13 de fevereiro de 2014

Sedona e arredores, no Arizona, com direito a muitas "red rocks" no caminho!

No post anterior, eu contei sobre a nossa passagem pela região de Flagstaff, no Arizona, veja aqui:


Já no caminho para Sedona, que fica a sudoeste de Flagstaff, pela #89A, passamos pelo Oak Creek Canyon, que é uma scenic road lindíssima, pelo meio de um canyon cheio de árvores imensas - uma das estradas mais bonitas da viagem por enquanto!

Olha que bonito é o Oak Creek Canyon:







Pertinho de Sedona, começaram a aparecer as red rocks, rochas vermelhas que caracterizam e deixaram a região famosa (pena que o dia não estava muito bonito, ou as fotos teriam saído MUITO melhores, porque o lugar é mágico!):







 Slide Rock State Park:

Nossa primeira parada, já na região de Sedona, foi no Slide Rock: U$ 10 por veículo. É um parque pequeno mas lindo.

No verão, deve ser uma delícia escorregar no escorregador que se formou no meio das pedras, e tomar banho no riacho, mas, mesmo no inverno, achamos que valeu a visita e a caminhada (bem curta!), só pela paisagem ao redor! Linda!

Pela quantidade de fotos, dá pra ver como eu me encantei com o lugar, embora o tempo feio - e o Felipe se divertiu horrores!























Sedona: 

O centrinho da cidade é uma graça! 

De longe, é a cidadezinha mais aconchegante e estilo "lua de mel" da viagem. Tem um monte de estacionamentos gratuitos no centrinho.






A rua principal, que é a própria estrada, é CHEIA de lojinhas, restaurantes, agências de turismo e, ao redor, para qualquer lado que se olhe, o que se vê são as rochas vermelhas e os vortexes que fizeram a fama de Sedona nos anos 80. 

Aliás, na rua principal, o que mais tem são justamente negócios destinados a ler (e fotografar!) a sua aura, alinhamento de chacras, terapias com cristais...

É um lugar que atrai a turma New Age em peso, já que 4 dos principais vortexes do mundo ficam aqui!!!





Uma curiosidade é a arquitetura das construções da cidade, toda de acordo com as características do lugar. 

Todas as cadeias de fast food, por exemplo, estão lá, mas a gente demora a reconhecer, porque os ícones são todos diferenciados aqui, para combinar com o estilo de Sedona. 

Um exemplo? Sedona tem o único MacDonald's do mundo cujo "M" não é amarelo, mas verde! E o mesmo ocorre com os logos da Staples, Starbucks, Burger King...



Outra característica digna de nota é o pôr do sol na cidade, simplesmente indescritível. Fiquei tão chocada que esqueci de fotografar - e olha que isso é raro, muito raro (eu esquecer de fotografar!).

Todo mundo sabe que os sunsets no deserto são geralmente de tirar o fôlego, então o que torna Sedona tão especial? As rochas vermelhas ao redor da cidade! O sol vai baixando e os últimos raios batem nas pedras vermelhas, e o céu fica todo pink...impressionante. Recomenda-se assistir o espetáculo na Airport Road.






Passeamos bastante de motorhome e depois a pé pela cidade e passamos a noite num dos free public parkings da cidade (tem um monte de estacionamentos gratuitos no centro da cidade) - paramos no estacionamento da igreja e ali nos acomodamos, com internet wifi e tudo!

Não estávamos encontrando boas conexões de internet nem nos campings, e foi engraçado encontrar uma internet ótima num free camping, no estacionamento da igreja! 

Altamente recomendado, a uma quadra da rua principal da cidade!!!







Foi o primeiro dia que usamos o protetor de vento no carrinho do Lipe - estava MUITO frio de manhã, e funcionou perfeitamente. 

Aliás, é bom reforçar que o carrinho tem sido imprescindível a viagem toda! Usamos ele quase todos os dias, inclusive para fazer compras (o Lipe "entra pra dentro" do carrinho e se distrai com o tablet enquanto fazemos nossas comprinhas)! 

Quem acha que crianças de 5 ou 6 anos já não precisam de carrinho está completamente enganado! E o protetor contra vento também!!!!


Red Rock State Park:

No dia seguinte, saímos para o Red Rock às 8hs da manhã, vendo uma paisagem maravilhosa ao amanhecer, com muitos balões voando no céu (deu UMA vontade...). 

Perto da beleza das rochas vermelhas que rodeiam a cidade, o parque não tem nada demais - achamos que não vale os U$ 10 da entrada, a não ser que a pessoa queira fazer altas caminhadas.




Red Rock Crossing:

De lá seguimos para o Red Rock Crossing (coloque Chavez Ranch Road no GPS), onde também cobram U$ 10 pela entrada. 

É nesse lugar que fica o cartão postal de Sedona, Cathedral Rock, um dos vortexes mais importantes do mundo e uma das rochas mais lindas da região. 

Fizemos uma trilha curtinha dentro do parque, e vimos o vortex, mas não encontramos a Buddha Beach e decidimos voltar porque já estava ficando tarde :-(

É nessa praia que a turma New Age faz os seus rituais com pedras e defumação.

  



Em resumo, essa região entre Flagstaff e Sedona é linda e altamente recomendável - se tivéssemos mais tempo eu certamente ficaria mais uns dias por aqui - foi a melhor surpresa da viagem até agora, pois eu não esperava me encantar tanto com esse lugar!


Jerome:

Seguimos então para Jerome, por uma estrada linda, a Dry Creek Byway #89A.

Jerome é uma cidadezinha fantasma que foi "ressuscitada" e hoje está linda e bem turística, pendurada no topo de uma montanha bem inclinada.

Como descreve o Lonely Planet, com o devido desconto do charme francês, é como se tivessem pego uma vila do interior da França e colocado no meio do deserto do Arizona, cheia de prédios históricos restaurados, toda bonitinha.



Passando Jerome, a estrada fica ainda mais bonita, cheia de curvas, no meio de montanhas cheias de neve, ainda pela #89A, aqui chamada de Mingus Mountain Byway.


Prescott:

Em Prescott, uma autêntica cidade do velho oeste, passamos pela Whisky Row, a antiga rua dos saloons que continua vendendo bastante whisky ainda hoje em dia, e almoçamos no Panda Express, uma rede de comida chinesa ótima, que eu não entendo por que ainda não chegou no Brasil (que eu saiba!), antes de seguir pelas estradas #89, 71 e 60 na direção sudoeste, até encontrar a estrada #10, por onde seguimos para a Califórnia!







No caminho, cruzando o deserto, muitos cactus gigantes e paisagens fantásticas e vastas - sabe quando a gente olha e parece que a estrada não tem fim?





Você também conhece essa região? Esteve em Sedona e ficou babando no passeio de balão? Deixe aqui as suas dicas de passeios no Arizona!!

Próxima parada: Califórnia - continue viajando conosco!




Veja mais fotografias desta viagem no Instagram @claudiarodriguespegoraro em #Lipenamotorhometrip ou em #felipeopequenoviajante.

No Twitter, procure por @pequenoviajante. Não esqueça também de curtir a fan page do Felipe, o pequeno viajante no Facebook para acompanhar as nossas aventuras!

Assista todos os minifilmes desta nossa aventura de motorhome pelos EUA no Facebook (aqui). Os filminhos maiores você assiste no YouTube (aqui).

Para ler mais, todas as nossas postagens sobre viagens de motorhome estão organizadas aqui

Você também nos encontra aqui:




4 comentários:

  1. Ola tudo bom?

    Eu venho acompanhando o seu blog tem muito tempo, gosto do jeito como você escreve e também das fotos que vocês tiram durante a viagem.

    A minha dúvida é que cameras e lentes vocês levam para viajar com vocês. Eu sempre usei uma D7000 da nikon com uma lente zoom e uma fixa 50 mm, mas depois que minha filha nasceu, as vezes me parece que é muito peso para continuar levando ;P

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vinicius,
      Obrigada! :-)
      Nós também carregamos muitas lentes e máquinas, um peso morto, mas é que a gente curte fotografar, é um dos grandes prazeres da viagem!
      Levamos uma D5000 (Nikon), mais uma snapshot da Sony, várias lentes, uma filmadora Go Pro Hero e uma JVC, além dos celulares...
      Na volta a gente sempre conclui que valeu o esforço!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...