21 de abril de 2013

3 perguntas para ajudar você a decidir se leva ou não as crianças na viagem (e um pouco de NYC)

Voltamos de New York há quase um mês e ainda não escrevi nem um postzinho sobre a nossa viagem - acho que, inconscientemente, tento não lembrar para evitar o banzo, kkkkkkk...

Então, para começar, quero falar sobre a nossa decisão de não levar o Lipe conosco desta vez.

Como já contei em outro post, essa foi minha 10ª visita à cidade que nunca dorme, somos perdidamente apaixonados por NYC. Logo que o Lipe nasceu, inclusive, fomos lá com ele - que na época tinha 3 meses.

Leia mais aqui:


Naquela ocasião, o objetivo principal da viagem era passear: iríamos alugar um carro e subir até o Canadá, passando por Connecticut, no caminho, para visitar minha família americana (de quando morei lá).

Roteiro

O roteiro foi mais ou menos assim, distribuído em 20 dias - estou contando aqui porque é uma ótima "primeira viagem" para fazer com bebês:

 - NYC
 - Preston, Connecticut
 - North Conway, New Hampshire (excelentes outlets!!!)
 - Kancamagus Highway (53Km de North Conway a leste até Lincoln a oeste - NH112)
 - Quebec
 - Montreal
 - Mont Tremblant e Saint Jovite, Laurentian Mountains
 - Burlington, Vermont
 - Lake Placid, Saranac Lake, Adirondacks National Park, NY State
 - NYC

Videoclipe

Então, não havia qualquer dúvida: era certo que o Lipe iria estrear em um avião! Assista aqui o videoclipe daquela viagem:


Passados 3 anos, já era hora de voltar à grande maçã, antes que a crise de abstinência acabasse conosco. Só que, desta vez, o objetivo da viagem era comprar muiiiiiito, e curtir a night em NY. Não era viagem para o Lipe, não tinha espaço para ele. O pequeno viajante, desta vez, não viajou.

Mais: tínhamos acabado de voltar para casa depois de um mês na praia, e ele estava recém voltando à rotina, à escolinha...não tinha cabimento esculhambar a rotininha dele de novo!

Hoje em dia não temos mais (muito) drama na hora de decidir se ele vai ou se fica.

Em primeiro lugar, tenho que dizer que, por nós, ele iria sempre, a gente adora levar ele. Mas já entendemos que, às vezes, a viagem não é divertida para o pequeno - ao contrário, pode ser uma tortura. Nesses casos, ele fica.

Em NYC, por exemplo, nos pegamos várias vezes pensando "bah, ainda bem que o Lipe não veio, isso ia ser uma tortura para ele" (um dia inteiro em outlets, por exemplo). Claro que, muitas vezes, passando por um parquinho bacana, a gente também pensava "ah, que pena, o Lipe ia amar isso aqui..."

Quem nos acompanha há algum tempo, sabe bem que já colocamos o Lipe em muito perrengue. O pequeno viajante já andou conosco por 26 países. Já viajou durante 5 longos meses mundo afora. Só no ano passado, ele foi conosco para Punta del Este, Nova Zelândia, Austrália, Foz do Iguaçu e Paraguai, dentre outras.

Mas não dá para levar ele sempre (senão o Lipe não reconheceria a casinha dele, kkkkk), então também já fizemos algumas (4) viagens sem ele: Jericoacoara, Bariloche, Barbados e New York. Nesta última, a saudade foi tanta que nos prometemos que, nas próximas, ele não faltará. Assim, já estamos com passagens compradas para ele para o Rio de Janeiro e para a Terra do Fogo. E tem mais vindo por aí...

Então, depois de todas essas experiências, COM e SEM ele, acho que a gente já adquiriu um pouco de knowhow para falar do assunto.

Em segundo lugar, tem que se livrar da culpa inerente à maternidade/paternidade. Mães (e pais) se culpam por tudo, o tempo todo, isso é um saco, mas é assim. Então tem que esquecer esse sentimento de culpa. Porque você vai se culpar mesmo, de qualquer jeito: se levar, é porque tirou da rotina; se não levar, é porque deixou. Como esse problema de "culpa" não tem solução, melhor esquecer.

Depois, tem que responder a essas 3 perguntas, que vão ajudar você a decidir se leva ou não o pequeno na viagem:

1) a viagem é adequada/divertida para ele?

E, quando falo em viagem adequada, não me refiro ao destino - para nós, qualquer destino é adequado para uma criança - de New York ao Camboja, da Ferrovia Transiberiana ao Vietnã. A questão da adequação está mais ligada justamente ao objetivo da viagem. É uma viagem para fazer mergulho submarino e o seu filho ainda não sabe mergulhar? Deixe-o em casa. É uma viagem de esqui, e o seu filho ainda não tem 4 anos? Fica em casa. Entende?

2) a viagem é longa ou curta?

Regra: mais de 12 dias, ele vai certo (não dá para aguentar mais do que isso longe dele). Menos de 12 dias, ele pode ficar ou ir.

3) financeiramente vale a pena levá-lo?

Às vezes, o dinheiro tá mais curto, e a gente só vai fazer uma viagem para não perder milhas, por exemplo. Nesse caso, se não tem milhas para os 3 irem, ele fica. Exemplo: ano passado, inventamos uma viagem para Barbados para aproveitar umas milhas da Gol que estavam vencendo. A viagem seria divertida para ele, mas era final de ano, o Lipe estava envolvido com os ensaios da apresentação de final de ano na escolinha, curtindo aquele momento dele, a viagem era curtinha (uma semana), e só tínhamos milhas suficientes para 2 passagens. Resultado: ele ficou.

Essas são as 3 perguntinhas que a gente se faz aqui em casa, e elas nos ajudam a decidir com clareza e sem culpas.

E você, tem alguma dica extra para ajudar a facilitar o (por vezes dramático) processo de decisão???

Compartilhe com a gente, conte como a sua família faz para decidir (quais são os seus critérios) aqui embaixo, nos comentários, ou então lá na nossa página Felipe, o pequeno viajante no Facebook.

Você também nos encontra aqui:

Instagram - http://instagram.com/claudiarodriguespegoraro
Pinterest - http://pinterest.com/claudionil/
YouTube - http://www.youtube.com/user/marlonpegoraro76/videos?view=0

PS. Abaixo, uma pequena coletânea de fotografias de viagens anteriores a NYC, com o Lipe, sem ele, no verão, no inverno, outono e primavera - NY é linda em todas as estações do ano, com ou sem crianças...são dicas de passeios imperdíveis para quem vai lá pela primeira vez!

O próximo post será com as novidades da última viagem!!! Venha conosco...

verão no Central Park

outono no Museu de História Natural

Top of the Rock, a melhor vista de cima de cidade

Brooklyn Bridge no verão

Midtown, na primavera

vista de South Street Seaport

vista do sul da ilha de Manhattan

Battery Park

no topo do Empire State Building

Felipe e o gorila no Bronx Zoo


Times Square: obrigatório

subway, o melhor meio de transporte

brinquedinhos recém comprados na Toys'r'us

gordinho estreando na Big Apple

Brooklyn Bridge: super acessível para uma caminhada de carrinho

passeio obrigatório com crianças


de uniforme, we love NYC!

a caminho de Ellis Island, parada obrigatória numa primeira visita

Madame Tussaud: o de NYC não é o melhor que já fomos (London!!!), mas para quem nunca foi é imperdível

Central Park no outono

patinando no gelo, Rockfeller Center no inverno

na época de Natal, a cidade consegue ficar ainda mais linda!

4 comentários:

  1. Claudia.....

    Dificil decisão.....mas a mais facil, é em relacao ao tempo de viagem.....passou de 10 dias...Dodo vai junto.
    Engracado, é que eu acho que tudo é interessante pra ele, hehehehehe....ele se liga demais.....quando ve fotos de lugares onde estavamos sozinhos, ele sempre pergunta pq nao foi junto, hehehehe.
    Ja estou me preparando que agora em maio, vamos pra Inglaterra, e ele vai ficar....

    Conta pra gente, como fica a rotina do Lipe sem vcs??? Isso eu acho mais dificil adaptar....toda uma logistica...

    Bom quanto a NY, eu tbem amoooo...mas só fui 2X..ta na hora de voltar...a ultima foi com o Alvaro, quando ele tinha 10 meses. Ele olha as fotos e diz..mae, olha eu em NY, naquele friooooooo, vendo a estatua, heheheheh....e eu amasso ele..e vejo que valeu a pena, sujeitar o baixinho aquele frio todo!

    Beijo grande.....especial pro Lipe!
    Francine e Alvaro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, Francine...às vezes também tenho percebido que é melhor para ele ficar sim...quando era pequeno, não tinha nem dúvida, era ir ou ir, mas agora, com a escolinha que ele ama tanto, e tantas viagens para lá e para cá, às vezes acabo achando que tá demais para ele...que bom que vcs tb tão vendo isso!

      a gente tem muita sorte, duas avós e uma babá maravilhosa, ele fica em casa, então ele não sente "tanto" a nossa falta, uma semana é tranquilo, mais que isso é que ele já começa a se preocupar se a gente volta mesmo!!!

      um beijão para vcs, aproveitem bem a Inglaterra e, na volta, post para "as viagens dos amigos", hein?!?!

      Excluir
  2. Olá, Claudia! Sempre acompanho seu blog. Recentemente fui a NY com meu filho de 2 anos e passamos um pouco de estresse (está numa fase com muitas birras e que só quer brincar, normal (. Certamente da próxima vez ele ficará em casa... Difícil vai ser a saudade pq nunca fiquei muito tempo longe dele!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o terrible two! Mas, como tu mesma falou, é só uma fase! Lá pelos 4, 5 anos, eles são os melhores companheiros de viagem!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...