2 de março de 2015

roteiro e orçamento de viagem de carro de 21 dias do RS até o Deserto do Atacama (norte da Argentina e Chile), pela Marisa

No ano passado, a Marisa, mãe do fofo do Pedro, um grande viajante de 5 anos, fez uma viagem de carro com a família do Rio Grande do Sul até Ushuaia, quando rodaram 13mil+Km em 30 dias, e ela nos contou tudo aqui no blog, inclusive com o orçamento da viagem (muito importante!). 

Desta vez, a família rumou para o lado oposto, até o Deserto do Atacama, numa roadtrip de 21 dias e 8440Km: como destinos, o norte da Argentina e o Chile, uma viagem que nós queremos muito fazer há tempos!

Como a Marisa já é 'sócia' aqui do blog, o relato veio rápido e certeiro, com informações fresquíssimas para quem está planejando uma viagem parecida, inclusive sobre as condições das estradas e os custos envolvidos - uma ótima idéia nestes tempos de U$ a 3!!! 

A Argentina e o Chile ficam aqui pertinho e estão baratos, aproveite!


Obrigada, Marisa, por este post lindo - mais uma vez ficamos babando na tua viagem! 

Vida longa ao pequeno viajante Pedro!

Com a palavra, Marisa Bertoldo:

"Relato da nossa viagem de carro desde Santa Maria, RS, pelo norte da Argentina e Chile: 21 dias, 8.440Km rodados.

Esta roadtrip foi inspirada na viagem da Rosângela e do Alexandre do site Viajando de Carro, realizada entre 12/09 e 01/10 (imprimi o relato e relia direto, meu livro de cabeceira, rsrsrsrs). Muito obrigada, amigos da estrada!

Fomos eu (Marisa), meu marido o Paulo, o filho dele com a namorada e o Pedro, nosso filho de 5 anos (5 pessoas).

Acessórios usados no nosso carro (uma Renault Duster 4x4): uma geladeira portátil, um inversor e um aquecedor, tudo de 12 volts. 


Roteiro

Santa Maria – São Borja – Virasoro – Ituzaingo – Corrientes – Resistencia – Presidencia Roque Sáenz Peña (1 nt) – Salta (1 nt) – Cachi (1 nt) – Molinos  Cafayate (1 nt) – Salta (1 nt) Santa Rosa de Tastil  San Antonio de Los Cobres – Purmamarca – Maimara (2 nts) – Tilcara – Humahuaca – Susques – PASO DE JAMA – San Pedro de Atacama (4 nts) – Iquique (3 nts) – Tocopilla (1 nt) – Antofagasta – Chañaral – Copiapo (1 nt) – PASO SAN FRANCISCO – Fiambalá (1 nt) – Belén – Antofagasta de La Sierra (1 nt) – Tafí del Valle (2 nts) – Acheral – Famaillá – Termas de Rio Hondo – Santiago del Estero – Suncho Corral – Quimili – Presidencia Roque Sáenz Peña ( 1 nt) – Santa Maria.

Gastos

Trocamos R$ por pesos argentinos na casa de câmbio da aduana de Santo Tomé (1 R$ = 0.23 PA), levamos US$ e cambiamos R$ por pesos chilenos em San Pedro de Atacama (1 R$ = 215 PC). 

Usamos uma vez o cartão de crédito na Argentina e, realmente, não vale a pena! No Chile, a diferença é mínima, mas muitos locais não aceitam cartão! 

Acho legal colocar os gastos no nosso relato para desmistificar o fato de que precisa ter muito dinheiro para viajar, tudo é uma questão de prioridades. 

Estes valores de hospedagem e combustível dão uma idéia, mas os gastos são muito pessoais. 

 Nós priorizamos passeios - as hospedagens variaram: ficamos em hotel 4 estrelas, apart hotel, hostel, cabañas, hosteria, apartamento...até saímos de um hostel, depois de instalados, em Tafí del Valle, porque não dava! Era terrível, e olha que a gente é sem frescura! 

Hospedagens para 5 pessoas: Total = R$ 4.650,23 (R$ 44,28/pessoa/dia). 

Fizemos somente a reserva do 1° dia da viagem, depois tínhamos algumas indicações em cada lugar, principalmente a localização em cidades maiores como Salta e Iquique. 

Novamente preferimos hospedagens com cozinha, porque isto diminui muito o custo com alimentação. 

Combustível (gasolina no BR ou "nafta super" na AR ou "93" no CH): R$ 1.850,43 (talvez eu tenha esquecido algum abastecimento).

# Este relato não tem patrocínios - todas as informações são pessoais, com o objetivo de ajudar futuros viajantes.


Vimos muitas vicunhas, lhamas, burros, flamingos, sorros, guanacos, águias e pelicanos, entre outros.

Relato diário

01/02/15 – 

Estradas em ótimo estado. 

Sem filas e revistas na imigração de Santo Tomé, tudo muito rápido. 

IMPORTANTE: para quem não vai com passaporte, carimbar a entrada na AR num formulário que depois será solicitado nos pasos, sem isto tem que pagar 100 PA para poder voltar à AR depois do CH. 

Depois de 898Km, o Hotel Atrium Gualok, San Martin 1198, em P. R. Sáenz Peña, foi um oásis, com uma piscina termal maravilhosa. 

Valor: 1.240 PA = R$ 285,20 (preço ótimo para um hotel 4 estrelas).

02/02 – 

Trechos de estrada com muitos buracos. 

Próximo a Monte Quemado um parafuso “rasgou” um pneu, e seguimos até Salta sem estepe.

Ficamos no Backpacker’s Home, da rede HI, e achamos ruim: sem estacionamento, sujo, mal conservado, suítes minúsculas, mas a recepção foi bem prestativa. 

Em Salta tudo fecha das 12h às 16h, é a hora da siesta deles, e depois fica aberto até às 20h.

Fomos caminhando até a Plaza 9 de Julio, Iglesia San Francisco...super movimentado por ali.

03/02 – 

Pela manhã fomos comprar outro pneu e consertar o aro - muito legal o pessoal: nos emprestaram uma roda para podermos seguir os passeios, já que precisavam ficar com o aro para o conserto. 

Seguimos até Cachi, a idéia era ir até Cafayate, mas não deu porque saímos tarde e no caminho, lindo, paramos para muitas fotos. 

Passamos pela Cuesta del Obispo e o Parque Nacional Los Cardones

Ficamos no Hostal de las Tinajas, BBB. 

Adoramos Cachi, à noite é um charme.


 lindo caminho entre Salta e Cachi, foto na Cuesta del Obispo


Praça de Cachi, com pracinha para o Pedro brincar, lojinhas de artesanato, mini mercados onde tem folhas de coca para comprar, restaurantes, cafeterias...uma graça!

04/02  

Fomos para Cafayate pela ruta 40 - são 157Km de rípio em péssimo estado. 

Paramos em Molinos para almoçar, gostamos. 

Seguimos, passando pela Quebrada de Las Flechas - a estrada é deserta e bem cansativa.

Cafayate é uma cidade turística, esperávamos algo mais pequeno. Foi difícil encontrar hospedagem, acabamos ficando no Hostal Cabañitas del Suri hospedajedelsuri@hotmail.com, com estacionamento e cozinha compartilhada.

05/02 – 

Voltamos para Salta, trocamos a roda e fomos procurar acomodação - desta vez tivemos sorte: encontramos um ótimo apart hotel: Apartho Deán Funes.


Los Colorados, na Reserva Natural Quebrada de las Conchas. Cardón, cactus gigante.

06/02 – 

Pela manhã fomos ao Cerro San Bernardo - uns subiram de teleférico e outros de carro, e de lá seguimos para San Antonio de los Cobres, via ruta 51. 

Nós sempre verificávamos as condições das rutas com a policia caminera, principalmente as de rípio. 

Esta é a época das chuvas e podem ocorrer desabamentos que interrompem as vias.

Almoçamos num povoado chamado Santa Rosa de Tastil a 3110 msnm, adoramos o lugar.

Depois passamos por Abra Blanca, San Antonio de Los Cobres, viaduto La Polvorilla (achamos muito sem graça), e pegamos a RN 40, aqui com rípio cheio de “costeletas”. 

Encontramos a RN 52 e seguimos para Purmamarca - a idéia era nos hospedarmos ali, mas os preços estavam abusivos, a cidade é linda e muito lotada. 

Fomos até Maimará e conseguimos um ótimo local para ficar: o Hostal La Posta de Gerard, com vista para a Paleta del Pintor.


Abra Blanca, 4.050 msnm

07/02 – 

Dia de descansar um pouco, lavar roupas, e comemorar o aniversário do Paulo! 

Passeamos e almoçamos em Tilcara, fomos na Garganta del Diablo e depois até Humahuaca

Não pudemos ir até Iruya porque tinha chovido muito e os rios estavam com correnteza forte.


Garganta del Diablo em Tilcara

08/02 – 

Dia de ir para o Chile, paisagens lindas por toda estrada. Passamos pela Cuesta del Lipan, Salinas Grandes... 

Chegamos na imigração às 11hs, agora tem um posto YPF ali, mas pode não ter combustível! 

A aduana chilena se integrou com a argentina e tudo é feito no mesmo local (antes só se fazia a entrada no Chile em San Pedro de Atacama). 

Havia nevado no dia anterior e o paso ficou fechado das 19h às 8h - isto causou muito atraso e ficamos umas 3hs esperando para cruzar a fronteira. 

Nas maiores altitudes, 4.600 msnm, o carro perdeu um pouco de potência mas não falhou. Nós sentimos uma leve dor de cabeça, o Pedro nada! 

Finalmente chegamos em San Pedro de Atacama...e iniciou a nossa procura por hospedagem. 

A cidade estava cheia, muitos hostels com plaquinhas “FULL”, vimos pessoas de várias partes do mundo. 

Resolvemos ficar 3Km fora do centro, nas cabañas Atacama Mistica, pagamos US$ 95/dia, preço bom porque lá é tudo bem caro! Contato: tours.tierramistica@gmail.es.


Cuesta del Lipan


Salinas Grandes


no Chile, dirigindo a 4.600 msnm!

09/02 – 

Pela manhã fomos na cidade, na SENATUR, pegar mapas e informações sobre os passeios por conta própria, e nos disseram que as Piedras Rojas eram no Salar de Talar

De tarde saímos à procura das ditas piedras. Tem que ir pela RN 23 em direção a Toconao, passar por Socaire e 25Km depois do fim do pavimento tem uma placa dizendo Aguas Calientes - ali são as Piedras Rojas!!!!! 

Descobrimos porque vimos um pessoal por lá em uma van de turismo. 

Na volta, fomos nas Lagunas Miscanti e Miñiques, que são as Lagunas Altiplânicas (estudantes com a carteira têm desconto nas entradas). 

Não deu tempo de ver o pôr do sol na Laguna Chaxa, então paramos em Toconao para o Pedro brincar na pracinha.


pracinha de Toconao, nova e com muitos brinquedos

Este caminho para as Piedras Rojas é o mesmo para o PASO SICO - encontramos algumas famílias argentinas, das regiões de Córdoba e Tucumán, que entraram no Chile por ali e iriam voltar pelo PASO JAMA, eles acharam o trajeto lindo, com lagunas, vulcões...na AR este caminho chega em San Antonio de Los Cobres

Claro que são muitos Kms de rípio, mas é uma opção para não passar pelo PASO SAN FRANCISCO ou para uma viagem de menos dias.


Piedras Rojas


Laguna Miscanti

10/02 – 

Fomos ao Valle de La Muerte e Valle de La Luna

De tarde seguimos novamente para Toconao e depois ao Salar de Atacama e Laguna Chaxa. Estes horários são o contrário dos da maioria das agências, e aí não tinha muita gente.


 Valle de La Muerte com o vulcão Licancabur ao fundo


Flamingos na Laguna Chaxa

11/02 – 

Acordamos às 6hs para visitar os Geysers del Tatio

Estávamos ansiosos por este dia e tínhamos medo de errar o caminho, já que ainda era escuro (amanhece às 7hs). 

Deu tudo certo: os 98Km de estrada (toda de rípio em bom estado) são bem sinalizados.

Chegamos lá próximo das 8hs, os geysers estavam ativos e tinha muita neblina. Fazia 0°C, e aos poucos o sol foi ficando mais forte, dissipou tudo e os geysers foram perdendo força. 

Dali seguimos até os pozos, que são piscinas naturais de água termal, muito quentinhas, uma delícia, não queríamos mais sair... 

O pessoal das agências vai embora cedo - alguns vão para as Termas de Puritama (nós não fomos porque achamos muito caro e resolvemos aproveitar o banho ali mesmo).

Ficamos só nós tomando banho. Adoramos!!! 

Na volta conhecemos o povoado de Machuca e a Quebrada de Guatín

No fim da tarde fomos até a Laguna Céjar, mas o guardaparque não nos deixou entrar porque a entrada era até as 17hs!!!!! 

Esta laguna é a mais próxima da cidade e nos disseram que ela estava sofrendo com a visitação em massa, aí os responsáveis pela área passaram a cobrar preços abusivos para diminuir a visitação, a SENATUR interviu e diminuiu o valor, mas nada estava definido ainda, tanto que não nos deixaram entrar!

Levamos o Pedro na pracinha de San Pedro e depois fomos andar pelo centrinho à noite, é uma loucura - muita gente andando de um lado para outro.

Esta é a época das chuvas por lá, o tour astronômico não estava ocorrendo em função das nuvens. 

Não achamos o ar tão seco, ninguém teve sangramento de nariz ou lábios. De dia era calor, mas bem agradável por causa do vento, e de noite esfriava um pouco. Usamos roupa mais pesada somente neste dia, nos outros um moleton resolvia.


Geysers El Tatio


piscina termal - a dica é já ir com a roupa de banho por baixo, para ter coragem na hora de entrar



pracinha de San Pedro de Atacama, nova e com brinquedos muito legais

12/02 – 

Deixamos San Pedro em direção a Iquique. Passamos por Calama, e depois entramos na RN 5, a Panamericana, que neste trecho não tem nada, nem postos, povoados, restaurantes...só as cidades fantasmas, ex oficinas salitreras. 

Chegamos em Humberstone mas não entramos, achamos muito estranho aquela cidade toda abandonada. 

Paramos em Pozo Almonte para o Pedro brincar em um parque de brinquedos municipal.

Iquique nos surpreendeu - na chegada, aquela imensa duna, e a cidade espremida na orla do Pacífico. 

Fomos ao Backpacker’s Hostel, mas não tinham vagas. Uma pena, pois o hostel pareceu ser muito bom, mas a recepcionista nos indicou um apartamento para alugar. 

Encontramos um perfeito, na Avda. Heroes de La Concepción, 2464, no edifício Miramar. Alugamos por 3 dias, total 150.000 PC.


pôr do sol em Iquique

13 e 14/02 – 

Não imaginávamos que fôssemos tomar banho de mar no Pacífico, pois a água é gelada, mas possível para um mergulho. 

Curtimos a praia e o Pedro aproveitou para correr e brincar. 

Tanto na praia Cavancha como na praia Brava existem ótimos parquinhos infantis. Estas 2 praias são ligadas por uma ciclovia muito legal (as bicicletas são emprestadas por 2hs, deixando um documento). 

Fomos na zona franca, mas não gostamos, não vale a pena.


praia Cavancha, Iquique


ciclovia na orla do Oceano Pacífico

15/02 – 

Saímos de Iquique em direção a Tocopilla via RN 1. 

Esta ruta é linda, toda costeando o Pacífico. 

Encontramos uma loberia, e conseguimos chegar bem perto dos lobos marinhos, as famílias estavam com filhotes, muito lindo. 

Resolvemos ficar em Tocopilla para ir no piscinão, mas não foi uma boa idéia: como era domingo, o lugar estava cheio, mas o Pedro adorou, claro! 

Jantamos um pescado delicioso no Mercado Municipal

Ficamos no Hotel Puerto Caliche, simples e bom. 


loberia na RN 1 entre Iquique e Tocopilla

16/02 – 

Continuamos na RN 1 até Antofagasta. A cidade é grande e tem poucas praias, só umas enseadinhas. 

Nos informamos e, a partir daí, a RN 1 estava com bloqueios, e o melhor para ir até Copiapó era pela RN 5. 

O trecho até Chañaral é pelo deserto, só tem o monumento Mano del Desierto como atração. 

Depois de Chañaral, a RN 5 passa a costear o Pacífico e, com as obras de duplicação até Caldera, o trânsito estava muito lento. 

Não fomos na Bahia Inglesa, mas parecia ser um lindo lugar. 

Em Copiapó ficamos no Hotel Los Girasoles, na rua O’Higgins, 350.


monumento natural La Portada, na entrada da cidade de Antofagasta, via RN 1 norte

17/02 – 

Saímos pela R 31 em direção ao PASO SAN FRANCISCO, ruta que é toda em rípio. 

Até a aduana chilena a estrada está em bom estado, mas depois, até a aduana argentina, fica quase intransitável! Este trecho é lindíssimo. 

Quando estávamos passando pela Laguna Verde, o carro começou a falhar, aumentou a temperatura, acendeu o alerta da injeção eletrônica e perdeu muita potência. Estávamos próximos aos 4.747 msnm e ventava muito - nestas condições, não adianta retirar o filtro de ar (por causa do vento), então desligamos o carro e esperamos um pouco. 

Não adiantou, o carro não deu mais a partida. Empurramos e ele pegou, aí fomos até a aduana argentina a 10-20Km/h! 

Também sentimos a altitude neste dia, talvez porque ficamos nervosos ou porque subimos direto, sem aclimatação. O Pedro ficou sonolento e nós com dor de cabeça. 

Na fronteira, o policial nos disse que isso é assim mesmo, que quando chegássemos em Fiambalá e abastecêssemos, os alertas se apagariam e o carro voltaria ao normal, e foi isso mesmo que aconteceu, ufa!!!! 

Conseguimos uma cabaña ao lado do único posto da cidade, muito barata: 400 PA. 

À noite, fomos nas Termas de Fiambalá, hora de relaxar. A entrada é até as 22hs  e a saída até meia-noite. 



muuuuito vento no Paso San Francisco, 4.747 msnm



vulcão Ojos del Salado, o mais alto do mundo, com 6.893m

18/02 – 

Queríamos um dia mais tranquilo, mas decidimos ir até Antofagasta de La Sierra

Em Belén, enquanto o Pedro brincava na pracinha no meio de uma tempestade de terra, passamos no escritório de informações turísticas para saber sobre as condições da estrada. Nos disseram que a estrada estava boa, imagina se não estivesse!!! 

Tinha chovido uns dias antes e, nos 28Km de rípio, depois de Villa Vil, às vezes não sabíamos nem para onde seguia a estrada, passamos por vários rios, era uma trilha! 

Depois de Peñon, o asfalto está cheio de buracos. Chegamos em Antofagasta no fim de mais um dia nada tranquilo! 

Ficamos em uma cabaña, Alma Gaucho - eles também organizam expedições e passeios.



O Pedro não perdia uma pracinha, mesmo que houvesse uma tempestade de terra (em Belén).

19/02 – 

Os passeios ao redor de Antofagasta necessitam de um carro 4X4 e bem alto - com o nosso não dava, porque é muito baixo. 

Então, decidimos não fazer passeios e fomos visitar o Museu del Hombre e a XXIV Feria Ganadera y Artesanal de La Puna, que iniciava neste dia. 

Almoçamos na Hosteria Municipal - eles têm hospedagem também, mas estava tudo cheio por causa da festa. 

Depois, encaramos a mesma estrada até encontrar com a RN 40 e fomos a Tafí del Valle

A chegada na cidade foi com neblina, chuva e à noite, numa estrada de serra. 

Neste dia iniciava a 46° Fiesta Nacional del Queso, e a cidade estava bem movimentada.

Nos estressamos no Hostal El Cardon: a atendente nos falou que a cidade toda só tinha água quente até às 23hs, e que os restaurantes também só funcionavam até este horário. Como já eram 22hs, resolvemos ficar. Não deu! Literalmente chovia nos banheiros, sujo, a cozinha compartilhada era um cubículo imundo. Saímos e ficamos numa hosteria

No outro dia, vimos que Tafí tem muitas opções de hospedagem, é melhor chegar de dia e procurar. 

A cidade é o refúgio do pessoal de San Miguel de Tucumán, e o friozinho lembrou a serra gaúcha. 



vulcão Alumbrera com sua lava petrificada ao redor, em Antofagasta de La Sierra

20/02 – 

Fizemos a Vuelta al Valle, passeio de 45Km (30Km de rípio em bom estado), passando por zonas agrícolas, mirantes, estâncias e o dique La Angostura



paisagem na volta pelo vale em Tafí del Valle

21/02 – 

Iniciamos o retorno para casa, almoçamos em Termas de Río Hondo, o Pedro foi na pracinha, chegamos em Sáenz Peña à tardinha. 

A R 89 entre Taboada e Quimilí tem somente uns 10Km de estrada ruim, e esta ruta encurta em 100Km o trajeto.

22/02 – 

Viagem tranquila, com pouco trânsito. Passagem rápida pela fronteira em Santo Tomé. Chegamos em Santa Maria no fim do dia. 

Esta região é bem diferente da Patagônia, que conhecemos em março/14. 

As paisagens são impressionantes. Desertos, salares, vulcões, quebradas...tudo imenso, silencioso e selvagem. Mostram como a natureza se adapta, sobrevive. Ajudam a nos tornarmos mais humildes, vendo o quanto somos pequenos!"
______________________________________________

Gente, não dá vontade de pegar a estrada amanhã mesmo??? 

Você conhece essa região? Viajou de carro pelo norte da Argentina e Chile? Foi ao Atacama? Conta pra gente, deixe as suas dicas aqui também!


Na Argentina:





Leia também

Todos os posts escritos para o pequeno viajante pelos nossos amigos/colaboradores, neste linkviagens dos amigos

Nossos posts sobre a Argentina e sobre o Chile

Nosso roteiro de 31 dias entre Peru, Bolívia e Chile, incluindo o Atacama

O nosso post índice da Patagônia

O roteiro da roadtrip de 30 dias da Marisa, do Rio Grande do Sul até Ushuaia, com orçamento incluído.  

Também da Marisa:

* roteiro por Caye Caulker, em Belize e pela Península de Yucatán, no México

dicas de Trindade, Paraty, Angra dos Reis, Ilha Grande, Arraial do Cabo e Búzios



Mais fotografias das nossas viagens no Instagram @claudiarodriguespegoraro, na hashtag #Felipeopequenoviajante.

Não esqueça de curtir a nossa fan page no Facebook para acompanhar as nossas aventuras! 

Assista todos os nossos minifilmes neste link do Facebooke os vídeos você assiste no YouTube - aproveite e já se inscreva lá no nosso canal!

Você também nos encontra aqui:



6 comentários:

  1. Olá Marisa e Claudia!
    A viagem foi demais! Paisagens maravilhosas e fotos lindas! Que bom que curtiram! Este roteiro não tem erro!
    Beijos, Rosângela.

    ResponderExcluir
  2. Ahh! Obrigada por nos citar no seu relato! Estamos loucos para voltar ao Atacama e agora deu mais vontade ainda! :)

    ResponderExcluir
  3. Viajar de Motor Home, não seria mais compensativo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existem empresas de aluguel de motorhome nessa área com preços em conta, e fomos com carros próprios, então não. Financeiramente não compensaria :)

      Excluir
  4. Uau, realmente bacana a viagem de vocês! Estou planejando algo semelhante saindo de Curitiba... Vocês acham que com um carro de passeio da pra fazer os principais locais??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza! Nos posts que fiz sobre a nossa viagem falo isso diversas vezes, olha aqui: http://www.felipeopequenoviajante.com/search/label/Atacama%20e%20Norte%20da%20Argentina

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...