós viajamos para apresentar aos nossos filhos aventuras, novas experiências e mostrar-lhes que eles podem alcançar tudo o que quiserem, se quiserem e se esforçarem para isso. Nosso tempo nos Himalaias ensinou a ambos - suportando dificuldades - novas habilidades para a vida, a viver com menos, ultrapassando seus limites, e eles saíram do outro lado tendo feito isso em seus passos e se tornando indivíduos mais fortes e confiantes no processo. O Nepal e seu povo ajudaram a moldar a vida de nossos filhos e seremos eternamente gratos por isso. Estamos muito orgulhosos do que eles conquistaram e nos consideramos muito afortunados por poder passar esse tempo com eles. 
Aprendemos que as crianças são muito mais resilientes e adaptáveis ​​do que a maioria dos adultos e, quando se trata de aventura, eles certamente tornam tudo melhor, e não são razão para nos inibir!
Agora vamos entrar em contato com o Guinness World Records, já que o Jacob quer falar com eles!


Share

Claudia Rodrigues Pegoraro

Comente este Post:

0 comentários: