15 de novembro de 2017

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com crianças, pela Marisa

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa* Post escrito pela Marisa Bertoldo, que acaba de voltar de uma viagem incrível pela Amazônia com a família. 

A Amazônia tem o maior bioma e a maior floresta tropical do mundo. Infelizmente, é muito pouco conhecida e visitada por nós, turistas brasileiros.

Várias vezes pensamos em ir para o Amazonas, mas nos parecia que a região não era indicada para viagem com crianças pequenas e/ou que o custo seria muito elevado. Quando comecei a planejar a nossa viagem, levei um susto com os emails de resposta de alguns hotéis de selva e de operadoras de turismo; tudo absurdamente caro e com pacotes engessados! Tudo para estrangeiros que vivem com libras, euros, dólares...enfim, nada pagável para quem recebe seu salário em R$. 

Então, resolvi arregaçar as mangas e pesquisar muito para fazer nossa viagem totalmente por conta e sem gastar uma fortuna

Vou passar todas as dicas neste post para motivar as famílias viajantes a conhecerem esta nossa riqueza.

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

Qual é a melhor época para ir


Durante o ano todo! 

Viajamos em outubro/2017, ficamos 8 dias no Amazonas, chegamos e partimos sábado à tarde voando Gol pelo aeroporto de Manaus desde Porto Alegre. Voos diurnos, com apenas 1 escala e duração de 6hs, muito tranquilo. Emitimos 1 passagem com milhas Smiles, vale muito a pena, e pagamos R$ 2.395,56 pelas outras 2 (1 adulto e 1 criança). 

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa
escolher o assento no lado esquerdo do avião, para ver o encontro das águas lá de cima

Os rios estavam começando a encher, segundo o barqueiro, já tinham subido um palmo. Lá, são 2 épocas totalmente diferentes: a da cheia (fevereiro a junho) e a da vazante dos rios (agosto a janeiro). Não sei dizer qual a melhor época para ir. Acho que o ideal são 2 viagens: uma em cada período. 

O clima é quente e úmido e é um dos mais chuvosos do mundo, então, capa de chuva e sombrinha são itens obrigatórios na bagagem. Nós pegamos chuva, claro, mas nada que atrapalhasse os passeios. Eu tinha lido que seria um calor infernal, mas, sinceramente, não achamos tanto assim. 

Uma dica é programar para fazer os passeios a céu aberto no início do dia.

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

Roteiro de 8 dias


Foram 7 noites e 8 dias divididos assim:

2 dias no Centro Histórico de Manaus no Hotel Saint Paul


1 dia no hotel de selva Amazon Ecopark Jungle Lodge

3 dias em Ponta Negra no Wyndham Garden Manaus

Não mudaria em nada este roteiro! 

O trânsito no centro de Manaus é o 2° pior do país, por isso resolvemos usar somente o UBER para os deslocamentos nesta área. Super recomendo, o UBER funciona muito bem lá. Gastamos R$172,68 de UBER. 

Alugamos um carro apenas nos 3 últimos dias para os passeios nos municípios mais longe. Locação do carro: R$262,75. 

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

Centro Histórico


Chegamos em Manaus e fomos para o Hotel Saint Paul

O hotel é bem localizado, fica bem próximo do Centro Histórico, fazíamos tudo a pé, mas é um hotel decadente; piscina suja, cobraram a cama extra do Pedro, não tem áreas de lazer. Um hotel com bom custo-benefício somente pela localização e ótimo café da manhã. Reservamos pelo Booking e pagamos um total de R$ 350,00 por 2 diárias. 

Queríamos ter ficado no Local Hostel Manaus, mas eles não aceitam crianças, vai entender.

Saímos a tardinha para passear pelo LARGO SÃO SEBASTIÃO E IGREJA SÃO SEBASTIÃO, e jantamos no Tambaqui de Banda, restaurante que fica do lado do magnífico TEATRO AMAZONAS. 

Super recomendo o tambaqui de banda que eles servem lá e a jarra de suco de cupuaçu, em torno de R$ 60,00 para nós 3.


o imponente Teatro Amazonas

Monumento à Abertura dos Portos na Praça São Sebastião

tambaqui de banda

No domingo pela manhã fomos na FEIRA DE ARTESANATO DA AVENIDA EDUARDO RIBEIRO, que acontece somente neste dia, e ali provamos a pupunha, o tucumã e a manga-maça. É possível experimentar as frutas regionais e também o café regional. 

Seguimos até o PORTO DE MANAUS, depois fomos no MERCADO MUNICIPAL ADOLPHO LISBOA, compramos as balas da Amazônia de cupuaçu e castanha, o Tucupi (molho amarelo extraído da raiz da mandioca brava) e castanhas. 

Porto de Manaus

Mercado Municipal

Passamos no RELÓGIO MUNICIPAL e na CATEDRAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO.

A tarde fomos no INPA, R$ 5,00/adulto, passeio maravilhoso, o Pedro adorou, o sorvete de chocolate e cupuaçu de lá foi o melhor da viagem. 

cutia - elas andam soltas no Bosque da Ciência - INPA

jacaré camuflado na vegetação

cupuaçu - fruta extremamente saborosa, típica da região norte

muitos macacos no Bosque da Ciência

peixe-boi da Amazônia


Do INPA chamamos o UBER para o PORTO DA CEASA, e lá negociei com um barqueiro da cooperativa o passeio até o encontro das águas por R$ 50,00, rápido (20 min) e barato, dica valiosa do Ricardo Freire do site Viaje na Viagem

Outra maneira, praticamente gratuita, de fazer este passeio, é pegar a balsa Careiro/Castanho que sai dali mesmo e fazer um bate-volta - o único porém é que isto demora em torno de 3hs e é no relento do sol!

encontro das águas dos rios Negro e Solimões - os 2 rios seguem sem se misturar por 2Km e depois se tornam o Rio Amazonas

À tardinha provamos o tacacá, numa barraca na esquina do hotel, não lembro o nome...custou R$ 17,00 o grande. 

O tacacá é tipo uma sopa, perfeita para os dias frios aqui do sul - peça para provar primeiro: tem gente que adora e tem quem odeia! 

tacacá, melhor experimentar de olhos fechados kkk

À noite, fomos na apresentação gratuita da orquestra de violões da Amazônia no TEATRO AMAZONAS, um espetáculo lindo voltado para o dia das crianças.

Dica: baixar o App "Cultura Amazonas" para ficar por dentro da agenda cultural e seguir a página do INPA e do Museu da Amazônia no Facebook.




Na segunda-feira de manhã caminhamos um pouco mais pelo CENTRO HISTÓRICO. 

Fomos na PRAÇA HELIODORO BALBI e no PALACETE PROVINCIAL, no PALÁCIO RIO NEGRO, no PARQUE SENADOR JEFFERSON PÉRES e no TEATRO CHAMINÉ, mas não entramos nos museus porque neste dia eles estão fechados. 

Passamos na Sorveteria Glacial, famosa pelos sorvetes de frutas regionais, e provamos o de cupuaçu que é muito bom.

Parque Senador Jefferson Péres

Palácio Rio Negro

Palacete Provincial

Tropical Manaus Ecoresort


Chegamos no Hotel Tropical Manaus de UBER.

O hotel fica na Ponta Negra, que é um bairro de praia de rio bem bonito. O Hotel Tropical é enorme, tem 612 quartos distribuídos em 3 andares, com aqueles corredores compridos...lembram do filme 'O Iluminado', pois é... parece muito! 

Antigamente acomodava os tripulantes da extinta Varig, e hoje em dia recebe muitos congressistas e turistas do mundo todo. Já foi considerado hotel de selva, mas, com o avanço da cidade, não é mais, mas tem uma área verde bem grande que abriga um mini zoológico com animais trazidos pelo IBAMA e que não puderam ser reintroduzidos na selva pelo INPA. 

Muito triste ver araras depenadas e outros animais provenientes de biopirataria, macacos e até uma onça macho totalmente domesticada. Ver eles ali presos com a floresta tão próxima...mas infelizmente nos disseram que esses animais não teriam condições para sobreviverem livres na natureza.

Nosso quarto era enorme e não tinha cheiro de mofo (tinha lido avaliações sobre isso). O Pedro foi acomodado numa cama extra sem custo. 

A área da piscina é ótima, vimos muitas aves livres, a área kids é bem legal, mas tem horários de funcionamento fixos (não abre à noite, por exemplo). 

Valor da diária: R$ 218,35, em quarto duplo, com café da manhã. 

O hotel é bem afastado de tudo - para almoçar fomos de UBER até a Marina do Davi, comemos tambaqui frito, compramos água, bolos e pães doces para lanchar à tarde, tudo bem simples, econômico e gostoso.

Dica: à noite, pedir pizza manauara pelo IFOOD, da Cantina Ghiottto Pizzaria, deliciosa, quero comer de novo...R$ 56,00, no cartão de crédito, entregue na recepção do hotel. 

piscina do Tropical Manaus Ecoresort

tracajá

onça com comportamento de gatinho no mini-zoo do hotel

Hotel de Selva


No planejamento da viagem para o Amazonas, uma das prioridades era passar pelo menos 1 dia e 1 noite na Floresta Amazônica

A nossa primeira opção era a Pousada Uacari, na Reserva Mamirauá - só que, como ela é muito distante de Manaus, precisávamos de pelo menos uns 4 dias a mais para ir lá - ficou para quando formos na época de cheia dos rios! 

Outras opções que eu olhei: 

* Anavilhanas Jungle Lodge

Acabei reservando este último - o Amazon Ecopark Jungle Lodge - por caber no nosso bolso e no nosso roteiro.


Amazon Ecopark Jungle Lodge


Na terça-feira de manhã, curtimos a área kids do Hotel Tropical até a chuvarada passar. Depois, hora de ir até o Amazon Ecopark Jungle Lodge, nosso hotel de selva, reservado pela Zarpo, R$ 568,00, apartamento superior com pensão completa. 

Neste valor não estavam incluídom os traslados nem os passeios. Como só se chega ao hotel de barco, e o valor do traslado oferecido pelo hotel era bem elevado, fomos até a Marina do Davi e contratamos um barqueiro que nos levou e no outro dia nos buscou por R$50,00. 

Neste traslado de barco a paisagem é muito bonita, o barqueiro nos explicou sobre os flutuantes e os costumes da região, foi muito legal, demora uns 30 minutos e é bem tranquilo.

Como o rio ainda estava muito seco, não foi possível tomar banho na praia em frente ao hotel. Optamos por não fazer os passeios oferecidos por eles, ficamos nas piscinas naturais e passeamos nas redondezas. 

As piscinas naturais são uma delícia, adoramos, ficam no meio da floresta - fizemos uma pequena trilha pela selva por conta própria, ouvimos muitos animais, muita natureza mesmo. No entardecer, enquanto o Pedro brincava na areia da praia, acompanhamos as mudanças de cores do céu e as revoadas das aves, muita paz. 

A noite na floresta foi mágica: andamos pelos caminhos do hotel tentando identificar os animais pelo som, uma verdadeira orquestra! 

A estrutura do hotel é muito boa. A comida era simples e deliciosa, com opções para vegetarianos. Se a reserva não for all inclusive, o almoço ou jantar custam R$ 65,00/pessoa/refeição e 01 criança de até 10 anos é cortesia. 

Li em algum post que não valeria a pena ficar somente 1 noite num hotel de selva - eu acho que depende...se o hotel for próximo de Manaus e se a ideia não é fazer todos os passeios, vale sim! Nossa sorte que ficamos só 1 dia, pois não tínhamos mais o que fazer lá sem a praia de rio. Então, para nós, foi perfeito.

Na quarta-feira depois do café da manhã, caminhamos pela floresta sentindo o cheirinho pós-chuva, amo este aroma! As 11hs deixamos nosso hotel de selva.

navegando no Igarapé Tarumã-açu, a caminho do hotel de selva

chegando no Amazon Ecopark Jungle Lodge

quarto lindo no hotel de selva

piscinas naturais na floresta, sem mosquitos! (devido ao PH da água as larvas não se proliferam no Rio Negro e seus afluentes - durante toda a viagem não vimos nenhum tipo de "carapanã", que são os mosquitinhos da região norte)


 

a água não é gelada

paisagem no retorno a Manaus

chegando na movimentada Marina do Davi

Wyndham Garden Manaus


Fomos para o Wyndham Garden Manaus, também na Ponta Negra

Reservamos pelo Booking, 1 quarto duplo, 3 diárias com café da manhã e estacionamento: R$ 545,28. Ótimo custo-benefício

Acomodamos o Pedro com as almofadas do sofá no chão. Solicitei roupas de cama extras para o Pedro e uma manta para mim, tudo sem custo adicional. A piscina é uma coisa de linda, com borda infinita para o Rio Negro

A praia de rio na frente do hotel é uma delícia, água morna (28º C), limpa e tranquila.

Dica: peça na recepção um apartamento num andar alto e com vista para o rio. O nosso ficava no 8° andar, com vista para a ponte do Rio Negro, vimos até os botos cinza nadando no rio da nossa janela, um luxo! 

No restante do dia, retiramos o carro na locadora, passamos no supermercado Expresso Tarumã, onde comemos o melhor x-caboquinho da viagem, e curtimos muito a piscina e a praia.

piscina com vista espetacular do Rio Negro

banho delicioso no Rio Negro

lindo por do sol no Rio Negro

Novo Airão


Montar base no bairro da Ponta Negra para visitar os municípios próximos nos otimizou o tempo, evitando que ficássemos presos nos terríveis congestionamentos da área central de Manaus. 

Do nosso hotel até Novo Airão são 195Km, passando pela Ponte Rio Negro, AM 070 e AM 352 - a estrada está toda asfaltada, logo após a ponte tem um ótimo trecho duplicado, depois alguns trechos com muitos buracos. 

Outra forma de ir até lá é pegando um táxi compartilhado. Os carros identificados como Táxi Novo Airão ficam no início da ponte Rio Negro, a passagem custa R$ 50,00 tanto a ida como a volta e eles partem com 4 passageiros. Também tem ônibus para lá, e a passagem custa R$ 35,00, mas a viagem é demorada, 4hs, e bem cansativa.

Flutuante dos Botos Novo Airão


O nosso destino era o Flutuante dos Botos Novo Airão, um local de interação com os botos cor-de-rosa. No flutuante é possível fotografar e tocar nos animais, não é permitido alimentá-los nem nadar com eles. 

Eles têm um site explicando tudinho. O whatsapp da Marilda é o 92 991399345. 

Nós adoramos o local, que é fiscalizado pelo ICMBio. A Marilda nos recebeu com muito carinho, deu uma palestra informativa e somente depois nós seguimos para a interação com os botos. A gente senta numa plataforma, com as pernas na água, e fica ali observando. É inesquecível; os botos vem e nadam passando pelas nossas pernas, a gente pode tocá-los em determinadas partes que são explicadas na palestra, eles são muito dóceis, totalmente livres e tranquilos. 

No horário que a gente foi, estávamos somente nós e 1 casal do RJ, ficamos ali durante toda a alimentação das 12hs.

Almoçamos em Novo Airão, num restaurante local indicado pela Marilda, não lembro o nome, comida simples e deliciosa e depois voltamos para Manaus a tempo de curtir o pôr do sol tomando banho de rio na frente do nosso hotel.

Em Manaus nos diziam "ir até Novo Airão só para ver os botos é loucura, não tem nada lá, porque vocês não fazem o passeio de barco que sai de Manaus mesmo?"

Este é o passeio mais vendido por lá, oferecido em toda parte. O passeio dura o dia todo, e a maioria visita uma comunidade indígena onde os turistas tiram selfies com jiboias, jacarés e preguiças, vão até um flutuante para nadar, alimentar e tirar selfies com os botos cor-de-rosa e finaliza com o almoço regional num flutuante. 

A polêmica é muito grande em relação a estes passeios, cada um tem a sua opinião ou não, por desconhecer o assunto. Nós não compactuamos com o turismo exploratório dos animais silvestres e sugerimos, para quem se interessar pelo tema, uma visita a este site.




Cachoeiras de Presidente Figueiredo


Na sexta-feira, saímos as 8hs para aproveitar as cachoeiras de Presidente Figueiredo. Seguimos pela BR 174 até lá - rodamos 120Km numa estrada linda que corta a Floresta Amazônica e está em perfeito estado de conservação.

Nosso objetivo principal era conhecer a Cachoeira do Mutum, que fica no Km 54 da AM 240, estrada que vai até a Vila de Balbina

Em Balbina queríamos ter conhecido o Centro de Preservação e Pesquisa de Mamíferos Aquáticos (CPPMA) e a Usina Hidrelétrica de Balbina, considerada a mais ineficiente usina hidrelétrica do Brasil e que causou um dos maiores desastres ambientais do planeta. Mas tivemos que mudar o roteiro e faltou tempo para estas visitas.

Assim que chegamos em Presidente Figueiredo, fomos no CAT - Centro de Atendimento ao Turista, telefone 92 33241308, para verificar como estava o acesso para as cachoeiras e pegar o mapa com as informações. 

Isso é muito importante, se a viagem é por conta própria, para não perder tempo indo até um lugar que está fechado. No CAT, nos informaram que uma árvore tinha caído e bloqueado a estrada para a Cachoeira do Mutum. A Cachoeira da Pedra Furada também saiu do roteiro porque fica na mesma estrada da Cachoeira do Mutum.

paisagem na beira da BR 174

No roteiro eu coloquei visita em 7 cachoeiras, num dia apenas, loucura total. Fomos em 3 e voltamos acabados para o hotel, isso porque em cada lugar fazíamos uma trilha, o Pedro tomava banho, brincava nos poçinhos, nas corredeiras, voltávamos para o carro, trocávamos de roupa e assim foi o dia.

A primeira cachoeira foi a Cachoeira da Iracema, que tem acesso fácil pela BR 174, e a entrada custa R$ 10,00/adulto. 

Para chegar na cachoeira, é só seguir por uma trilha autoguiada desde o estacionamento. A trilha é curta e fácil, toda na sombra da floresta, e passa por algumas grutas. A Cachoeira da Iracema é linda, e o que mais impressiona é a cor ferrugem da água. 

Dali seguimos para a Cachoeira das Araras, que também faz parte deste local. Achamos a das Araras mais bonita que a da Iracema, talvez por ser mais rústica. 

Almoçamos num restaurante pequeno próximo da rodoviária de Presidente Figueiredo, comida barata e simples. Eu tinha boas indicações do Café Regional da Priscila, mas não gostei do lugar, sei lá, impliquei! 

De tarde, conhecemos a Cachoeira das Orquídeas, com entrada gratuita por ser dentro de um parque municipal, num bairro da cidade. 

A trilha de 2Km até a cachoeira é pelo meio da floresta, adoramos poder admirar mais um pouco daquela flora exuberante. A Cachoeira é pequena, vale mais pela trilha mesmo. 

Alerta: não ir sozinho na Cachoeira das Orquídeas! Nos alertaram que os roubos de objetos deixados ao redor da cachoeira são comuns. A área do parque municipal é fechada, a entrada é somente com identificação pelo portão principal, mas o pessoal "abriu" vários pontos de acesso e o local se tornou inseguro. Uma pena. 

Um lugar que não fomos, por cansaço mesmo, foi a Gruta do Raio, que fica no caminho da Cachoeira das Orquídeas e pareceu ser bem interessante. 

Nossa última visita do dia foi no Parque Urubuí, com entrada gratuita também. Fica no centro da cidade, é aberto 24hs e tem as corredeiras do Urubuí. 

Deixamos este local por último porque lá só tem sombra à tarde e não tem horário de fechamento como as outras cachoeiras. Depois de tantas trilhas e banhos, só ficamos com os pés na água para os peixinhos "beliscarem" e relaxamos um pouco. 

Um casal local nos indicou o Café Regional no Bule, que fica no Km 106 da BR 174, à direita na entrada da cidade de Presidente Figueiredo - mas, como não queríamos voltar de noite, acabamos não indo lá. Fica a dica.

grutas na trilha para a Cachoeira da Iracema




Cachoeira das Araras



Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa
Cachoeira das Araras

MUSA - Museu da Amazônia e Reserva Florestal Adolpho Ducke


Deixamos este passeio que eu considero imperdível para quem vai a Manaus e ama a natureza para o último dia.

Nosso voo era somente de tarde, então fomos cedo para o MUSA e subimos direto na Torre de Observação. Custa R$ 20,00/adulto. 

Ela tem 42m e 242 degraus. São 3 plataformas para observar pássaros e verdes. A vista lá de cima é surreal: de um lado a cidade que avança na floresta e do outro um imenso mar verde. Espetacular!


Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

No MUSA tem um lago com vitórias-régias enormes, passeamos por lá com a monitora que nos explicava tudo sobre a planta.

Não conseguimos fazer a trilha pela floresta, ela é guiada e tem horários definidos e deve ser incrível. Custa R$ 10,00/adulto.

O que mais nos impressionou nesta viagem foram as enormes árvores, elas podem alcançar 50m de altura! A gente sabia disso, mas é impressionante VER elas - no MUSA tem algumas dessas de grande porte, são majestosas mesmo.

Bom gente, é isso, um relato bem pessoal para inspirar as famílias viajantes a mostrarem esta rica região para seus filhotes. 

Vamos lá, porque os estrangeiros já descobriram que a Amazônia é fantástica. A Floresta Amazônica deve ser nosso motivo de orgulho e de luta para sua preservação.

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

casa de cigarra no MUSA

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

Amazônia: como organizar uma viagem por conta própria com criança, pela Marisa

__________________________________________________

Vontade de comprar as passagens aéreas para Manaus imediatamente, não é? Conheço a sensação! Os posts da Marisa sempre me deixam assim, babando pelos destinos da família! 

Obrigada, Marisa! Inspirador!! 

Você já conhece o Amazonas? Conta pra gente, deixe as suas dicas aqui também!


Todos os posts escritos para o pequeno viajante pelos nossos amigos/colaboradores, neste linkViagens dos amigos

Também da minha 'sócia' Marisa:

Galápagos com criança: orçamento e roteiro de 11 dias no arquipélago



Veja fotografias das nossas viagens no Instagram @claudiarodriguespegoraro, na hashtag #Felipeopequenoviajante.

Não esqueça de curtir a fan page no Facebook para acompanhar as nossas aventuras!

Assista todos os nossos minifilmes neste link do Facebook, e os vídeos você assiste no YouTube ou no Vimeo - aproveite e já se inscreva lá nos nossos canais!

Você também nos encontra aqui:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...