Sobre

Sobre

Recentes

Menu

Palestina: visitando Belém por conta própria

Como conhecer Belém, na Palestina, de forma independente
Igreja da Natividade
visitando Belém na Palestina por conta própria, com carro alugado 

A Palestina, como vocês sabem, é um dos cantos mais "complicados" do planeta. 

Dividida entre a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, com povoados israelenses pelo meio, a Palestina é fragmentada e superpovoada. 

Viajar por lá não é simples: checkpoints israelenses são comuns e restrições em nome da "segurança" são parte da rotina - nada que não seja do cotidiano que os palestinos enfrentam. 

E, mesmo com todas as limitações políticas e geográficas, eles são um povo orgulhoso, que carrega uma história incrível: Cristo nasceu lá, é pouco?? 

Quer mais? Os cruzados também passaram por lá e deixaram suas marcas.

O futuro? Um sonho de paz e independência. 

Neste post, vou contar a vocês como foi a nossa experiência visitando Belém, na região da Cisjordânia, na Palestina, por conta própria, com um carro alugado em Jerusalém.

Leia também:



Israel: 10 coisas que você precisa saber antes de ir
Guia de Israel: roteiro e dicas de viagem
Como é o Shabbat em Israel
Onde ficar em Israel: dicas de hospedagem em Jerusalém e Tel Aviv

Na foto acima, estamos na frente da micro-porta que dá acesso à Igreja da Natividade, construída  no século 4 d.C. pelo Imperador Constantino, sobre a pequena gruta onde a família mais famosa do mundo se abrigou para que uma mulher chamada Maria pudesse parir o menino que viria para mudar a história de grande parte da humanidade. 

A porta é pequenina assim  mesmo para impedir que os muçulmanos entrassem a cavalo na igreja. 

Vocês acreditam que essa é a igreja mais antiga do mundo, ainda em uso?? E ela só não foi transformada em cinzas porque nela existiam imagens dos reis magos, que eram persas e, por isso, respeitados pelos muçulmanos! 

A porta principal da igreja foi selada por motivos de segurança e hoje esse é o principal acesso ao lugar onde o menino Jesus veio ao mundo ❤

Igreja da Natividade
quem olha esse lugar não consegue imaginar que esta seja a Igreja da Natividade, construída sobre a pequena gruta onde Jesus nasceu - de fora, nem parece uma igreja!

Igreja da Natividade em Belém
mesmo por dentro, a Igreja da Natividade, em Belém, na Palestina, é bem diferente das igrejas com que nós, brasileiros, estamos acostumados

Igreja da Natividade em Belém
o Peg também quis encostar na estrela que marca o exato lugar onde o Menino Jesus teria nascido 💗

Igreja da Natividade em Belém
aliás, todo mundo queria encostar nesta estrela de prata, que é o lugar mais sagrado da Igreja da Natividade, em Belém, na Palestina

Para viajar pela Palestina, a regra é, ao invés de checar o termômetro, verificar como está o clima político na região. 

Como a sorte acompanha os audazes, jogamos com ela e nos demos bem: depois de ouvir muitos conselhos que nos diziam "não vá à Palestina por conta própria", "contrate um guia com carro para ir a Belém", "para ir a Belém tem que ser com um tour", "nem pense em ir até Belém com um carro alugado em Israel, com placa israelense"...resolvemos arriscar, seguir nosso instinto que nos dizia que tudo daria certo e fomos contra todos os conselhos recebidos. 

Sim, alugamos um carro em Israel (com placa israelense), dirigimos os 8km que separam Jerusalém de Belém, encontramos o muro e os checkpoints israelenses e, com máquinas fotográficas e passaportes em punho, para ficar bem óbvia nossa condição de turistas, entramos Palestina adentro dirigindo nosso carro alugado, até a Praça da Manjedoura, local onde fica a Igreja da Natividade e onde nasceu aquele menino que mudou a história de muita gente. 

Belém Palestina
no centro histórico de Jerusalém existem placas de sinalização de trânsito indicando a direção de Belém, na Palestina

Belém Palestina
o terrível muro que separa Jerusalém de Belém, visto pelo lado israelense

Belém Palestina
incrível pensar que os israelenses que moram ali ao lado não conhecem Belém - a entrada na Palestina é vedada para cidadãos israelenses

Belém Palestina
logo que entramos em território palestino estávamos super nervosos, mas logo relaxamos

Belém Palestina
esta era a placa de nosso carro alugado em Jerusalém - eles contraindicam que você circule pelo território palestino com um veículo de placas israelenses, mas o nosso carro era claramente de aluguel (da Hertz) e confiamos que, sendo brasileiros, não teríamos problemas)

Belém Palestina
estas são as placas dos carros palestinos

"We are Brazilian tourists" é uma frase simples que arranca sorrisos hospitaleiros no mundo inteiro, e não foi diferente aqui - passamos reto pelos checkpoints, onde só ouvimos "hello", "goodbye", "good luck", "have a nice day" and "welcome". 

Aquele momento que dá uma alegria enorme de ser brasileiro, benquistos em quase todo lugar! 

Sim, estávamos tensos por desconhecer o que nos esperava (e porque, embora as vezes a gente não aparente, somos pais responsáveis e nos preocupamos com a segurança do Lipe, muito mais do que com a nossa, é certo). 

Atravessamos aquele muro prendendo a respiração e suspiramos aliviados quando vimos que nossa pequena aventura não teve maiores consequências. 

Agora que fomos e vimos, posso recomendar a todos que têm um mínimo de espírito aventureiro que façam como fizemos: vá à Palestina por conta própria, converse com os locais, coma a comida deles, sinta o cheiro dos temperos e incensos, peça informações...você vai se surpreender com a hospitalidade dos árabes cristãos de Belém, vai respirar aliviado e, como nós, vai voltar para Israel sonhando com um futuro de paz para todos. 

Al-hamdu lillah 'al as-salama!

Belém Palestina
a Igreja da Natividade, em Belém, é considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO

Belém Palestina

Belém Palestina
todas as placas levam à Igreja da Natividade, em Belém, na Palestina

O que ver em Belém na Palestina


Em Belém, na Palestina, não deixe de visitar: 

- Igreja da Natividade, onde Jesus nasceu - as primeiras fotos são do interior da igreja, construída justamente pra marcar o lugar do nascimento de Jesus; e as fotos seguintes são da gruta onde ele nasceu, que hoje fica no subsolo da igreja; a estrela é o lugar exato da manjedoura, e ali está escrito, em latim, "aqui, da Virgem Maria, nasceu Jesus".

Igreja da Natividade em Belém
interior da Igreja da Natividade, em Belém, na Palestina

Igreja da Natividade em Belém

Igreja da Natividade em Belém
 empurra-empurra na entrada para a Gruta da Natividade, em Belém, na Palestina

Igreja da Natividade em Belém
 na fila para visitar a Gruta da Natividade, onde nasceu o Menino Jesus, em Belém, na Palestina

Igreja da Natividade em Belém
dezenas de turistas na Gruta da Natividade, em Belém, na Palestina

Igreja da Natividade em Belém
a estrela de prata de 14 pontas na Gruta da Natividade, em Belém, na Palestina, marca o lugar exato onde teria nascido, na manjedoura, o Menino Jesus

Igreja da Natividade em Belém
visão geral da Gruta da Natividade, lugar onde nasceu Jesus, em Belém, na Palestina

- Gruta do Leite (Milk Grotto Chapel), onde a tradição cristã diz que Maria teria se escondido, enquanto fugia dos romanos para o Egito, para amamentar o menino Jesus, e o leite que espirrou dos seus seios teria deixado as paredes da gruta todas brancas.

Gruta do Leite (Milk Grotto Chapel)

Gruta do Leite (Milk Grotto Chapel) em Belém

Gruta do Leite (Milk Grotto Chapel) em Belém
Gruta do Leite, em Belém, na Palestina

- Igreja de Santa Catarina, onde é realizada anualmente a Missa do Galo - é uma igreja mais nova, e lá estão os túmulos de São Jerônimo e Eusébio.

Igreja de Santa Catarina

Igreja de Santa Catarina Belém Palestina
Igreja de Santa Catarina, ao lado da Igreja da Natividade, em Belém, na Palestina

- Do outro lado da Praça Manger, está a Mesquita do Califa Omar, o maior reduto muçulmano de Belém.

Belém Palestina
uma mesquita bem na frente de um dos templos cristãos mais importantes do mundo 💕

Onde comer em Belém


Almoçamos na Praça Manger, no Abu Adel Restaurant, e o kebab feito na calçada estava de comer rezando. 

O almoço custou ILS 120. 

Belém Palestina
o kebab é feito na calçada mesmo, mas você come rezando, em Belém, na Palestina

Belém Palestina
comida simples e saborosíssima do Restaurante Abu Adel em Belém, na Palestina

Belém Palestina
cardápio do restaurante onde almoçamos em Belém, na Palestina, com versões em árabe e em inglês

Dicas práticas para visitar Belém na Palestina


No fim do dia, depois de visitar a pé os principais pontos turísticos de Belém, que eu listei acima, ainda passeamos um pouco de carro por Belém, vimos os grafites no muro pelo lado palestino, e voltamos para Jerusalém. 

Belém Palestina
vista de Belém, Cisjordânia, na Palestina

Belém Palestina
Belém Palestina

Belém Palestina
recomendo que você vá com o carro bem abastecido, para não precisar abastecer nos postos de combustíveis de Belém, na Palestina

Belém Palestina

Belém Palestina
murais no lado palestino do muro que divide Belém e Jerusalém, em Israel

Belém Palestina
passeando de carro alugado por Belém, na Palestina

Quão estranho é andar num lugar majoritariamente muçulmano cheio de crucifixos e figuras de presépio nas vitrines? Assim é Belém, cidade palestina onde vive uma minoria árabe cristã! Viajando e aprendendo!

Eu nunca imaginei que em Belém vivessem tantos árabes cristãos, acho que foi minha maior surpresa na nossa visita à Palestina. 

Talvez por termos visitado Belém em dezembro, o clima "natalino" estava ainda mais presente - e provavelmente por isso também haviam tantos peregrinos por lá! 

Belém Palestina
dezenas de figuras do Menino Jesus à venda nas vitrines de Belém, na Palestina

Belém Palestina

Uma coisa que nos deixou super tranquilos para ir à Palestina por conta própria foi o fato de termos um chip de celular da Easysim4u, que apoiou a nossa viagem. 

Com o chip da Easysim4u no telefone durante a nossa viagem de volta ao mundo, cada vez que o avião pousava num novo país, eu recebia uma mensagem no celular me dando as "boas vindas", o que significava que eu já estava automaticamente conectada à internet, inclusive para usar o GPS - que sabíamos que seria super necessário depois que atravessássemos a fronteira (o muro), até para chegar na Praça da Manjedoura. 

Já usamos os chips da Easysim4u em uns 30 países, e foram raras as vezes em que não tivemos cobertura - apenas em alguns lugares bemmmm remotos, ou em países onde eles mesmos avisam que não existe conexão, como o Marrocos.

Recebemos o chip em casa, antes de sair do Brasil, colocamos ele no celular ainda no avião, e já chegamos no Oriente Médio com internet funcionando no telefone!

Para quem vai viajar por vários países como nós fizemos, a facilidade e comodidade que esses simcards oferecem são imbatíveis 😏

Nós não vendemos esses chips através do blog (nem nenhum outro produto, pois o pequeno viajante não visa lucro, é um blog só para compartilhar dicas de viagem mesmo) - então dê uma olhada direto lá no site deles - Easysim4u - para ver como comprar esses chips e recebê-los em casa no Brasil antes de viajar.

chips de celular da Easysim4u
conectados à internet em Israel e na Palestina com os chips de celular da Easysim4u

Estacionamos o nosso carro alugado bem pertinho da Praça Manger, quase na frente da bus station de Belém (estação de ônibus), mas depois vimos que é possível chegar de carro até a praça e estacionar lá mesmo - se você der sorte de encontrar uma vaga!

Havia uma máquina daquelas antigas de parquímetro, mas estava toda quebrada, fora de funcionamento. Perguntamos numa barbearia e eles nos afirmaram que não era preciso pagar parquímetro ali. 

Você vai precisar de pelo menos 4hs para fazer esse passeio em Belém, isso se não pegar fila no checkpoint. 

Como falei antes, são apenas 8Km entre Jerusalém e Belém, mas, além da possibilidade de você pegar filas - principalmente na hora de voltar a Israel, no checkpoint israelense - ainda precisa de um tempo para encontrar vaga para estacionar perto da Praça Manger, sentar num restaurante para experimentar a comida local, fazer os passeios 'obrigatórios' e passear um pouco de carro pelo lado Palestino para 'sentir o clima'.   

Fiz uma pasta de "destaques" da Palestina lá nos stories do Instagram - espia lá que tem muitas dicas, mostrei todo nosso passeio lá! O nome da pasta é #LipenaPalestina.

Palestina: visitando Belém
na hora de voltar ao lado israelense do muro, à noite, havia fila no checkpoint - ficamos mais de 30min ali

Um pouco de história

O Estado da Palestina reivindica soberania sobre os territórios da Cisjordânia e da Faixa de Gaza e designa Jerusalém Oriental como sua capital, apesar de que, na prática, o centro administrativo da Autoridade Nacional Palestina fica localizado na cidade de Ramallah. 

A independência da Palestina foi declarada em 15 de novembro de 1988 pela OLP - Organização para a Libertação da Palestina, mas a maioria das áreas reivindicadas pelos palestinos estão ocupadas por Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967. 

Em 1993 foi estabelecida a Autoridade Nacional Palestina, que administra as áreas delimitadas dos territórios, enquanto que o Hamas controla a Faixa de Gaza. 

Em 2012, 138 dos 193 países-membros da ONU votaram a favor do reconhecimento da Palestina (os territórios da Cisjordânia, Gaza e Jerusalém Oriental) como um Estado não-membro das Nações Unidas, com status político de observador, sem direito a voto, como é também o caso do Vaticano, por exemplo. O Brasil foi um dos 138 países que votou a favor. 

Israel é um estado judeu criado em 1948 na antiga região da Palestina, no Oriente Médio, Ásia. A ocupação da área foi feita de forma gradual, a partir do 1º encontro sionista (movimento internacional judeu), em 1897. Nele ficou definido que os judeus retornariam em massa à região da 'Terra Santa', em Jerusalém, de onde foram expulsos pelos romanos no século 3 d.C..

Começou então a migração judia para a Palestina, nome dessa região no final do século 19 - na época, já viviam nessa área, que então pertencia ao Império Otomano, cerca de 500 mil árabes.

No início da 1ª Guerra Mundial, em 1914, já existiam mais de 60 mil judeus vivendo na Palestina. Na 2ª Guerra Mundial (1939-1945), por razões que todos conhecemos, o número de imigrantes judeus aumentou drasticamente, com milhões de judeus fugindo das perseguições dos nazistas na Europa e se refugiando na região.

Conforme a imigração de judeus aumentava, foram surgindo confrontos. Depois de uma tentativa frustrada da ONU de resolver o confronto criando um Estado duplo - árabe e judeu, Israel declarou independência em 1948, quando o número de judeus na região já somava mais de 600 mil.

Com a criação do Estado de Israel, os exércitos árabes do Egito, Síria, Líbano e Jordânia atacaram, mas foram derrotados pelos judeus. Na Guerra dos Seis Dias, vencida por Israel, em 1967, o mapa da região mudou, e desde então a maioria das áreas reivindicadas pelos palestinos estão ocupadas por israelenses. 

Em 1973, o Egito e a Síria lançaram novamente uma ofensiva contra Israel, no feriado do Dia do Perdão - Yom Kippur - mas foram derrotados pelo estado judeu, que derrotou novamente o Egito, a Jordânia e a Síria, e conquistou, de uma só vez, Jerusalém Oriental, as Colinas de Golan e toda a Cisjordânia, uma região de maioria árabe reivindicada pela Palestina e pela Jordânia.

Desde então, a disputa por estes territórios, que são considerados sagrados por judeus, muçulmanos e cristãos, transformou a região em uma das mais tensas do Oriente Médio, com Israel usando seu poder militar para manter a ocupação e os palestinos tentam alcançar seu objetivo de criar um Estado próprio.

A população da Palestina hoje quase alcança os 5 milhões de habitantes, e a língua oficial é o árabe.

Para ilustrar, veja no mapa abaixo, em verde, a região que é administrada pela Autoridade Nacional Palestina. A linha azul demarca as fronteiras dos territórios controlados pelo governo israelense.

Belém Palestina

Vale a pena ir até Belém?

Apesar de toda a hostilidade que se pode sentir entre judeus e árabes na região - um ódio quase palpável - foi emocionante conhecer um pedacinho da Palestina e, mais que isso, pisar no lugar onde Jesus nasceu. 

Eu não sou uma pessoa muito religiosa, e as minhas razões para querer conhecer essa região eram mais históricas e culturais do que propriamente religiosas, mas preciso confessar que me emocionei muito ao chegar naquela gruta. 

Apesar de todo o tumulto para entrar lá, com um número absurdo de turistas se acotovelando para tocar naquela estrela prateada de 14 pontas, estando lá embaixo tudo o que eu senti foi uma emoção incrível, a sensação de estar num lugar onde a história aconteceu. 

Belém Palestina
Belém Palestina

Belém Palestina
é impossível não se emocionar com tanta história que há neste lugar, mesmo que você não seja religioso!

O Peg e o Lipe subiram em seguida, e eu não conseguia me forçar a sair dali - correndo o risco de parecer piegas (normalmente não sou tão sensível, emotiva e sentimental), me senti envolvida por uma sensação tão grande de paz que tornou ainda mais difícil conseguir entender tanto ódio entre pessoas que, como dizia no muro que divide os 2 estados, "sangram igual". 

Como diz em uma outra inscrição que vi lá - um trecho da Bíblia, com certeza - "hoje, quando o mundo está em trevas, que esta criança traga a luz".

Leia também o post que o Lipe (nosso pequeno viajante de 9 anos) escreveu sobre esta viagem: 


Para ver os melhores momentos desta viagem de volta ao mundo, assista este vídeo - se quiser, pode ir direto à parte sobre Jerusalém e Belém, no minuto 1:15:


Você já esteve na Palestina? Nós adoraríamos ter as suas contribuições aqui no blog! Deixe as suas dicas na nossa caixa de comentários, por favor!

Nos próximos posts, continuamos contando sobre a nossa viagem de volta ao mundo - não saia daí! 

Durante esta viagem, nós usamos as seguintes hashtags nas redes sociais Facebook/Twitter/Instagram - é só procurar na # e ver todas as muitas dicas que já postamos: #LipeVoltaaoMundo #LipenaPalestina

Também fiz uma pasta de "destaques" da Palestina lá nos stories do Instagram - espia lá que tem muitas dicas úteis! 

Acompanhe o nosso Instagram @claudiarodriguespegoraro - muitas dicas desta viagem por lá!


Você também nos encontra aqui:


Share

Claudia Rodrigues Pegoraro

Comente este Post:

0 comentários: