3 de dezembro de 2011

crianças também gostam de atividades "radicais"

Já contei que estamos organizando nossa viagem do ano que vem à Nova Zelândia. E, quando se fala em NZ, a primeira coisa que vem à cabeça são esportes radicais, não? Porque, como todo mundo sabe, a NZ é o paraíso das aventuras radicais...

Então, começamos a pensar: bah, com o Lipe não podemos aproveitar essas atividades...é claro que muitas vezes o pequeno viajante atrapalha um pouco os programas - seria mentira dizer que não.

Essa é uma das perguntas que todo mundo nos faz: "mas ele não atrapalha a viagem"? É óbvio que sim - muitas vezes a gente não pode fazer programas que gostaríamos porque estamos com o Felipe na mochila. Foi assim quando tivemos vontade de fazer um curso de culinária tailandesa em Chiang Mai - impensável fazer isso com o gordinho, né? É assim sempre que dá vontade de tomar todas em um bar, ou de ir dançar salsa em Cartagena.

Algumas vezes, a gente se divide: o Peg vai assistir lutas de muay thai enquanto eu fico com o Lipe e depois eu vou fazer massagens tailandesas. Mas não tem graça nenhuma fazer rafting sozinhos, né?!?!

Daí, fui dar uma olhada nas fotografias da nossa última viagem e logo me dei conta que estamos fazendo uma injustiça com o gordinho!

É verdade, tenho certeza que ele é muito mais nosso parceiro para atividades ditas "radicais" do que seriam muitos dos nossos amigos adultos. Conheço muito adulto que tem medo de moto, medo de tobogã, medo de barco, medo de cavalo, medo de altura, medo de bicicleta, medo de teleférico, não faz trilha pelo mato nem morto e banho de cachoeira, entrar numa caverna, fazer rafting numa canoa de bambu, subir num vulcão ou andar de elefante só em outra encarnação.

Tem gente, para falar a verdade, que não toma nem banho de chuva, por medo de "se gripar"!!! Pois o pequeno viajante já fez todos esses programas conosco, e invariavelmente se divertiu horrores. Aliás, muitas vezes nós tivemos muito mais medo do que ele, que ainda não conhece o perigo e não sabe o que é isso!

Então, fique tranquilo: claro que muitas vezes você vai ter que abrir mão de um ou outro programa em razão da sua "mochilinha", mas, na maioria das vezes, eles são muito mais parceiros do que a gente imagina e se, para mostrar o mundo ao seu filho e ver o mundo através dos olhinhos dele o preço a pagar é um curso de culinária ou uma luta de muay thai perdidos, então é um preço muito barato!!!


de carroça por Bagan, o dia todo,
conhecendo milhares de templos espalhados pelas planícies de Mianmar

de barco a remo pelos lagos de Pokhara, aos pés do Himalaia

fazendo trilha íngreme nas montanhas do Nepal, às vezes o colinho do papai ajuda!

trilha de moto no barro em Vang Vieng -
uma irresponsabilidade que só o Laos nos permite!

banho de cachoeira em Luang Prabang: eu fiquei com medo da correnteza,
mas o pequeno viajante se recusou terminantemente a usar a bóia!

passeio pelo Rio Mekong num barquinho tri precário

explorando cavernas

canoa vira-vira no Mekong -
o Laos também é um paraíso dos esportes radicais na Ásia

um passeio de elefante "em pelo"!

esse foi REALMENTE radical...

depois do passeio, dar banana é brincadeira de criança!

passeio de bicicleta pelas paradisíacas ilhas Gili

voando a cabeleira de lancha na Malásia

medo de altura? o que é isso???
na maior de todas as rodas gigantes, em Londres

cavalgando pelas estepes da Mongólia

nosso banho de chuva de todo dia em Khao San Road, Bangkok

escalando vulcões ao amanhecer na ilha de Java, Indonésia

na "caixinha de jóias", como é conhecido o teleférico de Cingapura

rafting numa canoa de bambu, na Tailândia

descendo da muralha da China num tobogã super radical!

outro teleférico, desta vez em Krasnoyarsk, na Sibéria, interior da Rússia

depois de tantas aventuras, só tomando água!!!


Ouvimos falar que dava para subir a muralha da China de teleférico e descer de tobogã.

Na primeira vez que fomos à China, em 2006, já havíamos subido a pé mesmo, e sabíamos que não era fácil, com o Felipe no colo seria dureza. Então, decidimos experimentar o teleférico para subir e, se o tobogã fosse demais para nós, desceríamos de teleférico também.

Mas, na hora de descer, achamos o tobogã tão seguro, deu aquela vontade, era permitido, então resolvemos: vamos experimentar!

O papai foi no carrinho da frente, com o Lipe no colo, e a mamãe foi atrás, filmando tudo!

Resultado: a primeira montanha-russa do pequeno viajante foi na descida da muralha da China - precisa mais história para contar??? 




4 comentários:

  1. Eu AMO os posts de vcs!! Pelas histórias, fotos e por toda a parte que nos faz sonhar. Obrigada!
    Bjs e bom fim de domingo!
    @viagempimpolhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sut, a gente tb adora o viajando com pimpolhos! volta sempre q nós amamos receber a tua visita!!!

      Excluir
  2. Adoro seu blog.... Mesmo nao tendo filhos, fico imaginando como será quando tiver....
    Acho que vou pelo mesmo caminho... Jogar os pimpolhos no mundo...

    Continue assim!

    ResponderExcluir
  3. vai sim, Renata! tu vais ver q com os filhos fica ainda mais divertido!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...